Nordeste não precisa do amor de Bolsonaro, mas de respeito, afirma leitor

Presidente diz amar a região e ter sangue 'cabra da peste' na família

Bolsonaro no Nordeste

Senhor presidente, o Nordeste não precisa do seu amor ("Bolsonaro diz que ama o Nordeste e tem sangue 'cabra da peste' na família"). Para o povo nordestino, assim como para todos os brasileiros, basta ser tratado com respeito.

Ciclamio Barreto (Natal, RN)

O presidente Jair Bolsonaro discursa em evento usando chapéu de vaqueiro, em Vitória da Conquista, na Bahia
O presidente Jair Bolsonaro, com chapéu de vaqueiro, discursa em Vitória da Conquista (BA) - Divulgação/Presidência da República

O duro é aguentar esses esquerdistas eternamente inconformados com a eleição de Jair Bolsonaro. Nenhum respeito com símbolos da República. O presidente deveria ser de todos os brasileiros, mas eles acham que o deles está preso injustamente.

Avelino de Freitas Neto (Porto Alegre, RS)

Bolsonaro falou "governadores de paraíba" e não "governadores paraíbas". Ou seja, a ofensa foi a todos nós, nordestinos, e não aos governadores. No mais, é triste ver um presidente que arrota valentia, mas tem medo do povo.

Gabriel Augusto de Aquino Filho (Recife, PE)

Considero o governador da Bahia um dos mais equilibrados políticos do PT, mas, infelizmente, foi seduzido por parceiros radicais. Em um país em que milhares de obras públicas não se concluem, Rui Costa mostrou desprezo pelo seu povo e muito preconceito contra aquele que foi eleito presidente da forma mais democrática possível.

Osvaldo Tavares (São Paulo, SP)


Mensagens vazadas

Invasão de privacidade é crime grave em qualquer país democrático ("PF prende quatro suspeitos de hackear celulares de Moro e Deltan"), principalmente quando o grampeado é uma autoridade pública. Grampos só podem ocorrer com prévia autorização judicial. Quem divulga conversas sabidamente obtidas por meios ilegais se associa a esse tipo de ilícito.

Rivaldo Otero (Santos, SP)

Que tudo venha à luz. Inclusive os crimes confessados cometidos pelas vítimas da tal invasão.

Vlaudei Rogério Marques da Cunha (Tenente Laurentino Cruz, RN)


Guardiões do governo

Jair Bolsonaro com os filhos Flávio (à esq.), Eduardo e Carlos - Roberto Jayme/Ascom/TSE

Lendo a Folha, deparo-me com uma foto inusitada: o nosso presidente Jair Bolsonaro —em quem votei— e seus três pimpolhos —nos quais eu não me lembro de ter votado.

Solange Garcia (São Paulo, SP)

Jair Bolsonaro e seus filhos fazem-me lembrar uns versos do poema "Cais Matutino", de Ribeiro Couto, poeta e intelectual brasileiro: "Há viscos de sangue no solo da feira. / Se eu tivesse um barco, partiria agora". Troquem "feira" por "pátria" e teremos a imagem atual do nosso país.

Francisco José Bedê e Castro (São Paulo, SP)


Gasto com funcionalismo

O editorial "Disparidade salarial"  é, no mínimo, incompleto e parcial. Primeiro, generaliza toda a classe de servidores públicos. Que tal comparar os vencimentos de professores das iniciativas privada e pública? Ou de médicos? Segundo, a média é um parâmetro matemático importante, porém fortemente influenciado pelos extremos. Que tal utilizar a moda? Por fim, ao salário da iniciativa privada há que se somar o significativo acréscimo do FGTS, a que o servidor público não faz jus.

Caetano Brugnaro (Piracicaba, SP)


Governo Temer

Manifesto minha indignação com a reportagem "Temer perdoou contratos suspeitos de gerar rombo de R$ 21 milhões no Turismo". A leitura da matéria é suficiente para demonstrar que eu nem mesmo tive conhecimento do assunto e que a decisão de "perdoar" o que quer que fosse (nem sei se isso realmente ocorreu) deu-se em nível de segundo escalão do Ministério do Turismo. Portanto, dizer em título que eu perdoei contratos suspeitos de gerar rombo ao Tesouro constitui uma aberração, incompatível com a grandeza da Folha, e fere minha honra e minha reputação de forma absolutamente injustificável.

Michel Temer, ex-presidente da República


FGTS

Primeiro anunciam, trombeteiam e depois vão ver como fazer ("Governo quer mudança permanente no FGTS e deve limitar saques a R$ 500 em 2019"). Estudos ou planos? Zero. Agora, para não ficar feio, vão liberar no máximo R$ 500 para o trabalhador porque senão haverá demissão em massa na construção civil.

Marcos Teixeira de Souza (Barra Bonita, SP)

Bolsonaro pode parecer tosco, mas seus lances são calculados com frieza. Ninguém é reeleito tantas vezes por acaso. O palavreado e os métodos de provocação têm como objetivo chamar a atenção para si e retirar o foco do que realmente importa. É por isso que ele muda tanto de opinião. Enquanto nos indignamos com suas demonstrações de preconceito, racismo e desinteresse com meio ambiente, seus ministros vão destruindo o país.

Claudio L. Rocha (São Paulo, SP)


Homem na Lua, 50

Durante a bela homenagem prestada pela Folha, em Paraty, o professor José Miguel Wisnik destacou que Otavio Frias Filho foi, acima de tudo, um grande escritor. Basta ler o artigo "Era tudo paranoia", sobre a chegada do homem à Lua, republicado em 20/7, para concordar com o professor.

Márcio Augustus Ribeiro (Vinhedo, SP)


Violência no Rio

A reportagem "Juiz usa violência do Rio como argumento para tirar guarda de mãe que mora na favela"  relata um absurdo. Por que o juiz continua sentenciando na cidade do Rio de Janeiro? Deveria solicitar sua remoção.

Fausto Almeida (Goiânia, GO)


Inpe

A Fundação SOS Mata Atlântica manifesta solidariedade ao Inpe diante das recentes críticas e ataques feitos pelo presidente da República. Há 30 anos, somos parceiros no Atlas da Mata Atlântica, que monitora o bioma e é fundamental para subsidiar políticas públicas de combate ao desmatamento e incentivo à conservação e restauração. O Inpe está a serviço do Brasil e temos orgulho de sermos parceiros dessa instituição com excelência técnica e científica, que forma cientistas e é referência pela transparência.

Marcia Hirota, diretora-executiva da Fundação SOS Mata Atlântica


Corpos magros

O problema está no foco. Enquanto a sociedade focar o corpo bonito, haverá distorções ("Morda, mastigue e jogue fora", de Mirian Goldenberg). Temos que focar a saúde. Fazer esportes, frequentar academias e comer verduras e vegetais é sinônimo de saúde, de equilíbrio. Esses são os meios de atingir a qualidade de vida.

Denise Capece Coelho de Souza (Limeira, SP)


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.