Manifestação de domingo foi irresponsável, inconsequente e egoísta, diz leitora

Bolsonaro ignora crise do coronavírus, estimula e participa de ato pró-governo

Crise do coronavírus
Quando a ideologia cega, embota o raciocínio e supera o bom senso, não há diálogo. A manifestação de domingo foi irresponsável, inconsequente e egoísta (“Bolsonaro ignora crise do coronavírus, estimula e participa de ato pró-governo e contra Congresso e STF”). Enquanto em cidades da Europa e da Ásia, que foram mais atingidas, mal se vê alguém na rua, aqui no Brasil, praias, ruas e restaurantes permanecem cheios, enquanto os movimentos, inconsequentes, chamam as pessoas às ruas.
Regina Athayde (São Paulo, SP)

Jair Bolsonaro cumprimenta manifestantes em frente ao Palácio do Planalto - Sergio Lima/AFP


Quando você pensa que o limite foi atingido, a pessoa demonstra a total habilidade em ultrapassar esses limites e colocar em risco a saúde de centenas, quiçá milhares de pessoas. Jogo político baixo, de quem não se sustenta por si mesmo. Uma pena ver “isso” na Presidência da República.
Matheus Passos Silva (Brasília, DF)

Jair Bolsonaro é um irresponsável como pai, político e cidadão. Seu desprezo pela ciência tem, como consequência, o descrédito das ações do ministro da Saúde em um momento muito delicado.
Marcelia Guimarães Paiva (Juiz de Fora, MG)

Que espetáculo de democracia. O povo apoiando o governo, mesmo diante de uma pandemia de escala planetária. E ainda tem gente achando que isso é um atendado contra a Constituição. Se fosse contra o Executivo poderia?
Olavo Cardoso Jr (Marília, SP)

Levar a patroa para almoçar em um restaurante no domingo, tomar umas caipirinhas e discutir futebol com amigos num boteco qualquer, pegar sol numa praia lotada —existem n maneiras mais agradáveis de pegar o coronavírus do que ir numa passeata fora de moda e sem propósito.
Sergio Facchini (São Paulo, SP)

Enquanto Jair Bolsonaro e seus parceiros minam as instituições, os demais Poderes, como resposta, soltam notinha de repúdio. Como não lembrar de Saramago e do “Ensaio sobre a Cegueira”?
Bruno José Fortes (Teresina, PI)

A marcha dos inconsequentes.
Claudia Roveri (Blumenau, SC)

Nem aquele presidente foi bom para o país nem este está sendo. E agora?
Michel Xavier (Joinville, SC)

Live do presidente Jair Bolsonaro mascara
O presidente Jair Bolsonaro faz transmissão ao vivo com máscara - Reprodução

Elio Gaspari erra ao dizer que Jair Bolsonaro divergiu de seu ídolo Donald Trump em relação ao novo coronavírus (“A realidade paralela de Bolsonaro”). Confirmados os primeiros casos da Codiv-19 nos EUA, Trump inicialmente se negou a tomar qualquer medida emergencial. Dias depois, Trump foi questionado sobre o desmantelamento por seu governo da diretoria do Centro de Controle de Doenças e respondeu que a culpa era do ex-presidente Barack Obama. Bolsonaro segue a mesma cartilha de Trump. Ambos representam a antítese do estadista.
Cesar B. Rocha (Woods Hole, EUA)


Economia
Paulo Guedes precisa ler a entrevista de André Lara Resende (“Contra o dogma e o liberalismo primitivo”): “Quando há desemprego e capacidade ociosa, o aumento do gasto público não compete com o gasto privado, pelo contrário, pode levar à recuperação do emprego e da renda”. Essa é a essência da tese de Keynes na “Teoria Geral”. Obviedade que o sectarismo ideológico de Guedes e da mídia se recusa a enxergar.
Antônio Beethoven Cunha de Melo
(São Paulo, SP)

O economista e escritor André Lara Resende - Marlene Bergamo - 27.jun.16/Folhapress


Finalmente a Folha se abre para economistas de primeira linha como André Lara Resende, capaz de debater em alto nível, de forma crítica e avançada, a política econômica predominante nos últimos anos no Brasil e que só agravou a crise desde 2015. Que o debate prospere.
Rachel Matos (Belo Horizonte, MG)


Bebianno

Depois da frase de Gustavo Bebianno no “tiroteio” do Painel, é imperativo que a morte do ex-ministro de Bolsonaro seja investigada com absoluto rigor.
Virgilio Rocha de Souza Lima
(Itaúna, MG)


Guto Lacaz
Sou fã de carteirinha de Guto, desde que conheci suas instalações “eletro, esfera, espaço”, “rádios pescando”, “auditório para questões delicadas”, entre tantas outras (“Longe do mercado, Guto Lacaz mantém originalidade e senso de aventura”). Minha filha, na época uma menininha, também se identificou muito com suas obras. Que delícia a oportunidade de visitar essa exposição, agora não só com minha filha, mas também com minha neta. Guto Lacaz é único.
Maria Cecilia Camargo Aranha Lima
(São Paulo, SP)


Racismo
Com todo o respeito às opiniões de Djamila Ribeiro (“Um acinte à memória de Marielle”) e Jonathan Raymundo (“Resposta de Padilha a críticas reforça racismo”), não há como concordar com o argumento de que há uma grande orquestração racista produzida pelos brancos, a qual justificaria o ódio destilado contra José Padilha. Tais posicionamentos radicais tem um quê de irracionalidade que remete às famosas teorias da conspiração, levando o debate contra o racismo ao terrível caminho do racismo reverso.
Jefferson C. Vieira (São Paulo, SP)

Ilustração de rosto de Marielle Franco com uma faixa colorida em seu cabelo
Linoca Souza/Folhapress


É verdade que o racismo não é mero preconceito, mas uma estrutura cultural, social e política que reproduz os valores que sustentam a desigualdade e a supremacia branca, como afirma Jonathan Raymundo. Mas o espelho narcísico que o autor descreve é muito raso, pois reflete só aparências superficiais. Olhar para um outro ser humano e ver beleza implica várias chaves de identificação, por mais que a ideologia dominante imponha modelos.
Maria Cecilia de Sá Porto (Embu das Artes, SP)


Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br​​. ​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.