Leitores criticam atuação do STF em caso do 'quadrilhão do PP'

Com vaivém burocrático, tribunal retém ação um ano após aceitar denúncia

'Quadrilhão do PP'

Supremo adota vaivém burocrático e retém ação contra ‘quadrilhão do PP’ um ano após aceitar denúncia” (Poder, 6/7). O pior é que tem gente que defende o STF, um tribunal de bancada partidária. O órgão é o guardião divino de quem tem dinheiro.

Pedro de Oliveira (Itumbiara, GO)

Se for PP, PSDB, MDB, deixa dormir. Agora, se for PT, é sempre a prioridade.

Nestor Bercovich (Florianópolis, SC)

Interessante este nosso país, não é? Em menos de um ano, consegue tirar Dilma da Presidência e jogar na cadeia um ex-presidente que foi amado por muita gente por ter feito tanta coisa para a população. Mas não consegue pôr na cadeia os integrantes de um “quadrilhão do PP” por manobras judiciais, em postergações de datas para julgar.

Luiz Gonzaga Silva (Taubaté, SP)


Veto às máscaras

Os vetos irresponsáveis e desarrazoados de Bolsonaro ao projeto de lei do uso obrigatório de máscara apenas reforça a sociopatia que marca a sua atuação desde que tomou posse. Espero que o Congresso derrube esses vetos nefastos e restabeleça o texto original (“Bolsonaro amplia vetos a uso de máscaras, que agora deixam de ser obrigatórias em prisões”, Cotidiano, 6/7).

Alexis Sales de Paula e Souza 
(Brasília, DF)

Coerente essa decisão. Segue o manual da necropolítica.

Delane José de Souza (Belo Horizonte, MG)

Quero conhecer um só argumento de Bolsonaro que justifique a autorização para que não se use máscaras em ambientes públicos. Ele acha que as pessoas estão brincando de morrer ou de ir aos hospitais? O que ele pensa disso tudo? Ou não pensa?

Regina Ulhôa Cintra (São Paulo, SP)

O Brasil é um país muito grande e abriga diversos mundos. Uma lei federal corre o risco de cometer arbitrariedades. É melhor deixar a competência aos estados e municípios conforme a evolução da pandemia.

Mauro Azana (São Paulo, SP)

Caso alguém ainda tenha alguma dúvida sobre o caráter genocida de Bolsonaro, ele acaba de oferecer mais uma prova de que não tem qualquer compromisso com a vida, especialmente com a vida da população pobre e negra, vítima de seu novo veto. O Congresso precisa conter esses atos. Ainda, e apenas ainda, somos uma democracia, e a Constituição ainda não foi revogada. Preservar a vida de seus cidadãos é a principal preocupação de qualquer república decente.

Ana Ferraz (Vitória, ES)

Como entender um sujeito desse? O país perdendo mais de 1.000 pessoas por dia e ele vem com uma dessa? É uma criança mimada.

Elias Marinho (Brasília, DF
)


#Use Amarelo pela Democracia

O varal da leitora Lúcia Camargo - Arquivo pessoal

Tamo junto, Folha, nessa campanha do amarelo! Vejam só as roupas que usei nos últimos dias.

Lúcia Camargo (São Paulo, SP)


Lava Jato

Cumprimentos à colunista Catarina Rochamonte (“O cerco à Lava Jato”, Opinião, 6/7), que tem coragem de tomar o partido do combate à corrupção, vista com maus olhos por aqueles que dela se beneficiaram e, não suficientemente satisfeitos por não sofrerem punição, ainda ousam punir os que os flagraram locupletando-se com dinheiro do erário.

Luiz Carlos Andrade Rocha 
(Curitiba, PR)


José Serra

Quando o jornal irá ouvir o senador José Serra (PSDB-SP) sobre a acusação de ter uma conta de R$ 40 milhões na Suíça? O jornal poderia ter aprofundado o tema após a denúncia da Lava Jato. Nenhuma linha nos dias seguintes à denúncia contra o senador por São Paulo.

Fábio Galvão (São Paulo, SP)


Ennio Morricone

Excelente compositor, deixa obras memoráveis, que jamais serão esquecidas. É prazeroso de vez em quando escutar as suas músicas e recordar os belos filmes de Sérgio Leone (“Músico italiano Ennio Morricone, famoso por trilhas sonoras, morre aos 91”, Ilustrada, 6/7).

Norton Candemil Pereira (Florianópolis, SC)

Perdemos um grande compositor. Gratidão a Ennio Marricone.

Renata Soares dos Santos (Guarujá, SP)


Demissões

Santander demite 20 pessoas por dia útil em junho” (Mercado, 6/7). A digitalização dos serviços bancários está reduzindo os custos velozmente. Há oportunidades nessa área, e as empresas aproveitarão esse momento para surfar essa onda. Não é de hoje que as tecnologias determinam essa direção. Futuramente, o atendimento humano será o diferencial. Mas, infelizmente, não estamos vendo isso agora.

Luís Fernando de Oliveira Ferraz 
(Teresópolis, RJ)


33.333

A Folha alcança nesta terça-feira (7), às vésperas de seu centenário, o raro número de cinco dígitos iguais —33.333, fato que só ocorre em intervalos de mais de 30 anos. Que tal lembrarmos os nomes dos fundadores, Olival Costa e Pedro Cunha, e dos antigos diretores de Redação Octávio Frias de Oliveira e Otavio Frias Filho? Estando em primeiro lugar nas vendas e trazendo, na maioria das edições, fatos marcantes, o jornal tem faltado nas bancas. Não encontro para comprá-lo. Peço mais acessibilidade para nós do interior —e também a possibilidade de solicitar o exemplar anterior ao jornaleiro.

Rogério de Souza Pires (Umuarama, PR)


Precisa-se de...

Atenção para o reclame. Proposta imperdível. Procura-se ministro da Educação para começar a trabalhar hoje mesmo! Paga-se bem! Com benefícios (aviões da FAB + diárias). Exigências: não ter mentido no currículo da plataforma Lattes (se não souber o que é plataforma Lattes é melhor ainda); gostar de militares e do Olavo de Carvalho (continência, coturno e palavrão); ser apático e sem iniciativa própria; não ficar levando problemas ao presidente (“05”); e, principalmente, nunca citar o nome de Paulo Freire, nunca! Enviar currículo para 02 ou 03.

Francisco José Bedê e Castro
 (São Paulo, SP)


Vacina chinesa

Uma ótima notícia, e espero que dê certo (“Nova fase de testes para vacina chinesa contra Covid-19 começa em 20 de julho”, Cotidiano, 6/7). Mas não posso deixar de pensar o quanto o governador de São Paulo espera lucrar com essa vacina, que não terá nenhuma participação federal. Pretende matar o “bolsodoria” e chegar com fôlego a 2022. Será o suficiente?

Ugo Maia Andrade (Aracaju, SE)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.