Em tempos de terraplanismo, perfeição da natureza prova existência de Deus, brinca leitor

Como a 'elite militar' consegue produzir tantos devaneios?, pergunta leitor

Design
Marcos Eberlin, presidente da Sociedade Brasileira de Design Inteligente, pergunta a certa altura do artigo em que defende sua teoria criacionista dissimulada (Tendências / Debates, 8/2): "Quem ousaria desafiar Darwin, se absoluto fosse?". Ora, bolas! Em tempos de terraplanistas cheios de "argumentos cientificos", não faltariam hordas de pseudocientistas a afirmar que a "perfeição" da natureza é, per si, "prova" da existência de Deus.
Eduardo Guimarães (São Paulo, SP)

Retrato de Charles Darwin sentado
Charles Darwin, criador da Teoria da Evolução - George Richmond

Ameaça francesa
"Elite militar brasileira vê França como ameaça nos próximos 20 anos" (Mundo, 7/2). Isso é coisa de quem não tem o que fazer. Esses sim, senhor Guedes, são os parasitas da nação. E falando em cortar despesas, para que precisamos de Forças Armadas? E desse tamanho?
Ademar G. Feiteiro (São Paulo, SP)

Emmanuel Macron, presidente da França, discursa na Escola Militar - François Mori/Reuters


Será que agora vão entender por que Bolsonaro quer introduzir o ensino militar para todas as nossas crianças? Inovará na difusão e normalização da estupidez humana.
Marcio Francisco Colombo (São José do Rio Preto, SP)

Emmanuel Macron e Bolsonaro no encontro do G20 em Osaka - Brendan Smialowski - 29.jun.19/ AFP


Como é que oficiais que consomem parte significativa do Orçamento com salários, aposentadorias e benefícios conseguem produzir tantos devaneios? A França já tirou sarro, saudando "a imaginação sem limites dos autores". Essa gente não tem vergonha?
Luigi Antonioni (João Pessoa, PB)

É sério isso? Essa tal "elite militar" fez esse relatório e colocou a França como nossa maior ameaça? Meu Deus, que tipo de tóxico essa gente usa? Gastamos bilhões com esses inúteis para eles ficarem fazendo roteiro de filme B? Que porcaria é essa, meu povo? Bora botá-los para construir hospitais, melhorar a educação e a segurança...
Marcos Oliveira (São Paulo, SP)

É nisso que dá esse tanto de militar inútil no Brasil. Ganham muito, trabalham pouco e têm tempo de sobra para assistir a filmes de apocalipse na TV. Vamos dar um trabalho para essa gente!
Renilson Júnior (Valparaíso de Goiás, GO)


Livros
"Governo de Rondônia manda recolher 43 livros e depois recua" (Cotidiano, 7/2). Muito estranho o livro "A Verdade Sufocada", do coronel Carlos Alberto Ustra, não constar como inadequado nas bibliotecas escolares.
Áurea Roberto de Lima (São Paulo, SP)

O escritor Rubem Alves (1933-2014), cujas obras o governo de Rondônia pretendia banir das escolas - Regis Filho/Valor

PT, 40
"Temos que fazer autocrítica sincera, afirma Mercadante nos 40 anos do PT" (Poder, 7/2). Autocrítica sincera? Continuam fazendo contorcionismo para defender o indefensável.
Maria Tereza Montes Rodrigues (São Paulo, SP)

O ex-ministro Aloizio Mercadante - Eduardo Anizelli/Folhapress

Uma autocrítica sincera pressupõe a admissão dos (muitos) erros cometidos e uma mudança de posição quanto ao apoio a regimes autoritários, como o da Venezuela. Mas não se vislumbra isso em nenhum dos dirigentes petistas. Sem isso, o partido continuará sua marcha célere para o desaparecimento. Simples assim.
Luiz Leal (Florianópolis, SC)


Parasitas
"Guedes compara servidor a parasita e Estado a hospedeiro" (Poder, 8/2).Não é a primeira vez que escrevo sobre esse assunto para a Folha. Eu realmente gostaria de saber quem são esses servidores que recebem aumento de 50% acima da inflação. Estou no Instituto Federal de São Paulo desde 2016 e nenhuma vez meu salário foi reajustado nem com a inflação. Gostaria que o ministro Guedes me dissesse onde estão esses parasitas. Desconfio que estejam bem próximos dele.
Beatriz Ferraz Diniz (São Paulo, SP)

Mais que ofensiva, a imagem de parasitas para definir servidores públicos usada por Guedes é reveladora do quanto os integrantes deste governo não se veem como servidores públicos. Todo governo tem seus clãs, relações incestuosas, corporativismos etc. Mas este não tem o mínimo pudor em tratar a coisa pública como seu patrimônio pessoal. Ministro Guedes, o senhor é um mero servidor público (eu não sou), e não mais um banqueiro. Veja a sua entourage e diga quem muitos dos brasileiros consideram parasitas, imprestáveis e mercenários de aluguel.
Maria Ester de Freitas (São Paulo, SP)

Orgulho-me de ser servidor público há mais de 30 anos, trabalhando em prol da minha comunidade e do meu país. Não me considero um parasita. A fala de Guedes é triste e revela falta de conhecimento e preparo para o cargo que ocupa. Que ele se aproxime de funcionários públicos e certamente descobrirá quanta gente competente e abnegada se dedica diariamente à melhoria da qualidade de vida desse mesmo povo que o ministro insufla covardemente contra os servidores.
Gustavo Zorzella Vaz (Bauru, SP)

O problema não são os parasitas. O problema são esses sanguessugas temporários, que, em pouquíssimo tempo, fazem estragos que levam anos para serem sanados.
Dario Thomaz (Novo Hamburgo, RS)

Guedes deveria disponibilizar o diagnóstico, os textos e as pesquisas em que se baseia para fazer essas afirmações. Como leitor, desconfio que não haja nada disso e que suas afirmações são feitas com base em convicções, com base apenas em ideias vagas e preconceitos.
Renato Venâncio (Belo Horizonte, MG)

Acabar com a estabilidade já seria um imenso avanço para o país. Por que temer a demissão? Quem faz o dever de casa não deve ter medo. Quem está na iniciativa privada sabe o quanto é cobrado e fica indignado com a qualidade do atendimento dos servidores públicos. Exceções existem, mas são poucas.
Gilberto Alvaro (Jaboticatubas, MG)


Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br​​. ​  

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.