Descrição de chapéu Facebook

Bolsonaro poderia apelar a Trump contra fechamento da Ford, diz leitor

Para leitor, voto impresso é brinquedinho caro de Bolsonaro

Ford
Quanto ao fechamento das fábricas da Ford no país, sugiro a rápida intervenção do presidente Bolsonaro junto a seu amigo Donald Trump a fim de reverter a decisão (“Ford vai fechar todas as fábricas no Brasil e encerrar produção no país”, Mercado, 11/1).
Rodolpho Odair Sverzutti Cava (Cafelândia, SP)

Voto impresso
A discussão sobre o voto impresso não tem colocado claramente o custo e a complexa logística de armazenamento e manutenção de mais um equipamento. O problema também está na compra de 500 mil impressoras, o mesmo número de bobinas de papel, fora os milhares cartuchos de tinta. É um caro brinquedinho para satisfazer as asneiras de Bolsonaro.
Paulo Sérgio do Carmo (São Paulo, SP)


Vacinação
“O tamanho e a ordem de grandeza de cada país” (Fábio Wajngarten, Tendências / Debates, 11/1). Não, ministro, não se comparam friamente países tão distintos como Brasil e Israel. Israel vacinou até esta segunda (11) 20,93% dos habitantes. Seria o equivalente ao Brasil já ter vacinado 44.312.153 pessoas. Se preferir comparar com os EUA, vamos lá: 2,02% de sua população imunizada, seriam 4.276.662 pessoas no Brasil. O grande problema, ministro, é que o Brasil está muito atrasado, ainda não tem sequer um plano transparente e toma decisões ideológicas para escolher se os brasileiros continuam morrendo ou não.
Gabriel Toueg, jornalista e tradutor (São Paulo, SP)

Israelense recebe a segunda dose da vacina em Haifa - Jack Guez/AFP


Ao ler o artigo de Fábio Wajngarten, constatei que os integrantes do governo Bolsonaro, além dele próprio, acreditam piamente na própria incompetência. Isso é estarrecedor e tenebroso para o país.
Luiz Fernando Schmidt (Goiânia, GO)

*

Os sofismas de Fábio Wajngarten são desmentidos pela sólida argumentação de Ronaldo Lemos (“Não foi só na vacina que o Brasil falhou”, Tec, 11/1). O fato é que o Brasil falhou em tudo o que deveria ter sido feito, incluindo a vacinação, para combater a pandemia. E o principal responsável por esse fracasso é, sem dúvida, o governo federal.
Sérgio Guedes da Fonseca Neto (Araraquara, SP)


Expectativa de vida
A última reforma da Previdência levada a efeito prevê mudanças no tempo de concessão sempre que aumentar a expectativa de vida do brasileiro. Com a Covid-19, a expectativa de vida aqui sofreu um decréscimo de dois anos. E agora? O INSS vai considerar esse fato?
Luiz Carlos Alonso (São Paulo, SP)


Esquerdas
Luiz Felipe Pondé, mais uma vez, foi na veia (“A turba e as elites elegantes”, Ilustrada, 11/1). A esquerda é um cachorro atônito que caiu do caminhão das mudanças promovidas pelas redes sociais, através de novas narrativas e disputas por espaços de poder. Se esse cachorro não sair já do meio do asfalto será impiedosamente atropelado pelo comboio da história. Direitistas ensandecidos marcharão sobre seus restos mortais grudados no piche.
Túllio Marco Soares Carvalho (Belo Horizonte, MG)


ICMS
Simplista o editorial “A grita contra o ICMS” (Opinião, 11/1). Por exemplo, alíquota baixa ou zero para o leite beneficia o produtor ou o consumidor de um alimento essencial, em especial para crianças? Alíquota alta é em supérfluo. Baixa não é privilégio.
Pedro de Camargo Neto (São Paulo, SP)

WhatsApp
A empresa WhatsApp está prestes a mudar a sua política de privacidade, compartilhando nossos dados com o Facebook. Recentemente, o Facebook foi denunciado por vazar ou vender nossos dados para empresas. Como podemos reagir a isso? Será que o especialista Ronaldo Lemos, que escreve na Folha, poderia nos ajudar neste sentido? O que podemos fazer? Dá para brigar com essa gigante da internet? Como?
Jaime Pereira da Silva (São Paulo, SP)


Eletrobrás
A Eletrobrás é uma empresa muito rentável. Nos anos de 2018 e 2019, apresentou lucros líquidos de R$ 13,3 bilhões e R$ 10,3 bilhões, respectivamente. E é graças a ela que não acontecem pelo país apagões como o que se viu recentemente no Amapá. No entanto, o falaz Paulo Guedes insiste em privatizá-la, sem apresentar um único motivo plausível para isso. Como se vê, nem todos os peculatários são petistas.
Joaquim Francisco de Carvalho (São Paulo, SP)


Poesia
A frase “a direção é mais importante que a velocidade” é de minha autoria, não de Clarice Lispector, como erradamente publicado por Ana Cristina Rosa em sua coluna de 7/12. Na própria semana em que Clarice completaria 100 anos, não é justo que se atribua mais uma falsa citação a essa grande escritora.
Edson Marques, poeta (São Paulo, SP)

*

Nota da Redação - Diferentemente do publicado no artigo "Luz sobre a obscuridade", que atribuiu a Clarice Lispector a frase "a direção é mais importante que a velocidade", esta expressão integra o poema "Mude", registrado por Edson Luiz Marques Santos na Biblioteca Nacional em agosto de 2003.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.