Leitor diz que Queiroz é para a direita o que Palocci foi para a esquerda

Invasão de hospital e demissão de Weintraub também são destacados por leitores do jornal

Prisão de Queiroz
Fabrício Queiroz é o Antonio Palocci da direita. São todos iguais. Direita e esquerda, com seus chefes insanos, egos inchados, filhos enrolados e os respectivos defensores alienados (“Fabrício Queiroz é preso em SP por esquema de ‘rachacinha’ em gabinete de Flávio Bolsonaro”, Poder, 18/6). São todos farinha do mesmo saco.
José Francisco Paula Filho (Belo Horizonte, MG)

Dia glorioso! Conhecereis a verdade, que a verdade vos libertará! No caso, derrubará!
Kelsen Simão (Taubaté, SP)

Abrir o jornal e deparar com essa notícia nos faz crer que, enfim, a Justiça pode chegar para todos. Que notícia! Torcendo para que ele faça uma delação.
Cinara Almeida (Lençóis Paulista, SP)

Olha, eu li nas colunas de Haddad, Duvivier e Nelson Barbosa que qualquer prisão antes do trânsito em julgado configura ataque aos direitos humanos, de defesa e que, portanto, representa perseguição política. Foi isso o que eu aprendi lendo a Folha.
Daniel Alves (Novo Horizonte, SP)

Tomara que o brasileiro tenha aprendido que não se dá poder de presidente a alguém que não compareceu a um só debate. Tomara que tenhamos aprendido. Bolsonaro é o personal trainer de uma sociedade infantilizada e ainda pode complicar muito o país.
Claudio L. Rocha (São Paulo, SP)


Rota da laranja
Atibaia, de novo? Segundo Teodoro Fernandes Sampaio, Atibaia, antigamente Tibaya, como escreveu Manuel Aires de Casal, significa “água saudável” (ty-b-aia), podendo ainda ser “água trançada, revolta ou confusa”. Mas eu acho que a tradução correta é: um dia a casa cai para todo mundo que a constrói de mentiras e de outras coisas. Ou não?
José Oliveira (Patos de Minas, MG)

Usuários associam a cidade de Atibaia a laranjas
Usuários associam a cidade de Atibaia a laranjas - Reprodução

Mais uma vez a cidade de Atibaia está no noticiário político-policial. Será que existe algum complô naquele município contra o país? Ou será que a casa do advogado do filho de Jair Bolsonaro é vizinha do sítio do Lula?
Humberto Gomes (Santos, SP)

O que há de especial nessa cidade, tão a gosto dos fora da lei?
Joaquim Quintino Filho (Pirassununga, SP)


Deputado invade hospital
Só a ação firme de todos os governadores do país pode acabar com abusos de direito. Já passou da
hora de pôr fim a PM (“Deputado bolsonarista invade hospital na Bahia e ameaça prender funcionários em ala com paciente nua”, Painel, 17/6). Que tal manter apenas guardas municipais, com perfil comunitário. Cansei de vivenciar tamanha violência!
Grace Cruz (São Paulo, SP)

O deputado estadual Capitão Alden, da Bahia
O deputado estadual Capitão Alden, da Bahia - Divulgação

Deplorável a atitude desse cidadão. Eu sinto vergonha de ter um presidente que estimula gente desse naipe. O pessoal lá, doente, debilitado, e aparece uma criatura dessas? A lei precisa ser aplicada, para cortar esse mal pela raiz. São minoria, mas fazem um estrago enorme na sociedade como um todo.
Marcelo Menossi Teixeira (Campinas, SP)

Merece um inquérito pela Comissão de Ética da Assembleia da Bahia e, se possível, sua cassação pelo Legislativo baiano. O que significa esse monte de policiais nos parlamentos? Voltem para suas funções na polícia, mas como servidores do povo, e não puxa-sacos ideológicos de tiranos.
Ana Maria Fontana Bernardi (Socorro, SP)


Demissão de Weintraub
Já vai tarde. Bem que poderia levar o Ernesto Araújo e o Ricardo Salles também. Agora é esperar pelo(a) substituto(a) que irá tocar a Educação (“Após pressão do Supremo, Bolsonaro demite Weintraub do Ministério da Educação”, 18/6). Esta nossa saga incivilizatória, contando, ninguém acredita.
Fabio Cruz (Brasília, DF)

A prisão do Queiroz apressou a saída de Weintraub. A barra estava ficando pesada demais para ter que lidar com os dois ao mesmo tempo.
Sergio Facchini (São Paulo, SP)

Seria importante a Folha levantar um histórico das ações deste ser deletério, que ocupou uma das pastas mais importantes do governo. Não devemos nos esquecer de suas atrocidades, incluindo a última, em relação à política de cotas na pós-graduação. Sem educação, não há mudança. Prisão para Bolsonaro e sua gangue.
Malcom Rodrigues (Feira de Santana, BA)


Privatização
Aos defensores da praticidade do liberalismo e do enxugamento da máquina pública, sugiro que pressionem o ministro Paulo Guedes para que solicite gentilmente ao presidente Bolsonaro a privatização das Forças Armadas, a exemplo da Suíça. Percebemos que o grande número de militares convocados para desempenharem funções no governo federal não está prejudicando suas atividades originais, supostamente supérfluas.
Carlos Alberto de Oliveira Joppert (Juiz de Fora, MG)


Guilherme, 15

Guilherme Silva Guedes, de 15 anos, que foi raptado e morto na Grande São Paulo; policiais são suspeitos da morte
Guilherme Silva Guedes, 15, foi encontrado morto na Grande São Paulo; policiais são suspeitos da morte - Arquivo Pessoal

Punir policial, embora seja preciso, não resolve a complexidade do problema (“Policial militar é preso sob suspeita da morte de Guilherme”, Cotidiano, 18/6). Isso só serve para perpetuar a falsa teoria de que os absurdos e as violações de direitos são coisa de laranjas podres. Não são. A violência, o desrespeito e o preconceito são intrínsecos à cultura policial no nosso país e vão continuar a se reproduzir com a concordância dos nossos governantes.
Marta Carvalhal (São Paulo, SP)

Só afastamento é nada diante da covardia, do desvio de conduta, da crueldade que têm acompanhado as atitudes de membros da PM. O correto seria se houvesse uma melhor triagem para a escolha destes profissionais, para que fatos como esses se tornem raros, e não reincidentes.
Maria Lima (Santo André, SP)


Cerveja contaminada
Absurdo! Aqui, no Brasil, parece que não acontece nada (“Vítimas de cerveja contaminada em MG enfrentam despesas e sequelas”, Cotidiano, 18/6). Estou acompanhando esse caso dessa cerveja e não sei se é melhor viver ou morrer, depois do que ocorreu com essa gente.
Gilton Silverio (Volta Redonda, RJ)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.