Bolsonaro não é homem nem para admitir o que disse, afirma leitor

Presidente negou ter falado 'paraíba' como crítica a nordestinos

O presidente Jair Bolsonaro - Adriano Machado/Reuters

'Paraíba'

Não é homem nem para admitir o que disse ("Bolsonaro nega ter falado 'paraíba' como crítica a nordestinos"). Covarde. Usou um termo chulo porque é um homem chulo. Ele já era isso quando começou a campanha e assim se comportou até o final. Depois que começou a governar, teve a oportunidade de mostrar que estávamos enganados.

Carlos Cesar Tavares (Rio Grande, RS)

Acho que o presidente não falou "paraíba" com sentido pejorativo aos outros estados do Nordeste, mas, sim, elogiando o estado da Paraíba como povo trabalhador (lutador). A oposição gosta muito de criticar porque não se conforma com a derrota nas eleições.

João Lima (Fortaleza, CE)

Está registrado em filmagem, não tem como negar. O Brasil todo viu.

Rita Reis (Juiz de Fora, MG)

Claro que Bolsonaro é despreparado para o cargo e também ignorante, mas as declarações dele estão produzindo algo muito bom. O presidente fala uma bobagem qualquer. Os petistas, a Folha etc. caem matando e, com isso, deixam o espaço livre para as reformas da Previdência, tributária etc.

Nelson Prado Rocchi (Campinas, SP)


Gasto com servidores

Vale a lógica já comentada por Paulo Guedes: o funcionário público não trabalha para o estado, é o estado que trabalha para o funcionário público ("Gasto com servidores vai a R$ 928 bi e atinge maior patamar da história"). Nos estados que estão quebrados, o principal problema é a folha de pagamento dos servidores.

Valtrudes Martins (Campo Grande, MS)

Sou servidora e o que eu mais gostaria na vida era ganhar o que as pessoas pensam que ganho. Colocar no mesmo balaio todos os servidores é de extrema má-fé. Façam uma reportagem mostrando quais recebem os altos salários.

Laura Virginia de Oliveira (Fortaleza, CE)

A matéria mostra que 2/3 dos gastos estão localizados nos estados e municípios, deixados de fora da reforma da Previdência pela força dos lobbies regionais. Ou o Senado corrige esse desvio ou caminharemos a passos largos para o abismo.

Fernando Moreira Gonçalves (Jundiaí, SP)


Jornalismo

Achei estranho Lucas Neves afirmar que Boris Johnson não se inibe em "moldar" os fatos segundo lhe convém, "apesar da experiência como jornalista" ("Brexit consolida a irresistível ascensão de Boris Johnson"). Do modesto lugar de leitor, diria que é "por causa da experiência". Todo santo dia, qualquer leitor de jornais, revistas e blogs precisa comparar várias "moldagens" se quiser que a sua própria seja razoável.

Sírio Possenti (Campinas, SP)

É com alívio e satisfação que a posição da ombudsman contrária à superexposição dada ao caso Tabata Amaral neste jornal ("'Caso Tabata Amaral'"). Também apreciei muito os argumentos usados, pois a perseguição ao "novo", já antiga nesse nosso pobre país, não se sustenta por si mesma. Princípios e ética não envelhecem tão rapidamente ou, pelo menos, não deveriam. Obrigada por fazer valer o papel de ombudsman.

Flávia Aidar (São Paulo, SP)


Caso Flávio

Um absurdo a atuação do presidente do Supremo ("Com 42 ações pendentes, Toffoli só viu urgência ao analisar caso Flávio", Poder, 21/7). Infelizmente estamos mal de "presidentes" --um pior que o outro. Pelo bem do país, os dois deveriam pedir o boné e cair fora.

Joaquim Fares (Rio de Janeiro, RJ)

É inadmissível que a Folha tente jogar a opinião pública contra o ministro Dias Toffoli apenas por ele ter cumprido o que diz a lei. Absurdo também é achar que todas as investigações sobre corrupção estejam ameaçadas por conta da decisão do presidente do Supremo. Quer dizer que elas estão ocorrendo sem autorização judicial, sendo portanto irregulares?

Alexandre Carvalho (Registro, SP)


Processo de 63 anos

Nada justifica uma demora dessas para julgar uma ação ("Processo leva 63 anos para ser julgado no STF, e até advogados já morreram", Mercado, 21/7). O objeto pleiteado já não tem o menor sentido. Aliás, nada faz sentido num absurdo desses. Essa demora apenas desmoraliza o Judiciário e o sentido de justiça social. Uma vergonha.

Pedro Cardoso da Costa (São Paulo, SP)


Chernobyl

As críticas são bem fundamentadas para defender a energia nuclear ("'Chernobyl' propaga desinformação científica, diz físico"). Entretanto, quando utilizada a água do mar, ela é devolvida mais quente e pode ocasionar danos para fauna e flora marinhas. A contaminação dos rejeitos radioativos permanece nociva no ambiente por milhares de anos. Alemanha e Japão tomaram a decisão de reduzir o uso de energia nuclear.

Luiz Roberto Da Costa Jr. (Campinas, SP)

A divulgação científica é prioritária em tempos de obscurantismo corrente, mas "Chernobyl", mesmo baseada em fatos reais, não é documentário. O físico Henrique Gomes tem razão ao afirmar que a série contribui negativamente para o imaginário popular, mas não é pior do que propagandas que preconizam "produtos sem química" ou "curas quânticas". Dizer qual a melhor forma de conversão de energia depende mais de geopolítica e economia do que de ciência.

Adilson Roberto Gonçalves, pesquisador científico (Campinas, SP)


Governo Covas

Em vez de o prefeito Bruno Covas (PSDB) investir em obras no Anhangabaú ("Obra no Vale do Anhangabaú causa tremor em prédios e crise no comércio"), ele deveria, sim, investir em obras paradas de CEUs na periferia.

Marcos Fernandes de Carvalho (São Paulo, SP)


Colunista

Belíssima crônica —no caso, o texto, não o contrário de aguda— de Antonio Prata ("Macunaíma, noruega, Pixar"). A coluna —no caso, o espaço no jornal, não a parte do corpo— é um deleite de todos os domingos.

Rodrigo Romling Rotheia Júnior (São Paulo, SP)

Ilustração
Adams Carvalho/Folhapress

Obituário

A breve biografia de Wilma Bozzo Junior ("Museóloga e professora, foi funcionária pública exemplar"), escrita pelo jornalista Carlos Bozzo Junior, filho dela, deixou-me enternecido. Ele tornou público um pensamento da sua inesquecível genitora: "Só obituários podem desprezar o preceito básico do jornalismo, pois não há como ouvir o outro lado".

João Paulo de Oliveira (Diadema, SP)


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.