Leitores comentam pesquisa do Datafolha sobre recorde de rejeição a Bolsonaro

'Boa parte da base bolsonarista é formada por ressentidos e reacionários', diz leitor

Quando?

É muito mais fácil evitar o surgimento de uma ditadura do que derrubar um ditador. Não há mais dúvidas sobre as intenções de Bolsonaro. Não é mais questão de saber se vai haver golpe, mas de quando será o golpe. As instituições democráticas brasileiras têm que se levantar, dar um murro na mesa e acabar com essa palhaçada golpista promovida pelo clã Bolsonaro.

Mário Barilá Filho (São Paulo, SP)


Passa boi passa boiada

Eu temo que, apesar de tudo, a boiada vá continuar passando. Todas as atitudes de recomeço das atividades após a pandemia teriam que levar em conta o meio ambiente e a sustentabilidade. Porém, com esse presidente e sua claque, tenho certeza de que vai ser o contrário.

José Dieguez (São Carlos, SP)


Honra, mentira e liberdade

Quero dizer que estou autorizada a ofender a honra de desafetos, mentir sobre eles e fazer outras coisas mais em nome da liberdade de expressão? Isso é o que diz o ignóbil senhor André Mendonça, ministro da justiça* —* em minúscula mesmo ("Ministro da Justiça critica operação autorizada pelo STF contra bolsonaristas", Poder, 27/5).

Tania Tavares (São Paulo, SP)


Datafolha

Boa parte da base bolsonarista é formada por ressentidos e reacionários ("Rejeição a Bolsonaro bate recorde, mas base se mantém, diz Datafolha", Poder, 28/5). Essa parcela da população é mobilizada pelo "gabinete do ódio". Quando a Justiça e a Polícia Federal desbaratarem esse grupo, a popularidade do presidente vai desmoronar, pois não haverá mais cortinas de fumaça disparadas por milícias digitais.

Alexandre Rocha (Fortaleza, CE)

Incrível como, apesar de tudo, 33% de palermas ainda acham esse governo ótimo/bom.

Valmir Cinquini (São Paulo, SP)

Bolsonaro vai precisar mostrar nervos de aço daqui para a frente. É muita pressão, mas é o que ele escolheu: governar no limite e não abrir mão da polarização.

Pedro Cunha Jr. (São Paulo, SP)

Essa pesquisa está equivocada. São 57,7 milhões de bolsomitas —para sempre. Não existe ex-fascista, ex-nazista, ex-bolsomita. É uma marca indelével. Se aparentam arrependimento, é porque o bolso está vazio. Estivesse cheio, estariam aplaudindo o führer.

Rodrigo Caldas (Recife, PE)


Os ventos mudaram

Pois é, a democracia é o direito às ideias erradas. A democracia, de tão democrata que é, admite partidos que sonham com regimes autoritários. Perfeito, Fernando Schüler, agora os ventos mudaram ("A democracia e o direito às ideias erradas", Poder, 28/5).

Paulo Tarso J. Santos (Barretos, SP


27.05.2020, 19h23

Escrevo às 19 horas e 23 minutos do dia 27 de maio de 2020. E, mesmo tendo ameaçado fisicamente o ministro do STF Alexandre de Moraes, seus familiares e as servidoras domésticas, Sara Winter ainda não foi presa. Por quê?

Antonio Carlos Orselli (Araraquara, SP)


Agilizar, não suprimir

O senhor José Carlos Martins em entrevista à Folha, não foi feliz na sua afirmação: "Não tem cabimento eu ter uma estrada de paralelepípedo e precisar tirar licenciamento para asfaltar" ("Empresário diz que boiada foi palavra mal dita por ministro do Meio Ambiente", Poder, 27/5). É prudente o licenciamento, haja vista que, além dos impactos ambientais inerentes ao processo construtivo, há um impacto significativo que precisa ser estudado: a mudança de um ambiente semipermeável (paralelepípedo) para um impermeável (asfalto). Com a diminuição da infiltração de águas pluviais, há a necessidade de buscar soluções técnicas caso a caso. A solução está em agilizar o processo de licenciamento ambiental, não em suprimi-lo.

Zilmar Cardoso, engenheiro agrônomo (São Paulo, SP)


Jornalistas no Alvorada

Triste demais a notícia de a claque bolsonarista, em suas expressões de ódio e em seus atos nojentos de ataque à imprensa, conseguiu fazer com que jornalistas se afastassem da cobertura tão necessária à nação. Deveria, sim, o GSI recomendar o afastamento da claque de frente aos palácios, e garantir ambiente decente e adequado à imprensa, verdadeira defensora da democracia. A Folha e todos os outros órgãos de imprensa merecem respeito. #fechadocomaimprensalivre

Marcelo Cavagnolli Fernandes (Gravataí, RS)


Menino sem camisa e de máscara amarela; atrás, lixo boiando na água
Menino em Educandos, bairro ribeirinho de Manaus - 26.mai.2020 - Michael Dantas/AFP

Máscara?

Estarrecedora a foto publicada na página B3 da edição de 28/5 desta Folha. Em meio a tanta sujeira, como uma máscara pode proteger essa criança e quem quer que seja? Espero que o fato de milhares de brasileiros continuarem submetidos a condições tão precárias de moradia continue nos chocando. Precisamos tomar vergonha na cara e arrancar do poder público uma solução para esse problema. Nossas crianças, tão lindas, merecem uma infância longe do lixo.

Marina Jarouche Aun (São Paulo, SP)


Seguidores

Juca Kfouri, ele mesmo um cego seguidor de Lula, descreveu com maestria os cegos que ainda insistem em seguir Bolsonaro ("Fanáticos cultivam mitos e salvadores da pátria", Esporte, 28/5).

Jorge João Burunzuzian (São Paulo, SP)


Ignorância, fanatismo?

A insensibilidade, ignorância e fanatismo de certas pessoas, em especial daquele que deveria comandar e dar diretrizes à educação de uma nação, ultrapassam todos os limites da sensatez que deve nortear as atitudes dos detentores do poder, especialmente daqueles que têm cargo público e acesso à mídia. E, pior ainda, partindo de alguém de ascendência judaica. A comparação do ministro Abraham Weintraub da trágica, cruel, arbitrária e vergonhosa Noite dos Cristais com as ações desencadeadas pela PF por ordem do STF é totalmente ofensiva, descabida, perversa para com as vítimas da tragédia da humanidade que foi o regime nazista, em especial aos judeus, suas principais vítimas. Tenha hombridade, ministro, peça desculpas e demissão.

Luiz Nusbaum, judeu, filho de sobrevivente do Holocausto (São Paulo, SP)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.