Leitora diz que primeira coisa a reformar no Judiciário é o período de 60 dias de férias

Morte de Zuza Homem de Mello, Donald Trump com Covid e fusão de ministérios são assuntos comentados pelos leitores

Reforma e o Judiciário
A primeira coisa que deveria acabar são os 60 dias de férias. São questionáveis do ponto de vista moral e incoerentes com o resto da sociedade (salvo parlamentares!) e com os servidores. E, desse segundo período de férias, decorrem o recebimento de mais 1/3 de férias, o acúmulo e a venda de dias de férias —e a dança das substituições—, que elevam os contracheques (“Fora da reforma, juízes têm 36% da remuneração em extras salariais”, Mercado, 4/10).
Juliana Santana Rick (Belo Horizonte, MG)

307ª Sessão Ordinária do Conselho Nacional de Justiça (CNJ)
307ª Sessão Ordinária do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) - Luiz Silveira - 31.mar.2020/Agência CNJ

*

O país chegou a tal grau de degradação dos valores que o presidente da associação de juízes tem o cinismo de falar que seus salários estão defasados. O país está dominado por poderes que esganam o povo: o militar, praticamente inútil, o Legislativo e o Judiciário.
Nicola Granato (Santos, SP)

*

O país precisa criar regra única para todos os funcionários públicos, incluindo político, militar, Judiciário.
Gilberto da Costa Freitas (São Paulo, SP)

*

Um terço de férias e 13º salário não deveriam ser considerados “penduricalhos”. Sugiro que a Folha faça levantamento equivalente nos Ministérios Públicos de União e estados.
Kleber C. R. Pinto (Uberlândia, MG)


Zuza
Zuza Homem de Mello foi um dos maiores pesquisadores de música que o país já teve, ao lado de José Ramos Tinhorão e Mario de Andrade. RIP (“Morre Zuza Homem de Mello, referência na pesquisa da música brasileira, aos 87”, Ilustrada).
Roberto Gomes (São Carlos, SP)

Zuza Homem de Mello e sua coleção de discos
Zuza Homem de Mello e sua coleção de discos - Ana Ottoni - 12.set.2003/Folhapress

*

Um mestre! Uma perda imensa! Sua gargalhada maravilhosa vai ficar em nossos ouvidos.
Carlos Gueller (São Paulo, SP )


PF e os atos antidemocráticos
Sobram provas, porém não há convicções (“PF avança sobre mais um auxiliar de Bolsonaro”, Poder, 4/10).
Jose Mário Fonseca (Ribeirão Preto, SP)

*

Vamos ver no que vai dar, mas só de fazer um miliciano dizer “não sei de nada não, senhor”, “não vi nada não, senhor” e “sou laranja, senhor” não tem preço.
Sérgio Queiroz Garcia (Coxim, MS )

*

Torço para avançar e colocar esses criminosos na prisão! Mas acredito que a PF vai amarelar e tudo virará uma grande pizzaria.
Antônio Carlos de Paula (Mogi Mirim, SP)


Guedes x Marinho
É muito importante que Paulo Guedes tenha rebatido à altura as críticas de Rogério Marinho (“Marinho critica Guedes, que chama colega de despreparado e fura-teto”, Mercado, 3/10). Espera-se agora que o presidente Bolsonaro tenha lucidez para não embarcar nas aventuras populistas tão defendidas pelo ministro do Desenvolvimento Regional. Projetos de programas assistenciais e de estímulo à economia são importantíssimos, mas com respeito às regras de controle do orçamento.
João Paulo Zizas (São Bernardo do Campo, SP)


Trump e a Covid
E, se havia dúvida quanto à ineficácia da hidroxicloroquina para tratar da Covid-19, ela se evidencia com a internação de Trump. A droga não será usada no presidente, ainda que ele a merecesse por ter propagado desinformação, baseado em achismos e na própria estupidez. Trump está tomando remdesivir, pesquisa desenvolvida por brasileiro (“Casa Branca informa que Trump está bem, sem suporte de oxigênio e em terapia com remdesivir”, Mundo).
Mérope Bernacchi (São Paulo, SP)

O presidente dos EUA, Donald Trump, 74, na Casa Branca, caminha até o helicóptero que o transferiu para o hospital militar
O presidente dos EUA, Donald Trump, 74, na Casa Branca, caminha até o helicóptero que o transferiu para o hospital militar - Saul Loeb - 2.out.20/AFP

*

Se Trump morrer de Covid, que não é meu desejo, certamente vai morrer menos gente de Covid no mundo.
Luiz Dalpian (Santo André, SP)


Síndrome respiratória
Eu me solidarizo com as famílias das 375 crianças afetadas e as famílias que perderam parentes para Covid-19 (“País já soma 375 casos de síndrome inflamatória pediátrica que pode estar ligada à Covid”, Saúde, 3/10). São 45 milhões de alunos no país. Precisamos atentar para as próximas pandemias que teremos: da evasão escolar, dos transtornos de ansiedade e síndromes do pânico que crianças e adolescentes estão desenvolvendo, da violência doméstica em níveis altíssimos, da fome de quem depende de merenda para comer, do vício em eletrônicos.
Luciana L. Silva (Poços de Caldas, MG)

Miguel, de um ano e oito meses, com sua mãe, Caroline Cunha, e seu pai, Adriano Jorge de Oliveira, é uma das crianças que tiveram Sim-P no país
Miguel, de um ano e oito meses, com sua mãe, Caroline Cunha, e seu pai, Adriano Jorge de Oliveira, é uma das crianças que tiveram Sim-P no país - Bruno Santos - 21.ago.20/Folhapress

Fusão Ambiente e Agricultura
Sempre pode piorar (“Com aumento de queimadas, Bolsonaro é pressionado a fundir Meio Ambiente e Agricultura”, Ambiente, 4/10). E o vice já mostrou que não sabe o que fazer para cuidar da Amazônia. Impressionante!
Antonio Almeida (Linhares, ES)

*

Fundir os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente é ótima ideia, que a maioria dos países desenvolvidos adota e, portanto, funciona.
Gabriel Saraiva (Curitiba, PR)


Morte em supermercado
Immanuel Kant dizia: A experiência sem teoria é cega, mas a teoria sem experiência é um mero jogo intelectual. Essa tragédia pode ser explicada pela ação de gente com experiência, mas sem teoria, ou de gente com teoria, mas sem experiência (“Prateleiras desabam em mercado e deixam um morto e feridos em São Luís”, Cotidiano, 3/10). Em ambos os casos a explicação é a falta de competência. Nem em países com terremotos alguém perdeu a vida num supermercado onde prateleiras desabaram. Tem gente que acredita que o maior problema do Brasil é a corrupção; não é, é a incompetência.
Cloves Oliveira (Valinhos, SP)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.