Leitores comentam eleições municipais

Coluna da ombudsman é tema de comentários

Eleições
Lula é um dos fundadores, presidente de honra e incontestável chefe do Partido dos Trabalhadores, posição de onde se mantém atuante na política. Não é crível que não tenha tido controle absoluto sobre a candidatura do seu partido no maior colégio eleitoral do país. Falar agora que não interferiu na não desistência de Tatto em favor de Boulos mais parece uma tentativa de se eximir de responsabilidade sobre a derrota humilhante de seu candidato ("'Decisão de Tatto foi soberana', diz Lula sobre ele não abrir mão de candidatura para Boulos", Poder, 15/11).
Luís Roberto Nunes Ferreira (Santos, SP)

*

"Boca de urna aponta 2º turno entre Covas e Boulos em São Paulo, diz Ibope" (Poder, 15/11). A elite paulista e a mídia estão tomando muito antiácido para digerir um candidato de esquerda esquerda no segundo turno. Agora imagina só se ele leva a disputa.
Rubens Gonçalves (São Paulo, SP)

Votei em Bolsonaro para tirar o PT do poder. Mas o tosco pensou que estava com a bola toda e, com medo de ser apeado do cargo, botou os militares para ser garantir. E essa família arrogante e negacionista, que compra imóveis às custas de funcionários nomeados (rachadinhas) e desce ao nível mais baixo, ainda coloca Deus nos seus pronunciamentos. Tropeço eleitoral para ele é pouco. Nada como um dia após o outro ("Bolsonaro só fez o candidato dele afundar, diz Bruno Covas", Painel, 15/11).
Maurílio Massame Watanabe (São Paulo, SP)

*

Penso que já é mais do que esperado, o pior presidente do Brasil de todos os tempo, não soma a mínima condição de ser cabo eleitoral de ninguém. Bolsonaro foi um erro de percurso a ser jogado no lixo da história.
Rubens Moreira da Costa Júnior (São Paulo, SP)

*

"Com Tatto, PT caminha para o pior desempenho de sua história em eleições para prefeito de SP" (Poder, 15/11). Reconheço que a escolha de Jilmar Tatto para concorrer à Prefeitura de São Paulo foi equivocada, pois havia nomes mais palatáveis ao eleitor e com mais história na militância do partido. Foi um erro inaceitável, que vai custar caro para o PT. Esperemos a contagem dos votos para ver o tamanho do estrago.
Maria Irene de Freitas (Rio de Janeiro, RJ)


Mudança
Concordo com o que escreveu Antonio Prata ("O vento está mudando?", Cotidiano, 15/11): o vento está mudando, sim, e não só para a nossa espécie. A derrota de Trump é o primeiro carinho que a realidade faz a nós, aos demais animais e às plantas. Imagine que louco criar filhos num mundo com natureza exuberante e rios e mares limpos! Joe Biden vai repor os EUA no Acordo de Paris e salvar (se preciso com boicote econômico) a Amazônia. A pólvora de Bolsonaro está molhada!
Ricardo Osman Gomes Aguiar (São Paulo, SP)

Ilustração de menina negra sorrindo e vestindo uma camiseta com listras coloridas. Há uma textura em vermelho aplicada sob a ilustração
Ilustração de Adams Carvalho para a coluna de Antonio Prata - Adams Carvalho/Folhapress


Ombudsman
Agradeço à ombudsman pela coluna deste domingo ("As direitas se movem", Poder, 15/11) . Obrigado, como assinante de décadas da Folha. Transparência e posicionamento claros são estratégicos para a grande mídia nacional contribuir para formar uma sociedade e um país melhores. Nestas eleições, o papel de vocês tem sido fundamental.
Caio Magri (São Paulo, SP)

*

Como sempre, aplaudo a ombudsman da Folha, que tem nome e sobrenome: Flavia Lima! Ela, sim, luta pela imparcialidade política com competência e bom senso nas suas análises e ponderações. Aos editores da Folha basta terem a clareza e honestidade intelectual que ela demonstra. Se vamos assinar ou não um jornal de direita é problema nosso.
Flávia Aidar (São Paulo, SP)

*

Fiquei com a impressão de que, pela régua ideológica da ombudsman da Folha, o PSOL seria centro esquerda, o PT seria centro, o PSDB direita e o Bolsonaro extrema direita. Só alguém muito de esquerda para aceitar essa métrica.
Rodrigo Sampaio Avelar (Belo Horizonte, MG)


Folha, 100; Maria, 30
Chegar aos 100 anos não é para qualquer um, mas a Folha está quase lá. Também em 2021, completarei 30 anos como assinante deste periódico e como professora de língua portuguesa, sempre tendo os textos da Folha como inspiração para minhas aulas. Assim, para essa dupla comemoração, começo hoje mais um projeto de aprendizagem ativa com meus alunos do ensino médio. "Folha: 100pre em minhas aulas" está no ar!
Maria de Lourdes Mancilha Nunes Matos (Itajubá, MG)


Nem todos
Estarrecido, li na Folha de 14/11 o artigo "Canalhas, canalhas, canalhas! (Opinião), de Cristina Serra, no qual ela afirma que todo aquele que contribuiu para a eleição do Bolsonaro merece o epíteto do título. Como o maior responsável, sem dúvida nenhuma, foi o eleitor que votou nele, entre os quais me incluo, junto com os 57 milhões de brasileiros, venho externar a minha indignação e repúdio ao teor do artigo. Afinal, nem todos nós somos canalhas.
Américo Utumi (São Paulo, SP)

*

As colunas de Cristina Serra são sempre um primor. E essa de 14/11 foi de arrasar! Até quando teremos de suportar esse presidente, desqualificado sob todos os aspectos?
Oney Oliveira Leite (Ribeirão Preto, SP)


Bolsonaro
Sou brasileiro, tenho 58 anos, pago meus impostos aqui e entendo que tenho meus direitos. Fico indignado quando me dizem que devo me mudar para Cuba ou para a Venezuela se não estou satisfeito com a obra de governantes insanos. É por causa de pessoas assim que tenho que ouvir um presidente da República insano como esse bradar diariamente aos quatro ventos tantas asneiras. Se em 2022 essas pessoas não o reelegerem, irão se mudar para onde?
Gil Manoel (São Carlos, SP)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.