Leitores comentam nova pesquisa Datafolha

Falas de Bolsonaro continuam sendo alvo de críticas

Bolsonaro
Comemorar uma morte, atrasar a vacinação, isolar-se do mundo, ameaçar os EUA com pólvora, mentir descaradamente, contribuir para aumentar a pandemia, ameaçar um golpe de Estado, fazer terrorismo, ser expulso do Exército, acabar com o Ministério da Cultura —e o da Educação e o do Meio Ambiente—, aliar-se a milícia condecorando seus membros, defender o torturador Ustra, publicar fake news, aparelhar o Estado para proteger os crimes dos filhos etc. etc. Isso não basta para impeachment? É preciso pedalar? O que está acontecendo conosco, os brasileiros?
Rui Versiani (São Paulo, SP)


No caótico cenário político, muitas vezes me sinto uma má pessoa por querer expressar com palavras fortes —para não dizer de baixo calão— minha opinião sobre o comportamento de Bolsonaro. Desse modo, vi-me representado pelas palavras de Mariliz Pereira Jorge (“Cala a boca, Bolsonaro”, Opinião, 12/11). A jornalista traduz muito bem o sentimento daqueles que ainda mantêm o bom senso mesmo diante da realidade distópica em que vivemos. Em suma, é isto: cale a boca, Bolsonaro.
João Guilherme Torres (São Paulo, SP)

*

Parabéns a Mariliz Pereira Jorge pela coluna de 12/11. Tenho os mesmos sintomas e só me recuperarei quando a democracia for restaurada; ou quando as instituições cumprirem seu papel republicano de fazer valer a Constituição, o que dá no mesmo.
Rosângela L. N. Pires (Florianópolis, SC)

*

Pela coleção de asneiras proferidas por Bolsonaro, até o mais leigo identifica desvios sérios de personalidade. Percebe-se em suas manifestações ausência total de raciocínio lógico, o que o leva a proferir palavrões e afirmações inconsequentes. E o pior é que seus seguidores radicais o aplaudem, o que incentiva o destempero. Bolsonaro diz aquilo que seus seguidores gostariam de dizer.
José Carlos de Oliveira Robaldo (Campo Grande, MS)

*

Concordo plenamente com os leitores que já escreveram a esta Folha sobre a necessidade não apenas de uma campanha para a abertura de um processo de impeachment contra Bolsonaro mas também da publicação de um editorial contundente defendendo essa posição. É a postura que esperamos de um jornal como a Folha, profundamente comprometido com a defesa da democracia.
Domingos Sávio de Campos Rosa (Ibiúna, SP)

Maricas
Um país de maricas” (Hélio Schwartsman, Opinião, 12/11). Não se trata de covardia. No Brasil, para um presidente cair, é preciso contrariar os interesses de quem é dono do país há 520 anos: banqueiros, latifundiários, grandes comerciantes e industriais. Não nos iludamos, são eles que elegem e derrubam presidentes. Somos só marionetes.
Francisco Xavier de Azaredo Neto (Rio Grande, RS)

*

Nesta Folha só há esquerdistas, meu Deus! Hélio pode chorar mais. Em 2022 terá um infarto ao saber da reeleição do mito. Os que aqui reclamam do Bolsonaro que vão para Cuba!
Eduardo Britos de Almeida (Ribeirão Pires, SP)

Datafolha
Datafolha em São Paulo: Covas sobe a 32%, Boulos marca 16%, e Russomanno mantém curva descendente, agora com 14%” (Poder, 12/11). Com essa eleição o PT confirma que sofre de LER, Lesão por Esforço Remansoso. Isso tanto em São Paulo como no Rio de Janeiro. Mania de hegemonia.
Antonio Benedito Alves da Silva (Catanduva, SP)


Lula lá livre nocauteou o PT!
Celso Bittencourt (São Paulo, SP)

*

Esqueçam o Bruno Covas. Para quem tem a infeliz intenção de votar no PSDB, vote no vice dele. A praxe nesse partido —além de propinas, é claro— é o eleito abandonar a prefeitura para concorrer ao governo do estado e abandonar o estado para concorrer à Presidência. É assim que o PSDB faz.
Eric Demi (São Paulo, SP)

*

Bolsonaro é tão ruim, mas tão ruim, que acaba fazendo eu torcer para o PSDB (e ainda ligado ao Bolsodoria) só para a cidade de São Paulo se livrar do Bolsonarinho de programa de TV.
Daniel Liaz (Curitiba, PR)


Vacina
Quero registrar a importância do artigo de Jairo de Marques (“Não tome a vacina”, 10/11), por que se transformará em uma importante ferramenta de consciencialização sobre a necessidade da vacinação em massa da população. Parabéns à Folha por ter um jornalista que teve a coragem de mostrar para os leitores desse jornal as consequências de não ter recebido uma das doses da vacina contra a poliomielite
Ana Maria Prande Pereira, professora (Garça, SP)


Ibirapuera
O que o Condephaat está esperando para tombar o Conjunto Desportivo Constâncio Vaz Guimarães (“Tristeza e indignação”, Tendências / Debates, 11/11)? Ver o alcaide de plantão demoli-lo para construir um centro comercial? Se não for o Condephaat, quem mais poderá fazer isso? Como um governador pode menosprezar um patrimônio público daquele e se lixar para sua função social, enxergando ali apenas uma boa oportunidade de auferir lucro? Um verdadeiro absurdo! Não é por acaso que o chamam de João Dólar.
Gilberto Assad (São Paulo, SP)


Grandes fortunas
Em “Uma proposta para Luiza Helena Trajano” (Tendências / Debates, 12/11), Oded Grajew sugere uma fórmula para tentar diminuir a desigualdade no país —e que na minha opinião talvez seja a única saída para iniciarmos um verdadeiro processo de desenvolvimento para o Brasil.
José Dieguez (São Carlos, SP)

Carta de Lula
Louvável a publicação do artigo de Lula (“Carta à ciência e ao povo brasileiro”, Saúde, 12/11). Um texto lúcido, relevante e que deveria ser lido por todos, mesmo os que têm ojeriza ao ex-presidente. As falhas éticas do autor não apagam o fato de que seu governo apoiou e dedicou muito mais recursos à educação e à ciência do que o atual governo.
Luiz Daniel de Campos (São Paulo, SP)

Editorial
Em relação ao editorial “Proteger o ciclista” (Opinião, 12/11), esta gestão informa que colocou pedestres e ciclistas no centro das políticas de mobilidade. Não há “política errática”, mas a execução do Plano Cicloviário, com 173 km de conexões e 310 km de requalificações. Criamos o Plano de Segurança Viária e, em julho, a cidade teve o menor índice histórico de mortes no trânsito: 6,07 por 100 mil habitantes. No país é de 14 mortes.
Elisabete França, secretária Municipal de Mobilidade e Transportes (São Paulo, SP)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.