É um governo que vai dar certo?, questiona leitor sobre EUA

Leitores comentam apuração das eleições americanas

Eleições americanas

Democracia significa soberania da vontade do povo. Mas o que fazer quando essa vontade é excessivamente polarizada —e a vontade de uma metade do povo não é a mesma da outra? É o que teremos nos EUA com uma vitória dos democratas e ferrenha oposição dos republicanos. Esse é um governo que vai dar certo? (“O que deu errado?”, Opinião, 6/11).

Tersio Gorrasi (São Paulo, SP)

*

“Biden se diz confiante em vitória após abrir vantagem na Pensilvânia” (Mundo, 7/11). Vida de bolsominion deve estar bem difícil. Quantos que vocês idolatravam ficaram pelo meio do caminho?

Cristiano Jesus (Americana, SP)

*

Bolsonaro poderia até querer se jogar nos braços de Joe Biden, mas este com certeza não vai aceitar. Biden sabe que iria pegar mal com seu eleitor ter uma relação cordial com um ditadorzinho de país de terceiro mundo.

Nicole Abud (São Paulo, SP)

*

As fotos da capa de sábado (Primeira Página, 7/11) representam bem as eleições americanas. Enquanto apoiadores de Biden usam máscaras, os de Trump estão sem. Esse é o resultado da postura negacionista de Trump na pandemia e do desprezo pelas medidas de segurança sanitária. Assim, eu poderia supor que parte do potencial eleitorado do republicano fez parte do contingente de mortos pela Covid nos EUA. Tivesse Trump outra postura, talvez eles estivessem vivos, e o resultado da eleição pudesse ser outro.

Paulo Atsushi Sakanaka (Paulínia, SP)

Amapá

Apagão provoca desabastecimento e leva capital do Amapá à calamidade” (Cotidiano, 7/11). É a consequência imediata de ter um mentecapto na Presidência. Bolsonaro só consegue pensar em Trump. Amapá votou em peso em Bolsonaro. Alcolumbre o sustenta. Arminha com as mãos não trazem eletricidade e água.

Francisco Barbosa (Guarapuava, PR)

*

E aí, senhor Bolsonaro e ministros? Estado com fronteira estrangeira. Cadê o jeitão do capitão? Estamos bem ferrados com esse sujeito e seus seguidores.

Cláudio Freitas da Costa (Bauru, SP)

*

O presidente está muito preocupado é com a eleição do seu amigo gringo. Quando se trata de pessoas ou cidadãos que não são os seus filhos eles não está nem aí...

Camilo de Mello (São Paulo, SP)

*

A manchete principal dos jornais desta república das bananas deveria ser o caos do Amapá, e não a eleição americana.

José Antônio Silva Mendes (Vitória, ES)


Sistema eleitoral

Bolsonaro diz que vai buscar ‘sistema eleitoral confiável’ para eleição de 2022” (Poder, 6/11). O sistema eleitoral só é “confiavel” quando a vitória é sua, capitão? Quando Trump foi eleito, ele também não tinha restrições ao sistema eleitoral. Agora, quando a vaca foi para o brejo, o parceiro do capitão está vendo fraudes até na sua sombra...

Odilon Octavio Santos (São Paulo, SP)

*

Este sujeito abjeto vai fazer a mesma coisa que Trump. Ele já tinha contestado a urna eletrônica antes de vencer. E, noutro momento, chegou a dizer que ganharia em primeiro turno. Nunca apresentou provas. Bolsonaro só tem a oferecer ao povo brasileiro mentiras, ataques e destruição. Ele não vai querer perder daqui a dois anos. Para esses líderes autoritários a eleição só vale quando eles ganham.

Wallas Jefferson (Curitiba, PR)


Jair Bolsonaro

A postura do presidente é de defender os interesses do Brasil e dos brasileiros, respeitando todos. Um ano e 11 meses sem corrupção, sem partido ou marqueteiro liderando, por exemplo. Parabéns a todos do atual governo Bolsonaro. Vergonha do passado. (“Críticas a modelo hidrelétrico são infundadas, diz Bolsonaro no Paraná”, Mercado, 7/11)

Filipe André Valencio Alves dos Santos (São Paulo, SP)


Celso Russomanno e racismo

Russomanno se vê no 2º turno e nega racismo citando ‘mãe de leite negra’” (Poder, 7/11). “Mãe de leite negra”! Mais do que nunca soa racista. A elite brasileira atual é fruto da elite escravagista que enriqueceu com sangue e suor dos povos raptados do continente africano. Alguns conceitos se conectam e se perpetuam no tempo: elite, direita e racismo.

Vilarino Escobar da Costa (Viamão, RS)

*

Entidade do movimento negro vê fala racista e presta queixa” (Poder, 7/11). Que político inábil é Celso Russomanno. O fato de suas candidaturas sempre derreterem não é surpreendente. Acho que se ele ficasse calado as intenções de voto cairiam menos.

Felipe José (Cabreúva, SP)

*

Que bom, cada vez que o “Russonaro” abre a boca, cai cinco pontos nas pesquisas de intenção de votos.

Luiz Almeida (São Paulo, SP)

Mariana Ferrer

Força, Mariana Ferrer!” (Opinião, 7/11). Esta moça é muito corajosa mesmo de enfrentar sozinha um tribunal formado exclusivamente por homens. Ela ali era a vítima inúmeras vezes. Que toda essa injustiça e violência sejam reparadas e o acusado de estupro pague por seus atos.

Érica Luciana de Souza Silva (Juiz de Fora, MG)

*

O pior é ver pessoas usando o juridiquês lesa-bobo para tentar justificar o indefensável, a violência contra a mulher, o arbítrio e a discriminação — sob chancela do Estado, que deveria, em tese, proteger os direitos dos cidadãos. O caso atingiu na mídia o tamanho da indignação que provoca, e com toda a razão. Força, Mariana!

Jose Walter Mota Matos (Pouso Alegre, MG)

*

“Curtida em rede social é vazia, diz jogador que protestou contra caso Mariana Ferrer” (Esporte, 6/11). Nasce um humanista no futebol, essa terra machista em que proliferam fantoches alienados.

Cristiano Kock Vitta (Limeira, SP)

*

As mulheres precisam do apoio de homens como você, Hyuri. Agradecemos.

Maria Torres (São Paulo, SP)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.