Leitor diz que para crimes como desvio em merendas não deve haver atenuantes

Roubar comida de criança carente é o pior dos crimes, diz Mauro José Cavaletti

Desvios na merenda
"Com 154 indiciados, ação da PF descobriu que grupo trocava proteína por pipoca na merenda em SP" (Cotidiano, 2/1). Punição exemplar a todos, sem direito a habeas corpus ou progressão de pena. Fraudar merenda escolar é o fim, assim como vender remédios falsificados. Para crimes assim não pode haver atenuantes. Todos devem perder o patrimônio ilegal. E seus nomes e fotos devem ser apresentados pela mídia.
Alexander Barbierato (São Paulo, SP)

Policial Federal carrega malote na sede da PF em São Paulo durante operação Prato Feito - Danilo Verpa - 9.mi.2018/Folhapress

Vergonhoso. Uma das prefeituras chegou a pagar R$ 12 por unidade de ovo. Roubar comida de criança carente é o pior dos crimes. Cela comum é pouco para esses marginais.
Mauro José Cavaletti (Monte Alto, SP)

0
Policiais federais carregam malote na sede da Polícia Federal de São Paulo a durante operação Prato Feito. - Danilo Verpa - 9.mai.2018/Folhapress

Economia
Nem com o valor do dólar batendo recordes o país consegue ser competitivo ("Balança comercial registra superávit de US$ 46,7 bilhões, pior resultado desde 2015", Mercado, 2/1). O que nos salvou de uma situação ainda pior foi o aumento na exportação de carne, o que só aconteceu por causa de uma eventualidade na China. É o fim da linha.
Cristiano Jesus (Americana, SP)

Para melhorar o nosso mercado interno, basta o governo dar um bom aumento salarial para os trabalhadores de salários mais baixos. Temos em torno de 150 milhões de brasileiros que só conseguem —e muito mal— consumir o básico necessário para sobreviver. Temos um mercado sufocado, com potencial para crescer acima de 10% ao ano.
João Leite Leite (Osasco, SP)

Se tivéssemos alcançado um crescimento anual de 3% desde 2011, hoje teríamos um PIB de US$ 3,3 trilhões. Infelizmente, a realidade é bem pior. O PIB de 2019 ficará abaixo de US$ 2 trilhões. A última década foi um verdadeiro desastre para nossa economia. As reformas administrativa e tributária são a esperança para o Brasil. É preciso que o Congresso agilize a votação dessas reformas, possibilitando o posicionamento do país na rota do crescimento novamente. Parlamentares, vamos trabalhar!
José Carlos Saraiva da Costa (Belo Horizonte, MG)


Lava Jato
"Juiz autor de artigo pró-Moro agora se diz frustrado com revelações sobre a Lava Jato" (Poder, 2/1). Afirmar que o processo não apresentou provas e é viciado não significa dizer que o acusado é inocente. Mas também não dá para dizer que ele é culpado. Assim é no Estado de Direito. Um julgamento justo se faz necessário. Alguém aceitaria submeter-se aos critérios do político Moro num julgamento? Acharia justo um filho seu ser julgado sob esses critérios, ao arrepio da lei e da ordem? Não esqueçamos que a vítima de abuso do Estado amanhã poderá ser qualquer um.

Luciano Nunes (Gravataí, RS)

Cercadinhos vip na praia
O retalhamento da orla de Copacabana é produto de uma gestão que privilegia privilegiados ("Prefeitura derruba liminar contra 'cercadinhos vip' em praias do Rio no Réveillon", Cotidiano, 31/12). Depois de arrebentar as finanças da cidade, deixar servidores sem salário e privar o cidadão de serviços essenciais, o prefeito quer aumentar a arrecadação às custas do direito de acesso às praias. O alcaide reafirma a discriminação social que persiste em nossa sociedade e contradiz os votos de união e paz das mensagens de Natal e Ano-Novo.
Patrícia Porto da Silva (Rio de Janeiro, RJ)

Eleições
Democracia só funciona com eleições verdadeiras. Por isso os brasileiros não conhecem o real valor dessa joia, e os desavisados dizem que ela não deu certo ou está morrendo. O voto é uma pétala da soberania nacional. Enquanto não for corrigida a sua forma obrigatória e não houver a possibilidade de candidaturas independentes não vamos experimentar o doce sabor do poder democrático no Brasil.
Ronan Wielewski Botelho (Londrina, PR)


Prefeitura de São Paulo
"Tucano Bruno Covas anuncia candidatura à reeleição para a Prefeitura de São Paulo" (Poder, 2/1). Antes, Bruno Covas precisa "combinar com os russos" a sua candidatura à reeleição, pois o oportunista João Doria, que atualmente manda e desmanda no PSDB, já disse e demonstrou várias vezes não querer Bruno como candidato, a ponto de ter tentado e feito convite a diversas pessoas, como, pasmem, Joice Hasselmann.
Marcos Barbosa (Casa Branca, SP)

Popularidade digital
Dados de empresa de consultoria mostram a popularidade digital de políticos caindo assim que rompem com o clã Bolsonaro ("Joice, Doria e Witzel desabam em popularidade digital após embates com Bolsonaros", Poder, 1º/1). Dado o acontecido na campanha e depois dela, teria sido interessante alguma informação sobre quão bem a metodologia distingue gente real de robôs e de outros truques de empresas vendedoras de influência digital.
João Marcelo P. Alves (São Paulo, SP)

Democracia
Elena Landau precisa entender que é preciso aceitar opiniões diversas sobre costumes ("Não existe ser liberal na economia e intolerante nos costumes, diz Elena Landau", Entrevista da 2ª, 30/12). Grande parcela da população não concorda com liberações que chegam a ultrapassar o limite do razoável. 
Marco Antonio Cardoso de Andrade (Lorena, SP)


Diálogo
A colunista Maria Paula ("2020, o ano do discernimento", Opinião, 2/1) já tentou, como ela recomenda, "um diálogo ancorado na inteligência" com um bolsonarista?
Márcio d'Ávila Ribeiro (Ribeirão Preto, SP)


Renova?
A foto que ilustra a reportagem "Grupos de renovação política colidem com partidos e são copiados" (Poder, 2/1) é muito elucidativa. O RenovaBR renova ao contar com tantas moças envolvidas e, por outro lado, regride ao mostrar a grandíssima ausência de negros.
Antonio Carlos Orselli (Araraquara, SP)

Sem açúcar
O consumo de açúcar branco vicia e está ligado ao aumento de risco de diabetes, obesidade, colesterol alto, gastrite, gordura no fígado, câncer, pressão alta etc. A maioria da população ignora esses fatos. E a dieta da maioria de nossas crianças leva muito mais açúcar do que deveria. O governo deve obrigar que alimentos com muito açúcar tenham um selo avisando que seu consumo contínuo não é recomendado, aumentar os impostos sobre esses produtos e utilizar essa verba em campanha semelhante à que foi feita com o cigarro.
Jorge A. Nurkin (São Paulo, SP)


Boas-festas
A Folha agradece e retribui os votos de boas festas recebidos de Case Comunica, jornal A Voz da Vila, Falconi Comunicação, Aronis Advogados, Le Petit Poète Promoções Artísticas, João Farah (São Paulo, SP) e Adilson Roberto Gonçalves (Campinas, SP).


Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br​. ​ ​ ​​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.