Com as possíveis mudanças na lei eleitoral, mais uma vez o povo pagará a conta, diz leitor

No final, todos ficam bem, menos o povo, diz Jane Maria da Silva

Lei eleitoral
"Entenda retrocessos na lei eleitoral preparados com aval de Maia e Alcolumbre". Simples de compreender, faz parte do pacto. No final, todos ficam bem, e o povo, mais uma vez, paga a conta. Até quando?
Jane Maria S. da Silva (Rio de Janeiro, RJ)

Abrindo caminho
Já não era sem tempo para que um expert como Oscar Vilhena Vieira viesse a público trazer à luz o alerta contundente sobre os desvarios do governo e sua trupe ("Abrindo caminho"). A opinião exarada por um especialista em Constituição, que faz uma explanação precisa sobre os descalabros produzidos pelo poder dominante, deveria ser motivo de grande preocupação. Cada parágrafo descortina uma assombrosa realidade, que, quase diariamente, apresenta ataques aos direitos humanos, ao meio ambiente, aos órgãos reguladores e à Justiça, visando a uma disrupção sem precedentes.
Inês Vieira Lopes (Campinas, SP)


Bolsonaro
Todos os analistas políticos parecem ter desenvolvido sua própria teoria da conspiração para explicar o atual momento. Até Demétrio Magnoli ("Bolsonaro e o 'Sistema'"), que nunca se prestou a devaneios, agora parece acreditar em um hipotético "partido dos procuradores", cuja ideia guia seria aniquilar toda a atual classe política, objetivando abrir o caminho de Sergio Moro à Presidência.
Luís Roberto Nunes Ferreira (Santos, SP)


Bolsonaro na ONU
Bravata. Não acredito que vá ("Bolsonaro retorna a Brasília e diz que viajará aos EUA para Assembleia-Geral da ONU"). O Brasil passaria uma vergonha total. 
Elizabete Oliveira (Jaú, SP)

Não dá tempo de trocar e mandar o Tiririca? Assim não passaremos tanta vergonha.
Rodrigo Negrão (São Paulo, SP)

A escultura "O bem derrota o mal", em frente à sede da ONU, em Nova York - Li Muzi - 6.ago.2019/Xinhua

Ruy Castro
Assino a Folha há muito tempo e a leio diariamente. Concordo com algumas opiniões dos articulistas e discordo de outras, mas há dias em que os artigos batem tanto com o que penso que preciso me manifestar. O trecho em que Ruy Castro diz que restará aos Bolsonaros completarem seu trabalho de trair, ofender, humilhar, demitir e se desfazer dos que um dia acreditaram neles ("Orgulhosamente sós") traduz exatamente o que penso dessas pessoas. Obrigada, Ruy, por entender e saber explicar o pensamento de muitos leitores.
Cristina Reggiani (Santana de Parnaíba, SP)


PSL
Maravilha. Fascista brigando com fascista ("PSL deixa governo Witzel após pedido de Flávio Bolsonaro"). Mas óbvio: intolerante com intolerante vai dar o quê?
Daniel Liaz (Curitiba, PR)


Pacaembu
Parabéns ao prefeito de São Paulo ("Covas assina concessão do Pacaembu, que ficará fechado por ao menos dois anos"). Excelente notícia. A prefeitura não precisa cuidar de estádio de futebol em bairro nobre. Há muitas coisas a serem feitas nas periferias. Agora falta fazer o mesmo com parques, cemitérios etc. E parabéns ao governador João Doria, que começou isso.
Claudio Rocha (São Paulo, SP)

Fernão de Magalhães
A propósito do texto "Quando a Terra era redonda" (Ilustríssima, 15/9), penso que os autores poderiam ter citado o livro de Stefan Zweig "Fernão de Magalhães, o homem e a sua façanha", de 1938 (publicado no Brasil em 1999). Além de recriar toda a jornada, Stefan Zweig acrescenta outros pormenores, entre os quais o relatório das despesas com a frota de Magalhães (transparência de gastos...).
Clarissa Longhi Bitencourt (Osasco, SP)


Bares
Ao ler Marcos Nogueira ("Réquiem para um boteco"), lembrei-me de outro bar histórico, o Amigo Leal, em São Paulo. Ao trocar de dono, o bar ganha outra identidade. Normalmente para pior. Foi o que ocorreu com o saudoso boteco da rua Amaral Gurgel. Fiquei triste por seu fechamento e pela pouca repercussão.
Jorge Ribeiro Neto (Indaiatuba, SP)


Haddad e a Justiça
O que esperar de um sistema judiciário aparelhado, como é o de São Paulo ("Juiz fez estimativa falha e sem perícia ao condenar Haddad por caixa dois")? O sistema que condena sem provas os "vermelhos" é o mesmo que vem fazendo vista grossa e agindo como "joão sem braço" há mais de 20 anos para as falcatruas tucanas.
Leonardo Dib (São Paulo, SP)

Depois que a acusação é feita a jornais e demais meios de comunicação, que a vida da pessoa é enxovalhada, aí se descobre que a investigação foi malfeita e que o juiz falhou. Enquanto isso, muita gente solta continua ameaçando a democracia no país.
Maria Isabel Martinez Pons (Brasília, DF)

Lendo a reportagem, dá vontade de rir. Mas a coisa é séria. É nas mãos de juízes tão "criteriosos" que corre a Justiça brasileira?
Rosemeire Campos (Sorocaba, SP) 

0
O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad durante ato em defesa das universidades e da educação pública, na Cinelândia, no Rio - Filipe Cordon - 10.mai.2019/Folhapress

Um bom governo
Um bom governo deve priorizar/ a educação em todos os níveis/ saúde pública de qualidade/ a preservação das florestas e do meio ambiente/ gerar empregos é uma necessidade/ e melhorar a qualidade de vida dos cidadãos e nos diversos segmentos. A cultura é fundamental e sem patrulhamento/ a liberdade deve ser sensacional/ um bom governo não deve cometer diariamente/ asneiras e besteiras/ apenas deve praticar a boa diplomacia/ evitando assim macular o conceito e a imagem/ do país, internacionalmente/ um bom governo também precisa ter consciência/ de que nem todos pensam igual/ também é fundamental saber que os cidadãos responsáveis/ têm o inalienável direito de poder escolher como devem viver/ um bom governo também precisa saber que não existem soluções simplistas/ e que nem tudo se resolve com BALAS e com a CANETA.
Ricardo Desio (São Paulo, SP)

Intervenção do leitor Ricardo Desio sobre ilustração publicada na capa da Folha em 7.set.2019 - Reprodução

PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.​​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.