Para leitor, saída de Frota do PSL mostra que o Brasil é um país 'curioso'

Debandada seria mais lógica se começasse por Sergio Moro, diz leitor.

Esquerda no PSL
Se algum filiado, agora ex-filiado, a qualquer partido de esquerda migrou para o PSL, algo está errado. Eis que nunca terá havido idealismo algum desse filiado, só oportunismo. É preciso que as siglas de esquerda se conscientizem de que, para termos partidos mais consistentes, o importante é a qualidade, não a quantidade.
Paulo Sérgio Cordeiro Santos (Curitiba, PR)

Jair Bolsonaro durante entrega de medalhas do Mérito Mauá, no Clube Naval - Pedro Ladeira/Folhapress

Curioso país
Curioso país o Brasil. A debandada de um governo medíocre, hipócrita e rancoroso está sendo deflagrada por um ex-ator pornô, Alexandre Frota, e não por um ex-juiz, Sergio Moro, em quem depositamos tanta esperança.
Carlos Moraes (São Paulo, SP)

Ingenuidade acreditarmos que políticos possam falar em nome do povo ou sugerir que fazemos parte do “nós” deles. Tanto o autoritário Bolsonaro quanto o Lulinha paz e amor governaram para favorecer a camarilha “deles”. O “nós” somos os milhões de desempregados, cidadãos comuns, invariavelmente excluídos das benesses, como exilados em nosso próprio país.
Ângela Luiza S. Bonacci (Pindamonhangaba, SP)

Gostaria de dizer ao senhor Reinner Carlos de Oliveira que receber verbas, mesmo “mixurucas”, de outros países para defender a Amazônia não nos faz perder a dignidade. Porém, enviar alguém despreparado para o país mais ganancioso de todos e saber que será um “lambe-botas” do segundo presidente mais irresponsável do planeta é entregar o Brasil “de bandeja”, sem nenhuma dignidade.
Maria Cecilia Rios Furia, professora (São Paulo, SP)

Área de pasto queimado às margens da BR-319, no sul do Amazonas - Lalo de Almeida - 11.ago.2018/Folhapress

Armas
Estranhei a pouca atenção dada pela Folha à fala de Eduardo Bolsonaro sobre diplomacia e armas na frente de militares. Associá-las, em vez de contrapô-las, mais do que revelar pobreza de conceito, permitiu-nos prever que o embaixador seria amigo não apenas dos Trumps mas também da indústria americana de armas e equipamentos de guerra.
Rogério Medeiros (São Paulo, SP)


Amazônia e geleiras
Como alemães e noruegueses, os islandeses, na visão de nossos governantes, também poderiam aprender muito sobre conservação ambiental com os brasileiros. O problema do desaparecimento das geleiras pode ser facilmente resolvido. Basta demitirem os cientistas que certificaram tal fenômeno.
Alceu de Andrade Martins (Carlópolis, PR)

É notório que a Alemanha tem um plano para o fim da era do carbono, feito de maneira organizada e com metas razoáveis. Mas Bolsonaro faz ataques de forma truculenta, sem nenhuma diplomacia. Ele tem de ver que o fim de repasses à Amazônia é só um aviso. O próximo passo será um amplo boicote aos produtos brasileiros.
Michael Xavier (Brasília, DF)


Abuso de autoridade
A Câmara deu seu recado. Estão fazendo de tudo para ferrar a Lava Jato e dizer ao povo brasileiro que não adianta querer acabar com a corrupção, porque não irão deixar.
Luciano Vettorazzo (São José do Rio Preto, SP)


Brasil e Argentina
A vitória da esquerda nas primárias argentinas inflamou Bolsonaro. Vale lembrar ao senhor presidente que a vitória parcial da esquerda no nosso vizinho se deveu principalmente ao fraquíssimo desempenho do governo de Mauricio Macri na economia. Em vez de se preocupar com a periodicidade fecal dos brasileiros, é aconselhável que Bolsonaro observe os indicadores econômicos do país que governa.
Inês Vieira Lopes (Campinas, SP) 

O vencedor das prévias na Argentina, Alberto Fernandez - Agustin Marcarian/Reuters

Educação
Boa discussão a de Maria Hermínia Tavares sobre o tema do aumento dos recursos e da redução do poder de reitores e colegiados universitários. Há uma tentativa de aumentar a captação de recursos, mas a contrapartida é um temor. Eu pergunto o seguinte: por que os governos anteriores não fizeram algo diferente para mitigar as carências no setor? Os reitores têm suas obrigações e direitos assegurados por lei, não havendo canetada pura e simples capaz de retirar-lhes poder.
Arnaldo Alves da Costa Neto (Rio de Janeiro, RJ)

O MEC e as legislaturas federal e estaduais expõem seu lado mesquinho contra os estudantes e seus familiares. O ministério quer acabar com o programa de escola integral e criar um frouxo convênio com faculdades. Isso cheira a mutreta. Convoco os senadores e deputados federais a atuar em favor dos alunos, professores e funcionários, principalmente na escola integral, dos 645 municípios do estado de São Paulo.
Eduardo Cavicchiolli de Oliveira Pinto (São Paulo, SP)


Lendo e aprendendo
Adoro o que escreve Sérgio Rodrigues em suas colunas no caderno Cotidiano. Desde que assinei esta Folha, não me furto à oportunidade de lê-lo. Todas as quintas, aprendo algo novo. E não foi diferente nesta semana. Parabéns, Sérgio! Parabéns, Folha!
Gleidson Silva Lino (São Bernardo do Campo, SP)


Laqueaduras
Diferentemente do publicado no texto “Promotor que impôs esterilização em mulheres é suspenso”, não me manifestei em momento nenhum a respeito do resultado do julgamento de meu cliente, o promotor Frederico Liserre Barruffini. Não fui nem sequer procurado pelo repórter Rogério Pagnan, a quem não forneci nenhuma declaração. O enfrentamento da decisão proferida pelo Órgão Especial se dará no momento oportuno, por meio das ferramentas processuais cabíveis.
Raphael Guimarães Carneiro, sócio do escritório Raphael Carneiro & Márcio Santos Advogados (São Paulo,SP)

Resposta do jornalista Rogério Pagnan - Todas as afirmações que constam da reportagem foram proferidas durante a sessão de julgamento, acompanhada pelo repórter no local, e por dois assessores de imprensa do Ministério Público de São Paulo.


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.