Leitores criticam insinuações de Bolsonaro sobre eleição

Não entendo como dizem que as instituições estão funcionando perfeitamente, diz leitor

Eleições 2018
"Sem apresentar provas, Bolsonaro diz que houve fraude eleitoral e que foi eleito no 1º turno" (Poder, 9/3). Reflitamos: em comunidades dominadas pelas milícias, o que aconteceria se o votante tivesse de sair do local de votação com um papelzinho? Daria margem a saber em quem votou. Na Itália, a Máfia dominava as eleições com um sistema que lhe permitia saber em quem o eleitor votou. Vamos cair nessa?
Maria Lopes (São Paulo, SP)

Só um presidente sem nenhuma responsabilidade pode dizer que houve fraude nas eleições de 2018. As urnas do Brasil estão entre as mais confiáveis do mundo. Mesmo elegendo-se, ele acha que houve fraude. E se tivesse perdido, o que ele diria então? Isso está me cheirando a golpe para acabar com a democracia.
Jô Marino Delize (Maringá, PR)

Esse sujeito não passa uma semana sem levantar uma polêmica estapafúrdia. Ele parece criança que não tem o que dizer. Em vez de se empenhar e trabalhar pelo país, só cria caso, agora com uma suposta fraude eleitoral em uma eleição em que ele próprio se beneficiou das fake news. Aliás, Jair Bolsonaro é a grande fraude que temos que aguentar.
Roberto do Amaral Silva (Goiânia, GO)

Bolsonaro é entrevistado pelo humorista Carioca durante quadro do Domingo Espetacular, na Record
Bolsonaro é entrevistado pelo humorista Carioca durante quadro do Domingo Espetacular, na Record - Reprodução


Como não entende de nada e não tem soluções para a crise, pois é limitadíssimo intelectualmente, Jair Bolsonaro lança mais uma vez mão de sua velha tática de dizer bobagens para desviar a atenção para sua notável incompetência Não cola mais.
Carlos Eduardo Andrade Tardivo (São Paulo, SP)


Governo Bolsonaro
Não entendo como ainda dizem que "as instituições democráticas estão funcionando perfeitamente". As instituições estão visivelmente dando sinais de cansaço. Não conseguem processar a quantidade de absurdos vindo da família Bolsonaro, como as ameaças ao Congresso feitas pelo pai e pelos filhos, o caso de Roberto Alvim (que, aliás, saiu praticamente impune daquela situação grotesca; apenas perdeu o cargo)... Um presidente de esquerda teria caído por muito menos.
Sérgio Schargel (Rio de Janeiro, RJ)


Creche
"Sem licença e com boletos, mães de SP passam a deixar bebês de 1 mês na creche" (Cotidiano, 8/3). É triste ver essa realidade e acreditar em um país melhor no futuro. As brechas para a informalidade adotadas por este desgoverno resultam em bebês com 40 dias sendo cuidados em creches, porque as mães precisam trabalhar. Não há cadeirinha vibratória que substitua o calor, a segurança e o amor do colo da mãe. Que empresas nefastas são essas? Dos seus produtos quero distância.
Elaine Minto, psicóloga no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (Ribeirão Preto, SP)

 

 Surrealismo
Surrealismo puro. A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves,declarou ao jornalista Fernando Rodrigues, do SBT, que apoia as grosserias e os destemperos de Bolsonaro contra as jornalistas Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo, e Vera Magalhães, de O Estado de S. Paulo. Trágico e inacreditável.
Vicente Limongi Netto (Brasília, DF)


Cultura sob censura
A atriz e agora secretária especial da Cultura, Regina Duarte, começa a sentir o peso do viés ideológico e do perfil conservador do governo federal. Uma de suas nomeações foi simplesmente tornada sem efeito pela Casa Civil. Ao que tudo indica, a nova secretária não terá carta branca, e o poder de veto começou a ser exercido mais cedo do que se esperava. A cultura está sob censura.
Willian Martins (Guararema, SP)


Max von Sydow
Nenhum obituário lembrou a rápida aparição, porém extraordinária como sempre, de Max von Sydow em "Citizen X", filme dos anos 90 sobre um assassino serial na antiga União Soviética. A cena em que seu personagem desmascara o "monstro de Rostov" é algo que não esquecerei.
Hélio Ricardo Ribeiro (Sorocaba, SP)

Trans no presídio
Representantes evangélicos constantemente fazem visitas, cultos e orações nos presídios, e para eles não há a preocupação por parte do Estado de passar a situação penal dos detentos por eles assistidos. Causa estranheza que a Secretaria da Administração Penitenciária exponha a ficha criminal da Suzy, que, no presídio, foi visitada e abraçada pelo médico Drauzio Varella. Talvez seja o fato de um ser ateu convicto e o outro ser transexual ("Trans abraçada por Drauzio na TV foi condenada por matar criança", Cotidiano, 10/3).
Pedro Valentim (Bauru, SP)

0
Suzy Oliveira, detenta trans que foi entrevistada por Drauzio Varella - Reprodução


Sobre a reportagem "Trans abraçada por Drauzio na TV foi condenada por estupro e morte de criança", a Secretaria da Administração Penitenciária esclarece ter recebido centenas de mensagens pedindo o endereço da presa entrevistada. A postagem teve por finalidade atender às solicitações. Não houve, em hipótese nenhuma, incentivo para o envio de cartas. Esclarecemos que a reeducanda já foi condenada pela Justiça e a pasta tem como missões garantir o cumprimento da sentença e trabalhar na ressocialização dos presos.
Mariana Borges, assessora de imprensa da SAP (São Paulo, SP)


Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br​​. ​  

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.