Leitores criticam MEC e ministro Weintraub por erros nas notas do Enem

Fundo eleitoral, abstinência sexual e Roberto Alvim também motivam comentários de leitores

Erro no Enem
Erro extremamente grave, que compromete a confiança de candidatos na sua nota (“MEC divulga notas do Enem com erros; 39 mil pessoas podem ter sido afetadas”, Cotidiano, 19/1). Qual seriam os adjetivos atribuídos aos responsáveis?
Ana Maria Souza de Araújo (Fortaleza, CE) 

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, em entrevista coletiva sobre o Enem
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, em entrevista coletiva sobre o Enem - André Coelho/Folhapress

Abraham Weintraub está sempre se explicando por algum tropeço. Parece até um petista.
Luiz Felipe de Bello Cardoso (São Luís, MA)

Este governo só acumula erros. Com um ministro analfabeto e uma equipe igual, não é novidade.
Marisa Oliveira (Curitiba, PR)

Será que foi porque o governo só nomeou cargos comissionados com perfil técnico, e não ideológico?
Lucinio Nones (Blumenau, SC)

O Enem precisa acabar, pois não tem mais credibilidade. Precisamos ter de volta mais vestibulares
Francesco Bernardo Pereira (Varginha, MG)

Que “balbúrdia”.
Daniel Souza Medeiros (São Paulo, SP)


Abstinência
Essa política de abstinência sexual me fez lembrar o fim do horário de verão, ao atrasar o relógio até 1964 (“Abstinência ou autonomia”, Tendências / Debates, 19/1). É querer abafar o apito da panela de pressão da libido juvenil. A educação sexual deve enfatizar não só aspectos biológicos e éticos como também o direito ao prazer. A melhor expressão está na música de “O que será (à flor da pele)”, de Chico Buarque: “O que não tem censura nem nunca terá”. 
Paulo Sérgio do Carmo ( São Paulo, SP)

O título contém falso dilema: pode-se ser autônomo e escolher a abstinência. Ou não. Ao tentarem passar por cima da característica fisiológica do sexo, além do prazer que proporciona, a ministra Damares Alves e a secretária Angela revelam seu mais completo despreparo para os cargos que exercem. Deve-se proporcionar educação sexual aos jovens. 
José Cretella Neto (São Paulo, SP)

Nenhuma política fundada na “corporeidade-afetividade-alteridade”, implementada em EUA, Chile, Uganda (cujo presidente é evangélico, autocrata e criminalizou a homosexualidade com pena passível à perpetuidade!), deu certo. Há estudos suficientes. Damares Alves e Angela Gandra Martins jogam com o único jogo que o governo sabe: fakenews, generalização, teocratização.
Marcus Vinícius Xavier de Oliveira (Porto Velho, RO)

Por que religião tem aversão a sexo? Tantas coisas fazem mal nesse mundo, mas o foco é sempre o sexo (“Casal de pastores dá dicas a jovens evangélicos que só querem sexo após casamento”, Cotidiano, 19/1).
Wilson Souza (Mauá, SP)

Abstinência é uma coisa, prevenção é outra. Prevenir DSTs e gravidez precoce deve ser iniciativa de todos (família, escola e Estado). Não sou religioso, mas, se fosse, diria que o pecado não está no sexo, está nas consequências impensadas.
Said Ahmed (São Paulo, SP)


Militares no INSS
O governo, em vez de recrutar, por concurso, novos funcionários, faz algo que não será bom para os militares, pelo desgaste da prestação de serviço para o qual não estão preparados, e para o público, pela consequência de atendimento precário.
Daguzan Cardoso Dias (São Paulo, SP)
 


PCC
Para que ter medo (“PCC realiza fuga em massa em prisão no Paraguai, e 75 conseguem escapar”, Cotidiano)? No Rio, as milícias são institucionalizadas. Em São Paulo, o PCC é responsável pela diminuição das taxas de homicídios. Temos que compreender as verdades de fato.
Baltasar Gomez Junior (São Paulo, SP)

