'As coisas estão ficando cada vez piores para Moro', diz leitor

No Senado, ex-juiz disse estar 'tranquilo' e que 'não tem apego ao cargo'

Mensagens vazadas

É difícil dizer qual é a maior preocupação de Sergio Moro. Se é o 1% que já foi divulgado ou se são os 99% que ainda virão a conta-gotas. O certo é que as coisas estão ficando cada vez piores para ele (“Ex-juiz disse a Deltan temer que operação afastasse FHC, diz site”).

Adalberto Kamura (São Paulo, SP)

Os heróis não precisam de medalhas ou estátuas, menos ainda de culto às suas pessoas, mas tão somente de respeito àquilo que por eles foi construído. Esse é o destino de Sergio Moro.

Henrique Nelson Calandra, desembargador aposentado e advogado (São Paulo, SP)

Moro diz não ter apego ao cargo, mas quer submeter ao escrutínio público uma eventual saída. Desde quando ele foi eleito, para se valer da opinião pública? 

Antonio Carlos Orselli (Araraquara, SP)

Futuro do BNDES

Joel Pinheiro da Fonseca escreveu com propriedade a respeito das ações do governo em relação ao BNDES (“Limpar para destruir"). A atitude destrambelhada e inconsequente do atual mandatário da nação, quando de maneira tosca anunciou à imprensa a intenção de demitir Joaquim Levy, não deixa dúvidas do que está por vir em relação à instituição.

Inês Vieira Lopes (Campinas, SP)

Protecionismo

Perfeito o artigo de Elio Gaspari (“O capitão prometeu uma alegria”). O protecionismo —já velho conhecido de nós, brasileiros— nunca é a maneira ideal de fomentar o desenvolvimento de nossa indústria de eletrônica/computadores, tão sofrida, carente de concorrência e 30 anos atrasada.

Carlos Ferreira Villares (São Paulo, SP)


Tabela de frete

Concordo com o ótimo artigo dos exportadores de produtos agrícolas (“Um ano da tabela de frete: Brasil só tem a lamentar”). É lamentável o uso de uma tabela de preços. Entendo as dificuldades dos caminhoneiros, que levam uma vida nada sedutora. Mas não se corrige um problema criando um novo. Como pode um governo liberal na economia aceitar essa vergonha? É intervencionismo puro. Esquecemos o que deu errado na década de 1980?

Bruno Alves (São Paulo, SP)


Pondé

Será que o Michel Laub não sabe que o articulista atacado é livre para ter convicções diferentes da dele e que pode expressá-las livremente (“Pondé e a barbárie”)?

Sylvia dos Santos (Jaboatão dos Guararapes, PE)

Achei pertinente o texto de Michel Laub sobre Pondé. Espanta-me a Folha continuar designando um espaço tão importante a um pseudointelectual que prefere destilar sua arrogância a prestar melhores serviços à sociedade.

Pedro M. de Oliveira (São Paulo, SP)


Encontro com leitores

Gostaria de parabenizar a Folha pelo evento e agradecer pela recepção e acolhida de Flavia Lima e Sérgio Dávila. Que esse seja o primeiro de uma série de encontros em que possamos debater os rumos e o dinamismo do jornalismo. Também parabenizo a direção da Folha pela corajosa opção de manter o cargo de ombdusman.

Irene M. Dell’Avanzi (Itapetininga, SP)


Modelo de assistência

A medicina baseada em valor é a solução para otimizar o uso de recursos, mas é difícil o convencimento do tripé que compõe a assistência: pacientes, que “adoram” exames e acreditam que prolongam a vida; profissionais, remunerados por serviço, solicitando exames em excesso; hospitais, que, diante dos investimentos, necessitam manter alta taxa de internação e procedimentos. Do outro lado, há financiadores (privados e públicos) com tabelas de remuneração defasadas. Atingir o equilíbrio é um desafio (“Que modelo de assistência de saúde nós queremos?”, de Claudio Lottenberg).

Fausto Feres (São Paulo, SP)


Cachoeira do Estrondo

A propriedade dos 305 mil hectares que compõem o empreendimento Cachoeira do Estrondo está legalmente constituída há mais de 40 anos, com registros no Cartório de Formosa do Rio Preto (“Descendentes de Canudos lutam contra megafazenda de soja na BA”). Não procede, assim, a informação de aquisição ilegal. Acrescente-se que não há repressão contra os alegados moradores que buscam reconhecimento de posse em ação judicial e que outras informações da reportagem estão equivocadas. A Colina Paulista se coloca à disposição da Redação para os devidos esclarecimentos.

Fernando Tourinho Neto, Bruno Bittar e Bernardo Lombardi, advogados da Colina Paulista

Reposta do jornalista Fabiano Maisonnave - Cachoeira do Estrondo consta como uma das maiores áreas griladas do país no “Livro Branco da Grilagem de Terras no Brasil”, do Incra, e é contestada pela Procuradoria-Geral da Bahia. O tiro do segurança em um morador está gravado em vídeo. 


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.