Leitores criticam falta de proteção a restingas e manguezais

'Uma capa como a de terça é um dos motivos para continuar a ler a Folha', diz leitor

Me dão motivos...

Fac-símile da capa de 29.set - Reprodução

Uma capa como a desta terça é um dos motivos para eu continuar a ler a Folha. Quem não lê a edição impressa perde um pouco essa dimensão. Que assunto é esse que vai além da pior distopia e extravasa para a última página do caderno? É uma capa histórica. Será lida no futuro!?
Fernando Knijnik (São Paulo, SP)


Ambiente
Manguezais e restingas prestam serviços ecossistêmicos essenciais ao ser humano. O manguezal atua no sequestro de carbono, enquanto a restinga mitiga a erosão costeira, além de exercer várias outras funções. O desconhecimento do papel ecológico desses ecossistemas por parte do governo agravará as crises ambientais e sociais por que estamos passando ("Ambientalistas apostam na Justiça para conter retrocessos ambientais do governo",Ambiente, 29/9).
Patrick Derviche, oceanógrafo pela UFPr (Pontal do Paraná, PR)

Área de mangue na Ilha de Itaparica, na Bahia - www.fotoarena.com.br


Com a absurda decisão do Conama, o fake-ministro Salles inclui-se na história do país como o destruidor-mor da natureza e servidor especial do mercado imobiliário. Mais uma estupidez deste desgoverno.

Jonas Nilson da Mata (São Paulo, SP)

*

O esvaziamento do Conama ocorre porque a área mais eficiente no governo Bolsonaro para resoluções escusas é a jurídica. Quando o governo percebeu que não conseguiria resolver as coisas na canetada, passou a buscar atalhos jurídicos em todos os setores. E o Ministério do Meio Ambiente é a vitrine mais reluzente desse método nefasto. E tudo isso sob os olhos complacentes da oposição.
Arlindo Carneiro Neto (São Paulo, SP)

Mangue no Espaço Ciência, no Complexo de Salgadinho, entre Recife e Olinda - Leo Caldas/Folhapress

Balcão de negócios
O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, acha que nenhum de seus colegas têm condições de assumir a presidência da casa e que a lei deve ser mudada, como fez FHC quando, deixando de lado o juramento à Constituição, negociou com o balcão de negócios chamado Congresso.
Arnaldo Macedo Caron (Curitiba, PR)


Cortes nas universidades
O PL 529 visa economizar recursos ao Estado, mas pode significar que "economia é a base da porcaria". A retomada do movimento de uma locomotiva que vinha seguindo o seu percurso é muito lenta. O confisco de recursos, mesmo apenas os de 2019, fere as constituições federal e estadual e ocasionará uma parada da locomotiva, pois já há um planejamento para a utilização desses recursos, que não são excedentes de caixa. As universidades paulistas, que produzem um terço do conhecimento do país, apoiadas pela Fapesp, têm excelência no ensino justamente por gerarem conhecimento, instigando o pensar, não apenas o reproduzir. Digo, por fim, aos senhores deputados, que parar a locomotiva vai lhes custar muitos votos. Que pensem bem antes de agir.
Lucile M. Floeter Winter, professora titular do Instituto de Biociências da USP (São Paulo, SP)


Continue a pedalar, pedalar
É tanto amadorismo que querem imitar até pedalada fiscal ("Renda Cidadã é a pedalada de Bolsonaro e Guedes", Mercado, 29/9).
Wagner Fernandes Guardia (São Vicente, SP)

*

Pela primeira vejo uma luz no fim no túnel, que é o fim deste desgoverno. Atacaram a classe trabalhadora com uma reforma da Previdência mequetrefe, ninguém revidou. Fizeram de conta que a pandemia era uma gripezinha, ninguém fez nada. Ameaçaram a democracia diversas vezes, nada. Ministro do Meio Ambiente que odeia o meio ambiente... Agora batem de frente com o mercado. Será que os endinheirados vão continuar batendo palma para o Posto Ipiranga e seu chefe?
Leonardo Poloni (São Leopoldo, RS)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.