O Brasil tem controle zero sobre a fronteira. É mais furada que uma peneira. Entrarão quando quiserem e bem entenderem. Entram toneladas de drogas, armas e contrabando, não vai entrar um bandido?
Maurício Serra (Cidade Ocidental, GO)


Goebbels
Bolsonaro encontrou secretário da Cultura tão perfeito que, num só vídeo pensado e produzido, revelou tudo o que deveria permanecer subterrâneo alimentando sua política para a Cultura. Quem quer que o substitua e consuma as mesmas ideias precisa cuidar da repugnante halitose nazifascista que delas emana. Cuidado, Regina, que um dia foi “namoradinha” do Brasil. 
Fidelis Marteleto (Rio de Janeiro, RJ)

Montagem Goebbels e Roberto Alvim
Montagem Goebbels e Roberto Alvim - Montagem

Alvim se revelou neonazista e armou ridícula cena para imitar Goebbels. Só não conseguiu a inteligência do alemão. Bolsonaro definiu o nazismo como movimento comunista. Eis a dúvida: Alvim foi demitido por ser nazista de direita ou nazista de esquerda?
Luiz Carlos Guimarães Brondi (Araraquara, SP) 


Fundo eleitoral
“A proposta veio do TSE.” Desde quando tribunal propõe orçamento de fundo eleitoral? Só para variar, mentiu declaradamente (“Bolsonaro diz que atrapalharia democracia se vetasse fundão”, Poder, 19/1).
Daniel Liaz (Curitiba, PR)

O eleitor consciente é contra esse absurdo, o que não deve é quem votou a favor, seja o parlamentar ou seus representados, pegar carona agora para criticar o presidente.
Paulo Rivail Andrade (Ituiutaba, MG)

Odeio Bolsonaro, mas esse fundo é fundamental para que partidos com candidatos pobres possam disputar com João Amoêdo e milionários. 
Mateus Vinhas (Brasília, DF)

Ele vetando, levantaria a ira do Legislativo. Diga quem são, sr. presidente, ou quer carregar o fardo sozinho com a falácia de impeachment. Todo ano de eleição é desvio com gráfica fantasma ou de compadre político. Tem que ver isso aí, taoquei!
Paulo Rogério de Almeida (São Paulo, SP)


Chefe da Secom
Chega de abusos governamentais (“Wajngarten busca centralizar verbas e fazer ponte com TVs”, Poder, 19/1)! Partidos e chefes de governo não têm noção de gestar poderes públicos. Quando assumem, tiram vantagens pessoais e enriquecimentos ilícitos! Corrupção, chega!
Carlos Camacho (Goiânia, GO)


Casa da Moeda
Não me espanta saber que, após o anúncio de privatização da Casa da Moeda, ocorreram nomeações de neófitos para cargos de diretoria (Mercado, 18/1). Espanta é saber que os jovens e dinâmicos diretores foram moradores do famoso condomínio da Barra da Tijuca, o balança mas não cai da nossa República.
Francisco Pedro Reis Junior (Santos, SP)

achada do Vivendas da Barra, localizado na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro; Eduardo Zimmer Sampaio e Saudir Luiz Filimberti dividem uma casa no mesmo condomínio de Jair Bolsonaro
achada do Vivendas da Barra, localizado na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro; Eduardo Zimmer Sampaio e Saudir Luiz Filimberti dividem uma casa no mesmo condomínio de Jair Bolsonaro - Raquel Cunha/Folhapress

Maestro
Parabéns pelo texto do Ricardo Kotscho sobre João Carlos Martins (“João Carlos Martins volta ao piano após um ano graças a luva biônica”, Cotidiano, 19/1), símbolo de superação.
Luciano Borges Piva (Poços de Caldas, MG)

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.