Leitores comentam frase de Bolsonaro sobre vacinação

Leitor contesta Russomanno por vincular violência à falta de religião

Vacinação
"Não será obrigatória esta vacina e ponto final, afirma Bolsonaro sobre Coronavac" (Saúde, 19/10). Realmente ninguém é obrigado a tomar vacina, mas o governo, esse sim, tem que fazer campanha de conscientização sobre a imunização por meio das vacinas, caso contrario deve ser responsabilizado pelas mortes que decorrerão daqueles que não se imunizarem.
Marcos Antonio (São Paulo, SP)


O ministro da Saúde é ele mesmo, porque tem no ministério um lambe-botas de fachada que só assina. Vivemos realmente sob uma ditadura pessoal de um incompetente desequilibrado.
Renato Botelho (Niterói, RJ)

*

Os que têm 50 anos de idade e têm as pernas funcionais devem lembrar das campanhas de vacinação das décadas de 70 e 80. Ao defender a não obrigatoriedade, é como se estivesse dando um grande "exploda-se" a todos os que perderam amigos, parentes e a vida. Mas parece que está na moda ser estúpido!
Emilio Souza Lima (São Paulo, SP)

A saúde, para esse cidadão, é uma questão meramente ideológica; e a sua ideologia é medieval. Mas tem quem goste. Pobre país...
José Padilha Siqueira Neto (São Paulo, SP)

*

Como assim, se ele mesmo sancionou, em 6 de fevereiro deste ano, a lei 13.979, que prevê no seu artigo 3º que "para enfrentamento de emergência de saúde pública de importância internacional [...] as autoridades poderão adotar" medidas excepcionais.
Antonio José Almeida Silva (Olinda, PE)

*

Acorda, Congresso! O que esse Rodrigo Maia está fazendo na Câmara? A que ponto nós chegamos! Um obtuso desse conspirando dia e noite contra a nação. Estão com medo do que para pôr na mesa as dezenas de pedidos de impeachment?
Marcelo Silva (São Paulo, SP)


Crime e religião
Celso Russomanno não conhece o país onde vive. Ao vincular o cometimento de crimes à ausência de religião esquece que a imensa maioria da população carcerária é religiosa ("Assumi o risco da rejeição a Bolsonaro e não temo fritura" Poder, 18/10). Ou seja, é muito mais fácil ser assaltado por um cristão do que por um ateu, por exemplo. Somos da turma de Einstein, Carl Sagan, Drauzio Varella. Russomanno é da turma do centrão, que está cheio de gente que "tem deus no coração".
Thales Bouchaton, advogado da Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (São Paulo, SP)


STF
A Folha noticiou que não só a dissertação de mestrado mas também a tese de doutorado de Kassio Nunes, indicado ao STF, contém extensos trechos copiados de um advogado seu conterrâneo. Não é possível que um plagiário seja eleito para compor o mais alto tribunal do país. A coluna Painel desta segunda (19) informa ainda que o PT está fechado para votar no doutor Kassio. É uma afronta à nação!
Erasmo Valladão, professor associado da Faculdade de Direito da USP (São Paulo, SP)


Huck
Estou com a leitora Flavia Aidar (Painel do Leitor, Opinião, 19/10). A quem interessa conhecer a opinião do apresentador de TV Luciano Huck? A Folha está querendo colocar um Trump em nossa Presidência? Não seria mais prudente omitir-se por enquanto? Chega de presidentes sem competências mínimas. Necessitamos crescer com muita tecnologia, e não nos baseando em exportações de produtos in natura.
Cezar José Sant' Anna (Piratininga, SP)

Eleições

Candidato que concorreu a deputado estadual - Reprodução

A mim parece um desserviço para a democracia produzir uma reportagem dando destaque a propagandas e candidatos bizarros ("De Capitã Cloroquina a Paulo Bosta, nome bizarro dá estrelato na política", Poder, 19/10). Quero acreditar que existam muitos candidatos qualificados e bem preparados concorrendo nesta eleição que não estão recebendo a atenção devida justamente porque dão ao processo eleitoral a seriedade que este merece.
Renato Gentile Rocha (São Paulo, SP)


Azerbaijão
Parabenizo a Folha por dar ao Azerbaijão a possibilidade de se manifestar sobre o conflito em Nagorno-Karabakh ("Será a guerra a única opção?", Tendências / Debates, 19/10). Os direitos humanos do povo que habita a região —armênios ou azerbaijanos— devem ser respeitados, e as instituições globais devem proteger a sociedade civil em meio ao conflito. Mas isso não significa que desrespeitar o direito internacional seja uma via aceitável. Sem o respeito a ele, só nós restarão as trevas e o caos."
Rodrigo Bruno Nahas (São Paulo, SP)

Retrocessos
O Brasil está colecionando retrocessos. É no meio ambiente, na cultura, na educação, na informação, no "plano" (?) econômico... E agora também na tecnologia. Se éramos uma democracia em construção, estamos conseguindo danificar o alicerce. As estruturas vão ruir, e os andares de baixo sofrerão o peso da queda ("Presidente da Huawei diz que banimento fará brasileiro pagar mais caro por 5G", Mercado, 19/10).
Arlindo Carneiro Neto (São Paulo, SP)

*

Politizar tecnologia é uma idiotice. Só quem tem tecnologia 5G pronta para instalação e operação são os chineses. Quem contratar agora, no meio dessa guerra comercial, vai pagar mais barato. Os americanos estão jogando duro no meio político porque ficaram para trás no aspecto tecnológico. E o Brasil está jogando fora uma excelente oportunidade com a Huawei, apenas para demonstrar lealdade aos Estados Unidos, que não pensam duas vezes antes de passar a perna na gente.
Luciano Santiago (Niterói, RJ)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.