Investimento afunda, PIB freia e o bobo da corte faz piada, diz leitor

"Postura irresponsável", diz leitor em relação a piadas de Bolsonaro sobre o PIB

PIB e piadas
Vejo estampada na primeira página da Folha desta quinta-feira (5/3) a informação de que investimento afunda, PIB freia e o bobo da corte faz piada. É isso o que é o presidente do Brasil. Ele ri quando deveria chorar.
Henrique Ventura dos Reis (Rio de Janeiro, RJ)

Jair Bolsonaro com o humorista Carioca no Palácio da Alvorada - Twitter


Fazer piada de um assunto tão sério e que influencia a vida de todos os brasileiros é, no mínimo, uma postura muito irresponsável do presidente. Por outro lado, fico ainda mais chocado com as pessoas bem esclarecidas e com bom nível cultural que ainda defendem o Bolsonaro e as suas atitudes grotescas, infantis e imaturas.
Ricardo Joaquim Barbosa (São Paulo, SP)

0
Bolsonaro com o humorista Carioca no Palácio da Alvorada - Nathália Pase/Bandnews


Estou aprendendo com o presidente Jair Bolsonaro que não é necessário "roubar" dinheiro público para tornar-se um corrupto. Para isso podem-se corromper as instituições, corroer os Poderes e deteriorar, agindo com desprezo, a honra presidencial e a coisa pública. Bolsonaro é um corrupto da democracia e se diverte com isso.
Ângela Luiza S. Bonacci (Pindamonhangaba, SP)

Por fim o presidente Bolsonaro encontrou um porta-voz à sua altura: um palhaço. Dando bananas aos jornalistas.
Victor Medeiros (Rio de Janeiro, RJ)

Não vejo nenhum motivo para quaisquer surpresas em relação ao PIB do Brasil ter sido de 1,1% em 2019. Já havia expectativas de um crescimento menor do que o esperado no início do ano. A guerra comercial entre a China e os Estados Unidos, somada à violenta crise na Argentina, nossos três principais parceiros internacionais, impactou fortemente o nosso crescimento. Soma-se a isso a morosidade do Congresso Nacional em aprovar a reforma da Previdência, desidratando-a e atrasando o andamento de outras reformas importantíssimas para o país.
Osvaldo César Tavares (São Paulo, SP)

O senhor Paulo Boccato ("Painel do Leitor", 5/3), ao comparar a participação de Marcelo Adnet no Carnaval à pantomima do humorista Carioca e dizer como a imprensa recebeu os fatos de forma diferente, tendo se ofendido só com o segundo, esqueceu-se do princípio das duas situações. Enquanto a ironia faz parte da "liturgia" carnavalesca, o Carnaval não se aplica à liturgia de um presidente.
Arlindo Carneiro Neto (São Paulo, SP)

Bolsonaro com o humorista Carioca no Palácio da Alvorada - Twitter


A história em quadrinhos. Pateta e Zé Carioca juntos no Alvorada em março de 2020. Rir para não chorar. Por essa nem Walt Disney esperava.
Edilson Alexandre de Britto (Bauru, SP)


Guedes e seu chapéu
Dolar a R$ 5? Euro a quase R$ 6? Paulo Guedes, pegue seu chapéu, desculpe-se com o povo brasileiro e caia fora! É um favor que fará ao Brasil.
Moysés Cheid Junior (São Bernardo do Campo, SP)


Dólar, peso e real
"Dólar fecha a R$ 4,65; Guedes diz que pode ir a R$ 5 se tiver 'muita besteira'" (Mercado, 5/3). Onde está a indignação da classe média que pensa ser rica?
Hugo Falcão Silva (Olinda, PE)

"Muita besteira" seria por acaso o presidente fazendo palhaçada?
Raul Mattiozzi Lopes (Araraquara, SP)

Só neste ano o peso argentino subiu 6% em relação ao real.
Valdeci Gomes (Guarabira, PB)


Paraisópolis
"PM admite que mortes em Paraisópolis decorreram de ação policial" (Cotidiano, 5/3). Excludente de ilicitude 1: ser negro; excludente de ilicitude 2: ser pobre; excludente de ilicitude 3: morar na favela.
Edson Santelmo (Cachoeira do Campo, MG)

Jornalismo raiz
Mais uma vez me rendo à Folha pela memória trazida aos leitores pelo jornalista Naná DeLuca ao lembrar a primeira jornalista brasileira, Narcisa Amália, que morreu em 1924 e foi esquecida ("Jornalista pioneira do país defendeu o feminismo no século 19", Corrida, 5/3). Isso sim é jornalismo.
Valter José dos Reis (São Paulo, SP)

Ao centro da imagem está Narcisa Amália em preto e branco, no alto temos uma mão iniciando uma linha e em baixo uma maquina de escrever. Ao lado esquerdo uma mão fechada simbolizando a luta feminista.
Colagem sobre imagem de Narcisa Amália (1852-1924) - Jairo Malta

Jornalismo chapa-branca
"Na Fiesp, Bolsonaro sugere a empresários que anunciem suas marcas na imprensa alinhada ao governo" (Poder, 5/3). Isso é falta de decoro, incompetência e imoralidade. Bolsonaro quer o quê? Uma mídia chapa-branca? Que vá para a Coreia do Norte então! Que pare de falar bobagens e se atenha ao trabalho. Palhaçada este governo.
Luiz Cleydson Segantini (Curitiba, PR)

Se a empresa apoia Bolsonaro, então eu não compro dela! Para mim é simples assim.
Augusto Philiphov (Caxias do Sul, RS)


Adversidades
O jovem Iversson Natan ("Sinceramente, que fique a pergunta na sua mente", "Tendências / Debates", 5/3) mostrou com lucidez e poesia toda a triste realidade e a luta heroica do nosso povo contra as adversidades que se repetem, sem perspectiva de solução.
Maria Thereza Vergueiro (São Paulo, SP)

O estudante Iversson Natan da Silva Santos, 17 - Reinaldo Canato/Folhapress

Nazismo
"Alunos de escola do Recife fazem saudação nazista em sala e postam imagem em rede social" (Educação, 5/3). Nazistas brasileiros? Tudo aqui é caricato e burlesco. Nós, um dos povos mais miscigenados da Terra, com veleidades "arianas"? Tento imaginar quem são os heróis tropicais desses garotos e de seus pais.
Roque Alves (São Paulo, SP)

Alunos de escola particular do Recife fazem saudação nazista durante campanha para orador de turma - Reprodução/Redes Sociais


Apologia ao nazismo é crime no Brasil (lei 7.716/89), tal qual roubar um celular o é. Se um jovem de periferia rouba um celular e o crime é descoberto, ele é responsabilizado e punido de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente. Portanto, como os jovens nazistas também cometeram um crime, que sejam responsabilizados nos termos do ECA.
Marcelo Seminaldo (Guarulhos, SP)


Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br​​. ​  

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.