Leitores elogiam campanha de jornais contra coronavírus

Para leitor, cartunista Laerte não tem mais graça

Coronavírus
Recebemos diariamente em casa a Folha e, na capa da edição desta segunda-feira (23), vimos a campanha #imprensacontraovirus. Na verdade, o correto seria #todosunidoscontraovirus. Essa luta é de todos, e as informações têm sido passadas de forma exemplar pelo governo e pela excelente equipe do Ministério da Saúde, do ministro Mandetta, que com muita responsabilidade tem feito um ótimo trabalho.
Marco Antonio Cardoso de Andrade (Lorena, SP)

Campanha da ANJ contra a contaminação do vírus corona publicado em jornais nesta segunda-feira (23) - Sérgio Davila/Folhapress



Parabéns à Folha de S.Paulo pelo trabalho realizado sobre a pandemia do coronavírus e por sua participação no projeto capas unificadas --"Juntos vamos derrotar o vírus". No momento em que Jair Bolsonaro age de maneira irresponsável, a imprensa séria cumpre o seu papel social.
Ricardo Osman Gomes Aguiar (São Paulo, SP)

Quando se tem um presidente que dá mostras diárias de sua ignorância, permite-se que pessoas defendam que se privilegie o cuidado com as empresas em vez do tratamento da saúde das pessoas ("Governos, formulem políticas urgentes, não deixem as empresas falir", Folhainvest, 23/3). Plagiando um amigo, digo que nenhum vírus é tão letal quanto a ignorância.
Nelson Xisto Damasceno Filho (Belo Horizonte, MG)

Cumpre à imprensa questionar o motivo pelo qual o município de São Paulo não instalará também um hospital de campanha junto à periferia para tratar casos de Covid-19 ("Prefeitura de SP vai instalar 2.000 leitos de baixa complexidade no Pacaembu e Anhembi" (Saúde, 20/3).
Eliana Maria V. M. Lima (São Paulo, SP)

Parabéns ao jornalista Fernando Canzian pela análise realista da situação dos menos favorecidos neste país ("Sem testes, governo pode obrigar população a escolha terrível", Saúde, 23/3) e pela previsão do caos social à vista graças à inoperância e à incompetência da nossa autoridade "maior".
Luiz Antonio Pereira de Souza (São Paulo, SP)

Polícia Militar
A fala de Glauco de Carvalho na nota "Sozinho" (Painel, 21/3) não expressa a opinião da Associação dos Oficiais da Polícia Militar de São Paulo, posto que não recebeu procuração para manifestar-se em nome de PMs. Confiamos no governo da República e acreditamos que o presidente saberá nos levar a porto seguro. Vivemos momentos extremamente difíceis, pior cenário para trazer à tona qualquer tipo de divergência.
Antonio Chiari, presidente da Associação dos Oficiais da Polícia Militar de São Paulo (São Paulo, SP)


Datafolha
Em seu artigo desta segunda-feira (23), "O que diz o povo", o colunista Leandro Colon menciona que a pesquisa publicada na Folha é um importante recado das ruas sobre a figura do presidente da República. Concordo plenamente, pois os resultados publicados na primeira página demonstram que ele possui 61% de votos ótimo/bom e regular, o que me parece ser o que o povo diz.
João Henrique Rieder (São Paulo, SP)



"Bolsonaro minimiza popularidade na crise e chama de impatriótica pergunta sobre Datafolha" (Poder, 23/3). Bolsonaro não agride a imprensa; ele agride a inteligência humana, cultivada ao longo de milhões de anos. Ele agride a própria humanidade.
Marcos Andrade Moraes (Juiz de Fora, MG)

Será que não tem mais inteligência na Presidência da República brasileira para que seja possível fazer um comentário à altura do Brasil? Que Bolsonaro vá brincar com sua arminha e deixe os adultos fazerem o trabalho.
Eduardo Rocha (Rio de Janeiro, RJ)


Charges e quadrinhos
Até quando a Folha publicará a decadente Laerte? Sem graça e sem nexo, já passou o seu tempo. E qual o sentido dos quadrinhos de Fabiana Langona e Estela May? Pretensos traços modernos, mas horríveis de ver. Textos sem graça e sem mensagem. E os ridículos quadrões publicados às segundas-feiras? Para que servem?
Renato Claudio Pucci (São Paulo, SP)

Charge de Laerte publicada na Folha no dia 17 de março 2020 traz um laboratório com sete cientista em dois momento. No primeiro momento aparece uma pessoa na porta e diz Parem tudo!!! Saiu mais uma opinião do presidente Bolsonaro. No segundo momento todos estão dando risada.
Charge de Laerte publicada na Folha no dia 17 de março de 2020, - Laerte

Luiz Felipe Pondé
Parece que o senhor Luiz Felipe Pondé se impôs o princípio de que tudo o que ocorreu ou venha a ocorrer de mal no país tem como causa única o PT. Até para criticar seu ídolo, o presidente Bolsonaro, usa essa tábua de salvação. Não se concebe que queira transformar em fato aquilo que é a sua mera opinião, porque aí o que temos é desonestidade intelectual, que resulta em desconfiança, que leva à descrença, que impede o diálogo, que afasta o leitor crítico, portador de ao menos dois neurônios ("Paranoia e irresponsabilidade", Ilustrada, 23/3).
Ademar G. Feiteiro (São Paulo, SP)

Parabéns ao ilustre colunista Luiz Felipe Pondé, que em uma síntese brilhante condensou a atual fase social e política da nação, indicando quem ajuda com responsabilidade —e seu inverso— neste delicado momento. E por derradeiro deixa uma mensagem de esperança que acalenta: "esta epidemia vai passar".
Eduardo Duxa Oliveira (Sertãozinho, SP)

Publicada nesta segunda-feira, 23 de março de 2020
Charge de Ricardo Cammarota publicada em 23 de março de 2020 - Ricardo Cammarota/Folhapress

Leio as reflexões de Luiz Felipe Pondé todas as segundas-feiras, há muito tempo! Elas me desafiam e ampliam minha percepção, apesar de, muitas vezes, também me inquietarem. Nesta segunda (23), ele terminou a sua análise de uma maneira muito esperançosa, que me fez bem. Só queria agradecer. Muito obrigada.
Maria Júlia Paes da Silva (São Paulo, SP)


PIB
A revisão de crescimento do PIB de 2,1% para 0,02% é uma autêntica fake news chapa-branca, que serve para tentar livrar a cara de um governo desacreditado. Todo mundo sabe que o PIB será negativo —e qualquer tentativa de maquiar essa realidade soa ridícula. É melhor não fazer nada em vez de fazer esse tipo de previsão.
Rafael Alberti Cesa (Caxias do Sul, RS)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.