'Fale, Queiroz! Conte tudo', pede leitor

Leitor diz que levaria todos os livros de Ruy Castro para uma ilha deserta

Fale, Queiroz
Fale, Queiroz! Conte tudo e acabe de vez com esse governo genocida e atroz. Fale, Queiroz! Delate o esquema para dar um alento ao Brasil e a todos nós. Fale, Queiroz! Arrependa-se e seja da verdade um porta-voz. Fale, Queiroz! Purgue suas culpas desatando todos os nós. Fale, Queiroz! Antes que a bandidagem que quer sua morte seja mais veloz. Fale, Queiroz! Revista-se da coragem e faça dela seu albornoz. Fale, Queiroz!
Túllio Marco Soares Carvalho (Belo Horizonte, MG)

A Prefeitura de Atibaia deveria aproveitar a oportunidade e investir em cleptoturismo.
Murilo Nahas Batista (Penápolis, SP)

Na direção oposta
Não é possível. Enquanto no mundo todo “vidas negras importam”, aqui no Brasil o ex-ministro da Educação acaba com o programa de inclusão de negros, indígenas e pessoas com deficiência nas universidades. Estamos indo na direção oposta. Não podemos mais permitir que nos usurpem essas conquistas. Desigualdades sociais e econômicas só são atenuadas pela educação. O Brasil precisa aceitar a sua diversidade. A universidade não pode ser privilégio de uma classe favorecida. Afinal, os impostos são pagos por todos.
Carlos Alberto da Rosa (Curitiba, PR)


Conservadores
Conservadores de direita ou liberais..., dá tudo no mesmo. Agem com hipocrisia. E disso não escapam Luiz Felipe Pondé e João Pereira Coutinho. Os dois condenaram a quebra mínima e localizada de algumas estátuas por manifestantes antifascistas, mas não adotaram o mesmo procedimento quando houve derrubada e quebra de estátuas de Lenin e Stálin. O conservadorismo não passa de defesa da opressão.
Zulcy Borges (Itajubá, MG)


Máscaras represadas
Durante 13 anos, o PT pegou nosso dinheiro e pôs na Venezuela, em Cuba etc. Agora este lorpa que colocaram no Itamaraty, não busca doações porque se trata do “inimigo” do ídolo do chefe dele. É impressionante como quem chega ao poder no Brasil usa os instrumentos do Estado a favor dos seus e de suas ideologias. E danem-se as necessidades do povo brasileiro (“Itamaraty abafa diplomacia da máscara, e doações chinesas emperram por logística”, Mundo, 17/9).
Carlos Eduardo A. Tardivo (São Paulo, SP)

Corona

Ilustração do leitor Ivan Large - Ivan Large

Covid de revezamento: a passagem do bastão
Ivan Thomas Large (Nova Lima, MG)

Raras atividades são monitoradas diariamente por equipe médica especializada como as dos clubes de futebol. A decisão do governo de São Paulo de não permitir a volta às atividades físicas dos clubes beira o ridículo e não tem nenhuma justificativa baseada em protocolos de saúde. A flexibilização dos shoppings e do comércio, bem como a situação do transporte público, colocam a população em grande risco de contaminação. Mas estão liberadas.
Álvaro Staut Neto (Pindamonhangaba, SP)

Reabertura
O texto “Escolas particulares querem volta às aulas antes das públicas”, Educação, 16/6) diz que escolas particulares encontram menos resistência dos professores para o retorno às aulas. Claro, se eles não voltarem serão demitidos. Sou professora da rede municipal do estado de São Paulo. Já é rotina não ter água na escola em dias normais e a escola é suja. As crianças têm sintomas leves da Covid-19, mas são vetores. Voltar às aulas agora aumentará o caos que já vai acontecer com abertura do comércio sem quarentena e sem rastreamento do vírus.
Eliane Saleti Verri (Santo André, SP)

A questão é muito delicada. É preciso uma avaliação cidade por cidade. Há escolas que realmente irão falir (este país não tem linha de crédito para a educação, né?). E há professores que se recusarão a trabalhar em condições adversas. Para o governo, salvar bancos e empresas é mais importante que salvar escolas. Educação não vale nada neste país.
Luciana Lemes Silva (Poços de Caldas, MG)

Voltar às aulas seria só para justificar a cobrança integral das mensalidades, pois o momento ainda é inadequado para qualquer retorno.
Larissa Bertani (São Bernardo do Campo, SP)


O quintal
Bolsonaro fala de respeito a ideias. Mas quando foi que ele respeitou as ideias de 47 milhões de pessoas que votaram contra ele? A partir do momento que assumiu a Presidência, precisa governar para todos, não só para o seu quintal.
Maria Amália Couto dos Santos (Taquari, RS)


Weintraub e os oximoros
As colunas de Sérgio Rodrigues estão cada dia mais afiadas e inspiradoras (“Weintraub na terra dos oximoros”, 17/6). O apreço pela língua portuguesa e suas idiossincrasias ortográficas alia-se a análises inteligentes e irônicas do estado de coisas em cada um de seus textos. O crescendo de sandices do governo federal é tão assustador que nos faltam palavras para qualificá-lo. Sérgio Rodrigues acha-as todas e nos brinda com pérolas.
Décio Hernandez Di Giorgi
(Campinas, SP)


STF
Falaram grosso e elevaram o tom contra atos que os agridem. De certa forma estão certos, mas eu gostaria de ter um STF mais julgador e menos discursador, mais sereno e com um discurso mais sustentado nas linhas da Constituição.
Otávio de Queiroz (São Paulo, SP)


Na ilha
Se devesse escolher livros para levar a uma ilha, levaria todos os de Ruy Castro —das notáveis biografias aos emocionantes relatos da cena carioca. Mas a crônica “A chegada do cometa" (Opinião/ 19/6) merece ser “emoldourada” (assim mesmo, emoldurada em ouro). A crônica é aguda e vai direto ao ponto.
Maurício Antonio Ribeiro Lopes (São Paulo, SP)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.