Leitores comentam viagem apressada de Weintraub

Sergio Moro é alvo de críticas

Governo Bolsonaro
Quase tudo no desgoverno Bolsonaro é feito para prejudicar o povo, bem ao contrário do discurso vazio dele e dos apoiadores. Ele oferece cargos e premia incompetentes simplesmente porque são, em sua maioria, assim como ele, racistas, falsos moralistas e, principalmente, bajuladores. E Weintraub é um expoente dessa tropa ("Com Weintraub, governo Bolsonaro volta a usar Diário Oficial para mudar narrativa", Poder, 23/6).
Maisa de Melo (Poços de Caldas, MG)

Onde estão os princípios da legalidade e da probidade administrativas? Bolsonaro engoliu o artigo 37 da Constituição com cloroquina líquida? E os órgãos de controle? Não vão se mexer?
Lilian da Rocha Cavalcanti (São Paulo, SP)

Ué, pode-se alterar documento público?
Priscila de Azevedo Noronha (São Paulo, SP)

O nome disso é falsificação.
Maria do Carmo Britto (Rio de Janeiro, RJ)

De que este é um governo criminoso, além de incompetente e despreparado para qualquer coisa, ninguém mais dúvida. Mas impressionante é o tratamento leniente que a mídia —apesar de algumas críticas— dispensa a essa turma. Se fosse um ministro dos ex-governos do PT a fazer o mesmo que fez Weintraub, o mundo viria abaixo.
Rogério Barbosa Silva (Belo Horizonte, MG)


Cristina Serra
Não sei se o governo americano aceitará facilmente esse "jeitinho", que como tantos outros no deixa muito mal parados no exterior ("Uma banana ao STF e ao Brasil", Opinião, 23/6). Normalmente eles são rígidos quando se trata de enganar suas autoridades de imigração. Eu já fiquei sem sapatos por lá tendo visto A e B. Espero que essa vergonha pela qual estamos passando seja compensada com a não aceitação dessa figura no Banco Mundial e seu retorno ao Brasil para que seja julgado pela ofensa ao STF.
Juan Vera (Piracicaba, SP)

Impertinente

Bolsonaro parece um menino impertinente e malcriado que só sabe espernear. Só no Brasil o Judiciário precisa determinar que o presidente seja obediente ("Justiça determina que Jair Bolsonaro use máscara em espaços públicos no DF", Poder, 23/6).

Valdir Dequi (Canoas, RS)


São Paulo série B
"Faz 30 anos que o São Paulo não caiu, como os documentos confirmam" (Esporte, 21/6). O estranho é que, mesmo "não caindo", a diretoria e os jogadores lamentaram a queda no dia do jogo nas entrevistas. O que Paulo Vinicius Coelho esquece é que os regulamentos, embora pareçam claros, eram uma bagunça à época. Naquele dia, o próprio presidente da Federação Paulista deu uma entrevista dizendo que o SPFC cairia .
Rodrigo Moreira (São Paulo, SP)

Essa provocação só tinha graça quando o São Paulo ganhava alguma coisa e incomodava os adversários. Agora tanto faz.
Leonardo Trindade (São Paulo, SP)

Centro de treinamento do São Paulo Futebol Clube, em São Paulo - Marcello Zambrana/AGIF

Sergio Moro
Moro não foi contra o aparelhamento da Polícia Federal ("Empresários criam movimento 'legalista sem ser extremista' para virar partido e com sonho de Moro candidato", Mônica Bergamo, 23/6). Ele apenas não aceitou que o seu aparelhamento fosse quebrado. Ele queria a PF na mão dele como política pessoal.
Pedro Silva (Brasília, DF)

Sergio Moro já teve coragem de condenar parte da elite política do Brasil —de todas as tendências. Teve coragem de condenar parte da elite econômica do Brasil. Tudo isso foi inusitado. Pela primeira vez na história da nação vimos várias dessas elites presas —e, repita-se, de todas as tendências. Creio que a impunidade seja o maior problema do país. Dela deriva a corrupção, a fome, a ignorância. O ex-ministro Moro poderia criar mecanismos para tentar acabar ou para pelo menos diminuir tamanha impunidade.
Ricardo Arantes Martins (São Paulo, SP)

Moro "legalista"? Faz-me rir. Oportunismo.
Priscila Martins Medeiros (São Carlos, SP)

Tenho uma enorme confiança no ex-ministro Sergio Moro e uma forte esperança de que ele possa liderar o nosso país e nos conduzir para uma sociedade mais justa e mais equilibrada. Fiscalização e justiça, é disso que nós precisamos. Eu entraria em qualquer movimento que viabilizasse isso. Entretanto, este nome, Cidadão Democrático, já começa com um certo viés. Por que excluir a cidadã democrática dele?
Vander Gontijo (Brasília, DF)


Coronavírus
Se antes da pandemia já era difícil encontrar uma vaga em uma creche municipal, imagine então agora, com a volta parcial das atividades e as escolinhas ainda fechadas. Onde as mães irão deixar os seus filhos? Esperar algo da prefeitura? Esqueça. Só agora há pouco o prefeito Bruno Covas se mostrou preocupado com os trabalhadores que utilizam o transporte público na cidade ("Nas periferias de SP, mães voltam ao trabalho sem ter com quem deixar filhos", Cotidiano, 23/6).
Alexander Barbierato (São Paulo, SP)

Creche fechada na região de São Mateus, em São Paulo (SP), em março - Johnny Morais/Futura Press/Folhapress

Novak Djokovic
Jovem, rico e famoso ("Djokovic está com coronavírus após promover torneios abertos ao público", Esporte, 23/6). Provavelmente teve aquela sensação que todo jovem tem: comigo não acontece. Ao menos mostrou humildade em reconhecer o erro. Também achei sensato alegar que é algo novo, com o qual todos estamos aprendendo a lidar. E olha que o objetivo era caridade. Veja no Rio de Janeiro, os casos só aumentam, e os atletas do futebol, à exceção de Flu e Bota, estão entrando em campo. Tomara que acabe bem, mas há uma enorme possibilidade de haver contaminação entre os jogadores. Basta um deles ter o vírus.
Richard Lourenção (Curitiba, PR)

Será que as suas desculpas confortarão uma família que teve alguém contaminado devido à sua irresponsabilidade?
Lúcia Helena Paludetto (Birigui, SP)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.