Tribunal do júri julga por convicções e não por provas, diz leitor

Decisão do STF pode abrir brecha para absolvições com base na tese de legítima defesa da honra

Justiça e Tribunal do Júri

O Tribunal do Júri julga por convicções e não por provas. Ou se acaba com o Tribunal do Júri ou se respeitam as suas decisões (“Decisão do STF pode abrir brecha para ‘defesa da honra’”, Cotidiano, 25/12).

Jose Campos (São Paulo, SP)

*

Acabar com o Tribunal do Júri e dar todo poder ao juiz seria viável em um país cujo sistema jurídico fosse formado em sua maioria por seres descentes e realmente imparciais, mas não é o que temos visto ultimamente de nossos togados.

Antonio Carlos dos Reis (São Paulo, SP)

*

Em um feriado em que uma juíza e várias outras mulheres foram assassinadas —em "legítima defesa da honra"— era só o que faltava. Aqui, como de resto, o juridiquês deveria ser deixado de lado, e priorizado o bom senso. Estamos fartas, Brasil!

Nana Hyppolite (Macaé, RJ)

Nova estatal

Mais um agrado aos patriotas do pau oco! Pobre Brasil (“Bolsonaro cria a NAV Brasil, primeira estatal criada de seu governo”, Mercado, 25/12).

Antônio Carlos de Paula (Mogi Mirim, SP)

*

É mais um mecanismo para dar emprego para os amiguinhos que se aposentam (muito) cedo e precisam arrumar algo para fazer. Resumindo, as Forças Armadas adoram trabalhar como civis.

Ricardo Ferreira (São José dos Campos, SP)


Covas e o aumento salarial

Os que elegeram Bruno Covas para a Prefeitura de São Paulo já podem comemorar dois “benefícios” que acabam de ganhar do prefeito: o aumento de 47% no próprio salário dele e o fim da gratuidade do transporte público para idosos entre 60 e 64 anos (“Covas sanciona reajuste de 47% de seu próprio salário”, Cotidiano, 25/12). Vale lembrar que este último benefício foi em parceria com seu padrinho político, João Doria, que ele, aliás, escondeu durante a campanha.

Paulo R. Oliveira (São Paulo, SP)


Fundeb

Uma boa notícia neste governo que jogou o Brasil no abismo (“Bolsonaro sanciona lei que regulamenta repasses do Fundeb a partir de 2021”, Cotidiano, 25/12). O dinheiro público deve ser apenas para as escolas públicas.

Neli de Faria (São Paulo, SP)


Marin na Bahia

Estava com a saúde deteriorada e agora encara um pratão de lagosta e camarão (“José Maria Marin passa Natal em resort de luxo na Bahia”, Mônica Bergamo, 25/12). Alegaram perigo de vida pelo coronavírus nos EUA, e a juíza ficou com peninha dele, mas veio para o epicentro sul-americano da Covid-19 refestelar-se num caríssimo resort baiano. E continuam com peninha dele. Ah, coitado.

José Augusto Pereira de Souza (Rio de Janeiro, RJ)


Brexit

Mais do que vitória pessoal de Boris Johnson, o acordo comercial com a União Europeia foi uma vitória de todo o Reino Unido (“Reino Unido e UE fecham acordo, e brexit chega ao fim depois de 4 anos”, Mundo, 25/12). Apesar da intensa grita em sentido contrário, os britânicos, outra vez, deram inegável demonstração de civilidade ao mundo. As negociações foram conduzidas de modo racional —hoje está claro que debates mais acalorados foram episódicos— e chegaram ao intento de estabelecer boas relações comerciais com o bloco. Mas sem as amarras impostas pela burocracia de Bruxelas.

João Paulo Zizas (São Bernardo do Campo, SP)

Covid e vacina

Confirmados ou não os números sob investigação, os confirmados já demonstram proximidade da assustadora marca fúnebre de 200 mil mortos —isso num perigoso momento coletivo no país que combina negacionismo arrogante, necessidade de sobrevivência e esgotamento psicossocial (“Brasil já pode ter superado 220 mil mortes por Covid-19, mostra levantamento”, Saúde, 25/12). Enquanto não chegar a vacina clínica, usem incessantemente a vacina social, cujos componentes são: o confinamento possível, a higiene pessoal, a máscara protetora e a sanitização ambiental.

Wagner Castro (Rio de Janeiro, RJ)

*

Paulo Guedes tem dito que o Brasil vai assombrar o mundo, e realmente vamos, mas no pior sentido. Enquanto Chile, México e Costa Rica iniciaram suas vacinações, aqui o “capitão cloroquina” e o “recruta zero da Saúde” ainda não sabem nem de onde sairão as seringas e agulhas, quanto mais a vacina. Parabéns aos incompetentes.

Sérgio Gobbato (Porto Alegre, RS)

*

Enquanto outros países da América Latina, como o México, Costa Rica e Chile já começaram nesta semana a vacinar suas populações contra a Covid (“Chile, México e Costa Rica, já vacinam contra Covid-19”, Mundo, 25/11), o Brasil perde tempo precioso, dá um verdadeiro show de incompetência e irresponsabilidade e vai ficando para trás. Isso graças a um pseudoministro da Saúde e um desqualificado e desequilibrado que ocupa a Presidência da República, mais preocupado com a reeleição que com a proteção da saúde dos brasileiros.

Ary Braz Luna (Sumaré, SP)

*

Na realidade, os países ricos terão vacina primeiro, e os demais ficarão com o coronavírus (“Em mensagem de Natal, papa Francisco pede que países compartilhem vacinas”, Mundo, 26/12).

Eduardo Freitas (São Paulo, SP)

Assédio na Alesp

Precisamos fazer nossa parte como eleitores elegendo mais mulheres. Talvez uma presença de maior peso sufoque esse machismo (“Após denúncia de assédio na Alesp, deputado pede troca de homens por mulheres em comissão de ética”, Painel, 25/12).

Eduardo César Diniz Macêdo (Fortaleza, CE)


Caso Backer

Justiça a essas vítimas da Backer (“Me tiraram coisas simples da vida, diz vítima de cerveja contaminada, um ano depois”, Cotidiano, 25/12)!

Denise Maria Osborne (Araxá, MG)


Boas-Festas

A Folha agradece e retribui os votos de boas-festas de Abert - Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV, Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), Associated Press, Chocolat du Jour, Columbia Global Centers, Editora Iluminuras, Editora Noeses, Fundação Bienal de São Paulo e Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.