Para leitor, Trump quer que Irã caia na sua armadilha

'Ataque iminente' lembra 'armas de destruição em massa' de Bush, diz leitor

Ataque no Iraque
Esse papo de "ataque iminente" me lembra a mentira das armas de destruição em massa que Bush usou para invadir o Iraque. E pensar que temos um sem noção do mesmo calibre aqui, mas, ainda bem, sem o mesmo poder ("'Agimos para parar uma guerra, não para iniciá-la', diz Trump", 3/1).
Rodrigo Maomé (Campinas, SP)

"Severa vingança" é uma arma imprevisível e pode causar a morte de muitos americanos em qualquer lugar ("Líder supremo do Irã promete 'severa vingança' contra EUA", Mundo, 3/1). Não haverá guerra declarada, mas ações camufladas. A história recente já demonstrou isso.
Antonio Ferreira de Carvalho (Belém, PA)

Trump quer que o Irã caia na sua armadilha. Uma retaliação será a pedra de cal no regime dos aiatolás. A anuência dos russos já está sendo costurada. Síria, Iraque, Iêmen, talibãs, Hizbollah etc. serão dizimados. O mundo vai chiar, mas vai acabar apoiando.
José Renato Monteiro (São Paulo, SP)

Donald Trump fala sobre ataque que matou o general Suleimani - Tom Brenner/Reuters

O único objetivo de Trump é cacifar a sua reeleição. É sabido que ações espetaculares sempre rendem milhões de votos. No caso de Trump, entretanto, isso é até mesmo desnecessário. A não ser que haja um cataclismo de proporções estratosféricas, a reeleição dele já está garantida, sem contestações.
Geraldo da Silva (Salvador, BA)

Irã e EUA são os únicos responsáveis pelas encrencas que eles mesmos plantam. Nada disso estaria ocorrendo se Irã e EUA não interviessem nos países do Oriente Médio.
Ricardo Ferreira (São José dos Campos, SP)


Desmatamento
"Presidente do Ibama ignora área técnica e autoriza empresa a desmatar mata atlântica" (Ambiente, 29/12). É o colapso total, acima de tudo e para todos.
Vitor Gomes dos Santos (São Lourenço da Mata, PE) 

Eduardo Bim, presidente do Ibama - Pedro Ladeira/Folhapress


Governo federal: cada dia uma agonia.
Edmilson Barcellos da Rocha (Niterói, RJ)
 


Bolsonaro e os livros
"Bolsonaro chama livros didáticos de 'lixo' e propõe que material seja suavizado em 2021", Educação, 3/1). Bolsonaro passou quase 30 anos no baixo clero sem nunca ter apresentado uma vírgula sobre educação. É ridícula sua manifestação. Mas, para quem idolatra Olavo de Carvalho, Ustra e Weintraub, é até compreensível. O STF terá que nos socorrer novamente.
Isabele Haruna Ono Zamaro (Joinville, SC)


Promessas
"Bolsonaro patina para cumprir promessas eleitorais após 1º ano de governo" (Poder, 3/1). A experiência dos últimos 16 anos deixou claro que o Executivo não pode ter carta branca e alinhamento automático do Legislativo. Muitas sandices seriam evitadas se o Congresso exercesse o seu papel com responsabilidade.
Wilson de Oliveira (São Paulo, SP)

Bolsonaro não patina. Ele simplesmente é impedido de implementar suas promessas pela velha política e pelo velho Judiciário.
Argemiro Dias (Brasília, DF)


Juiz das garantias
Junto com o juiz das garantias, poderiam introduzir a prisão em primeira instância, pois haverá um juiz para instruir o processo e outro para julgar, o que equivale a duas instâncias. Mas, como o objetivo é impedir a prisão de políticos ladrões, continuarão soltos.
Marcos Guedes (Brasília, DF)

Esta é a boa notícia de 2020: há juízes honestos no Brasil ("Manifesto de magistrados federais cita 'imparcialidade' e defende juiz das garantias", Poder, 3/1)! Os playboys de Curitiba precisavam de freios e os receberam.
Andréia Chaieb (Porto Alegre, RS)

O juiz das garantias é mais uma megachicana para tornar inimputáveis aqueles que têm muito dinheiro e podem pagar advogados especializados em discutir os processos, mas nunca o mérito. É mais uma invenção para acabar com a operação Lava Jato. É mais um fruto dos estrategistas do sistema que assalta cotidianamente os cofres do Estado desde a promulgação da Constituição de 1988.
Jose Vanzo (Franca, SP)


Fiesp e militares
Já passou da hora de os empresários da indústria paulista defenestrarem esse indivíduo sorrateiro que usa a Fiesp para o seu projeto político pessoal ("Por Bolsonaro, Fiesp se aproxima de militares", Mercado, 3/1).
Luiz Leal (Florianópolis, SC)

Paulo Skaf é um "sem indústria", eterno presidente da Fiesp, que se presta ao ridículo papel de ser seu garoto propaganda, passando por cima de questões éticas e estéticas.
Wilson Kfouri (São Paulo, SP)

Qual a novidade? Não foram também apoiadores do nefasto regime militar?
Marli Miranda Vieira (São Paulo, SP)


Luxemburgo
Petista de carteirinha, torcedor do Flamengo, amigo de um dos homens que mais roubaram a nação, elogiado pela Gleisi Hoffmann e vem dirigir o Palmeiras ("Petista, Luxemburgo previu encontro com Jair Bolsonaro no Palmeiras", Esporte, 3/1)? Como diz o velho palestrino: "tamo no corgo".
Ciro Antônio Sasso (Mirassol, SP)


Boas-festas
A Folha agradece e retribui os votos de boas festas recebidos de Jota Mape, Arca Brasil, Maria Cristina Ferreira de Oliveira e André Carlos Ponce de Leon Ferreira de Carvalho, diretora e vice-diretor do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP, José Elias Aiex Neto (Foz do Iguaçu, PR) e Pedro Valentim (Bauru, SP).


Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br​. ​ ​ 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.