Leitor elogia Laerte e diz que uma imagem vale mais que mil palavras

Renda básica proposta por Suplicy é tema de comentários dos leitores

Bolsonaro x Mandetta
A que caminhos a democracia representativa nos levou ("Mandetta adota posição de enfrentamento a Bolsonaro desde ameaça de demissão; relembre", Poder, 13/4)? O caminho não pode ser outro que não o impedimento, a renúncia ou a interdição judicial. Como aguentar mais três anos?
Luiz Carlos Silva da Cunha (Pouso Alegre, MG)

Bolsonaro se opõe ao isolamento social, mas se isola política e moralmente com suas atitudes sem paralelo no mundo.
José Francisco Paula Filho (Belo Horizonte, MG)


Renda básica
A proposta de Eduardo Suplicy é de extrema importância para uma expressiva parte da população do país, especialmente em momentos de grave crise humanitária como a atual ("Tudo indica que vou viver para ver a renda básica implementada", Entrevista da 2ª, 13/4).
Rubens Ito (São Paulo, SP)

Suplicy fica preso aos cacoetes políticos que desenvolveu, como listar os nomes dos que apoiam a renda básica e só enfatizar o seu aspecto emancipatório. Deixa de explorar a contradição entre a dignidade material e a indignidade simbólica. O estigma que é lançado sobre os beneficiários do Bolsa Família, do SUS e da escola pública produz uma indigência cívica, transformando o "universal" em "pobres".
Rodrigo Correia do Amaral (São Paulo, SP)

Os desempregados, com o pagamento do auxílio mensal emergencial, vão perceber que o governo pode mais enquanto não oferece oportunidades de emprego.
João Carlos Saraiva Torres (Ibiúna, SP)

Renda básica é o salário criado por Getulio Vargas. Tirar renda de quem trabalha para distribuir para quem não trabalha só causou empobrecimento geral entre os trabalhadores. Hoje, o salário mínimo merreca do governo vale 20% do valor legal que está na Constituição. Tem que valorizar o trabalho.
João Leite Leite (Osasco, SP)

Charge Laerte publicada na Folha no dia 14 de abril de 2020, nela o presidente Bolsonaro, flutua no espaço sentando na cadeira atrás de uma mesa, apontando para terra diz vejo essa questão do vírus indo embora.
Charge Laerte publicada na Folha no dia 14 de abril de 2020 - Laerte


Às vezes, uma imagem vale um pouco mais que mil palavras; vale todos os jornais do dia! Obrigado, Folha. Muito obrigado, Laerte.
Fauze Zacharias Filho (São Paulo, SP)

"Em live com religiosos, Bolsonaro vai na contramão de especialistas e diz que vírus está indo embora" (Poder, 12/4). Igreja Católica, é favor repreender o padre que participou dessa falsa celebração, pois ele não fala em nome nem dos católicos, nem da CNBB, nem da própria igreja. A instituição corre o risco de ser tachada como mais uma entidade para gerar dinheiro, como a evangélica. O fato de não ter vacina não significa que não haja formas de prevenção.
Paulo Noburu Nakazato (São Paulo, SP)

Alguém tem que explicar para esse presidente as definições de Estado laico e de função exponencial —ele vai matar muita gente depois de ter sido eleito por pura falta de opção!
Maria da Graça Pimentel (São Carlos, SP)


Moraes Moreira
Uma tristeza ("Moraes Moreira, fundador dos Novos Baianos, morre aos 72 anos", Ilustrada, 13/4)! Uma perda gigantesca para a música brasileira. Moraes Moreira fez parte de uma das maiores bandas do Brasil, que produziu um dos maiores discos de todos os tempos, "Acabou Chorare". Vai em paz, irmão.
Pedro Cunha Jr. (São Paulo, SP)

Moraes Moreira em show em 2012 - Renato Luiz Ferreira

Os cães ladram
"Na Redação quase vazia, dá para ouvir os cães latindo na rua", (Corrida, 14/4). E, mesmo trabalhando em home office, continuam fazendo um bom trabalho. Agradeço em especial aos editores da Ilustríssima, um caderno rico em profundidade nas reportagens e nos artigos de opinião.
João Pedro Sousa (São Paulo, SP)

"Aqueles que não tinham uma cadeira confortável para trabalhar em casa puderam levar a que usavam na Redação". Em tempos de feiura pandêmica, a beleza do menor dos cuidados, como este, é tocante.
Jônatas Ferraz Fornitani Vital (Guaratinguetá, SP)


Ruy Castro
Fique tranquilo, meu caro cronista, logo voltaremos ao normal ("Reaprendendo a vida", Opinião, 13/4). Como eu sei disso? O mundo já passou por duas guerras mundiais e por mais de uma epidemia --a "espanhola" é a mais lembrada. E também já vivemos, acredito que o senhor também, sob uma inflação absurda por anos. E ainda estamos aqui, se abraçando, indo a livrarias e assistindo ao futebol no botequim. Isso tudo,apesar de vivermos em um país extremamente injusto.
Washington Luiz Vera Celestino (Campo Grande, MS)

De repente, nos percebemos vulneráveis. Tão humana é condição que nos iguala e nos irmana.
Bolívar Arsênio Silva (São Paulo, SP)


Servidores públicos
Sou funcionária pública do Judiciário e trabalho muito, às vezes muito mais que um advogado na iniciativa privada. Os descontos no meu contracheque são grandes: 27% de Imposto de Renda e 11% de Previdência --logo serão 16% por conta da aprovação da reforma. Não tenho como sonegar um centavo e ainda pago previdência privada, porque perderei todos os auxílios depois da aposentadoria! Confesso, senhor Leandro Colon, que estou exausta de pagar as contas do Estado ("Servidor público também precisa pagar a conta da crise", Opinião, 13/4).
Alexandra Maso Cerce (São Paulo, SP)

As pessoas, por má-fé, põem no mesmo balaio de gatos de servidores o Judiciário e o Legislativo --os mais caros e ineficientes do mundo e que aumentam os próprios salários--, misturando-os aos que realmente servem à população, como médicos, professores, engenheiros etc. E estes são sempre os alvos dessas medidas, já que os deputados e juízes são imunes ao Executivo.
Alexandre Nogueira (Rio de Janeiro, RJ)


Contaminação
Os especialistas não estavam dizendo que o pico da contaminação seria na próxima semana? Agora virou final do mês e até metade de maio? Não chega nunca o tal pico? Parece caloteiro falando todo dia que vai pagar sua dívida amanhã. Esses especialistas têm que se decidir. Não adianta fazer birrinha contra Jair Bolsonaro. A Folha tem que parar de politizar a contaminação.
Emerson Papa (Americana, SP)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.