Leitores veem descaso de Bolsonaro com coronavírus

Para leitor, presidente ignora Constituição

Bolsonaro
Neste momento crítico do planeta, um cidadão comum seria preso imediatamente em qualquer lugar do mundo (menos no Brasil) se procedesse com tal irresponsabilidade ("Bolsonaro ignora vírus e vai a ato contra Congresso e STF", Poder, 16/3).
Luiz Antonio Pereira de Souza (São Paulo, SP)

Adorei a coluna de Ruy Castro desta segunda-feira ("Coragem ou irresponsabilidade", Opinião).Uma vergonha, um desrespeito e tudo o que não se espera de um estadista e de presidente do Brasil num momento tão grave, em que vidas humanas estão em risco. Aqueles que gritaram mito e o abraçaram perderam a noção de coletividade e de democracia e, com certeza, não estão lutando por um país melhor.
Elizabete Lisbôa Ribeiro (Juiz de Fora, MG)

Precisamos nos convencer e aprender a suportar que o presidente valoriza muitíssimo a pompa do seu cargo. Gosta de claques, homenagens, recepções, encontros etc. Enquanto ali está, entretanto, não está trabalhando, nem debruçando-se sobre a problemática aguda da nação. Ele não foi eleito para ser um relações públicas do poder. Está ali para exercê-lo em nosso benefício. O presidente da República deveria saber que ele é apenas o funcionário público numero um da nação. Recebe salário para tanto.
Manoel Virgílio de Queiroz (Santana de Parnaíba, SP)


"Bolsonaro ignora vírus..." e também a Constituição, que, na posse, jurou cumprir e fazer com que seja cumprida.
Carlos Eduardo F. C. Bittencourt (Campinas, SP)

Nabil Bonduki ("Crimes de responsabilidade de Bolsonaro não podem ficar sem resposta", 16/3) está equivocado ao afirmar que Bolsonaro cometeu duplo crime de responsabilidade. O Ministério da Saúde "recomendou", mas não "obrigou", que se evitassem aglomerações. Por outro lado, atacar a Constituição, que necessita urgentemente de revisão, solicitar intervenção militar, defender o AI-5 e criticar Congresso e Supremo são atitudes totalmente democráticas. .
Maurílio Polizello Júnior (Ribeirão Preto, SP)

Colégio eleitoral
O professor Marcus André Melo ("Colégio eleitoral", Opinião, 16/3) não citou a principal razão que levou os fundadores dos EUA a instituírem o colégio eleitoral para eleição presidencial, que foi a fórmula encontrada para promover a adesão à Federação das relutantes colônias, que, pouco populosas, tinham prudente receio de serem sufocadas politicamente pelas grandes. Assim, essa solução permitiu que tais colônias, unidas no colégio, pudessem aumentar o seu peso eleitoral. Não foi uma decisão açodada, como diz o autor. Foi sábia.
Agostinho Sebastião Spínola (São Paulo, SP)

Coronavírus
Segundo dados publicados na Folha, só as internações em UTI devido à covid-19 poderão custar mais de R$ 1 bilhão ao SUS. Ainda bem que temos a seguridade social protegendo a saúde pública). Diferentemente de outros países, como os EUA, ainda temos no Brasil essa proteção social, algo que este governo também pensa em destruir.
Alexandre Coelho (Mogi Mirim, SP)


Bebianno

No dia 14 deste mês, a seção "Tiroteio" da coluna Painel (Poder) divulgou a frase de revolta do ex-ministro Gustavo Bebianno: "Todos os que tentaram trabalhar, terminaram alvejado pelas costas. O Brasil ainda vai enxergar quem são Bolsonaro e seus filhotes". No dia seguinte, 15/3 em primeira página, veio a notícia: "Infarto mata aos 56 ex-ministro Gustavo Bebianno". A ciência médica demonstra que o rancor e a ira são fatores de risco cardiovascular. O perdão tem efeito inverso.
Melchior Moser, médico cardiologista (Timbó, SC)

Benefício social
Nossos deputados e senadores não têm compromisso com o Brasil. Após uma luta insana, de anos, para amenizar o déficit da Previdência, cheia de agrados aos congressistas, enfim, desfigurada, foi aprovada a reforma. Mesmo com o Brasil em crise, dívida de 79,8% do PIB e pouco para investir, num tempo recorde o Legislativo acabou com alguns fundos, mas manteve os fundos políticos, consumidores de bilhões, e impôs uma nova despesa anual de R$ 20 bilhões. Nós, eleitores fizemos a nossa parte, renovamos o Congresso, mas prevalece o descompromisso com o Brasil.
Humberto Schuwartz Soares (Vila Velha, ES)


Bolsonaro e a Folha
Sou assinante da Folha e agora mais do que nunca vou manter a minha assinatura ("Folha publica, todo mundo replica, diz Bolsonaro em novo ataque à imprensa", Poder, 16/3). Provocar a ira do Bolsonaro não tem preço.
João Batista da Fonseca (Serra, ES)

Orgulho de ser assinante de um dos poucos meios de comunicação isentos, que mostra a realidade do que acontece em nosso país. Só acho que poderia ser mais investigativa. Se fuçasse um pouco mais, começariam a aparecer as carniças enterradas dos Bolsonaros. É lógico que Bolsonaro não gosta da Folha. Isso é um sinal de que o jornal está no caminho correto.
Joaquim Rocha (São Paulo, SP)

"A Folha publica, todo mundo replica!". E não é que o Bolsonaro criou um grande slogan para a Folha?
Vicente Oliveira (Maceió, AL)

A Folha está correta ao cumprir fielmente a sua obrigação como empresa jornalística, e seus funcionários, ao divulgarem notícias, comentários, análises e informações. A liberdade de expressão está presente pelos milhares de comentários publicados no jornal por bolsonaristas e outros gozadores. Se Bolsonaro não quer notícias ruins, que pare de falar e de fazer besteiras.
Bagdassar Minassian (São Paulo, SP)


Contaminação
A charge de João Montanaro desta segunda-feira (Opinião) fala por todas as mil palavras que conseguiríamos imaginar para descrever o triste momento da nossa sociedade, em que as pessoas estão contaminadas por tanta coisa que o coronavírus parece fichinha diante delas.
Josenir Teixeira (São Paulo, SP)

Ilustração mostra manifestação de pessoas vestidas de verde e amarelo, com placas escritas: "Ustra vive", "AI-5 JÁ", "FODA-SE", "FECHE O STF". Entre as pessoas, dois vírus conversam, um deles diz: "É melhor usar ealcool em gel por aqui..."
Charge de 16.mar.20. de João Montanaro. - João Montanaro

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.