Leitores criticam atos de apoiadores de Bolsonaro

Ironia é Moro depor na sede da PF em Curitiba, diz leitor

Agressão à imprensa
"Manifestantes pró-Bolsonaro agridem e ameaçam jornalistas em ato no Planalto" (Poder, 3/5). Os malucos estão se achando grande coisa, porque só eles são obtusos e irresponsáveis o suficiente para se aglomerarem. Não houvesse isolamento, estaríamos a ver batalhas campais pois há muita gente querendo pegá-los pelos colarinhos. Um já levou uma coça de uma mulher com metade do tamanho dele e mil vezes mais brio.
Wagner Santos (Ribeirão Preto, SP)

A mídia dizia que era perseguida pelos petistas. Fizeram de tudo para tirá-los do poder. E agora não são apenas perseguidos, são massacrados.
Elizabete Oliveira (Jaú, SP)

Essa minoria insana de 30% tem que ser contida, a começar pelo capo! Ódio, truculência e fake news têm de dar lugar ao que é prioritário: o combate às nossas gravíssimas crises sanitária e social.
Roberto Serpa Dias (Rio Pomba, MG)


Ironia
Ironia da história é Sergio Moro ter de depor na Polícia Federal de Curitiba a delegados a quem dava ordens no combate ao crime e podendo se incriminar por prevaricação ao delatar somente agora um rosário de crimes de Bolsonaro.
Antônio Beethoven Cunha de Melo (São Paulo, SP)


Ídolo
"A imprensa e seu ídolo" (coluna da ombudsman, Poder, 3/5). Nos últimos tempos, essa análise foi a mais honesta que vi divulgada nos jornais. O fato de ser popular não dá a Sergio Moro salvo-conduto em relação a nada. Como escreveu Flávia Lima, essa é a segunda chance para a imprensa buscar um pouco de isenção na cobertura.
Romero Melo (Recife, PE)

Parabéns à ombudsman pelo ótimo artigo. Sem dúvida, a imprensa está cultivando Moro para tentar derrotar o PT em 2022, já que os tucanos tradicionais estão na lona. Nessa campanha, é claro que a parcialidade do juiz, a sua atuação ilegal em Curitiba e a sua conivência com as conhecidas ilegalidades e imoralidades do clã serão empurradas para debaixo do tapete.
Pranciskus Algimantas Zibas (São Paulo, SP)

Ombudsman? Mais uma viúva do lulopetismo. Na minha opinião, lamentável a Folha manter em seus quadros ativistas que rabiscam artigos rasteiros como esse.
Raymond Kappaz (São Paulo, SP)


Fernanda Torres
A última frase do artigo "Todo mundo tem um bolsonarista para chamar de seu; eu tenho a minha" (Ilustrada, 3/5) foi um banho de água fria, um choque de realidade. Sim, porque quem teve desilusão com o PT e tem repulsa ao bolsonarismo, como é o meu caso, vai votar em quem, em que projeto de país? O destino do Brasil, ao que tudo indica, está mesmo nas mãos dessas pessoas que neste domingo estiveram na praça dos Três Poderes.
Paloma Fonseca (Brasília, DF)


Marcha
O ataque à imprensa é incompatível com o Estado democrático. Esses covardes valentões são incentivados por um presidente acuado por denúncias, o que evidencia a característica bovina de suas cabeças vazias (editorial "Marcha dos covardes", Opinião, 3/5).
Tania Maria de Moura Pereira (Brasília, DF)


Peço desculpas à imprensa por ser responsável por termos um presidente que frustrou os sonhos dos brasileiros com suas investidas maléficas, pois foi nele que eu votei! Preocupa-me a inércia do Supremo Tribunal Federal, do Judiciário e do Legislativo; que assistem a Bolsonaro avançar contra a democracia e nada fazem! Quem não reage rasteja.
David Johnson (Rio de Janeiro, RJ)

Judas
"Bolsonaro chama Moro de Judas e diz que ninguém dará um golpe em cima dele" (Poder, 2/5). É muito divertido ver as madalenas arrependidas se portarem como ratazanas e pularem do barco do miliciano para entrar no do ex-juizeco. Esquecem que Sergio Moro foi o principal responsável pela eleição do chefe em troca do cargo de ministro da Justiça e da indicação para o Supremo Tribunal Federal. Agora vou assistir de camarote à essa briga do miliciano contra o ex-lacaio.
Wilson Kfouri (São Paulo, SP)


Bloqueios
"SP faz bloqueios em avenidas a partir de segunda (4) para forçar isolamento" (Cotidiano, 3/5). Em breve São Paulo terá que entrar em lockdown devido a esse afastamento social malfeito, incentivado por um um presidente ignorante e irresponsável.
Elias Souza (Sumaré, SP)


Novas ideias?
"Professores e pais acionam Justiça contra ensino remoto" (Cotidiano, 3/5). Vejo solicitações (e justificativa plausível, que remete aos excluídos, que sempre foram excluídos, mesmo em tempos de normalidade) para suspender aulas à distância, mas nenhuma alternativa nem novas ideias para lidar com essa situação. Nenhuma proposta. Ou a ideia é não fazer absolutamente nada?
Lourenço Faria Costa (Quirinópolis, SP)

Apocalipse, apocalipse
"Brasil enfrenta duplo apocalipse com Bolsonaro e coronavírus, reflete Nuno Ramos" (Ilustríssima, 3/5). Maravilhosa lucidez de Nuno Ramos ao desmontar este governo inominável e os bolsonaristas. Retratou muito bem a irresponsabilidade, a baixa cultura e o parasitismo dessas pessoas. Lendo o artigo vemos que essa podridão não tem limites.
Mariza Bacci Zago (Atibaia, SP)

Obrigado, Nuno, por nos explicar o caos.
Ricardo Brock (Rio de Janeiro, RJ)


Leitos hospitalares
Em "A fila única para a Covid-19 está na mesa" (Poder, 4/5), Elio Gaspari defende que leitos privados também atendam pacientes do SUS com Covid-19. Hoje, mais de 40% dos leitos de UTI do Brasil estão em hospitais particulares, por isso, em 31/3, protocolei o PL 1.316/20, já aprovado na Comissão Externa, que obriga hospitais privados a informar gestores do SUS sobre critérios de ocupação dos leitos, permitindo o controle e requisição para o SUS durante a pandemia.
Alexandre Padilha, deputado federal --PT-SP (Brasília, DF)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.