Leitores comentam aborto

Vacinação é tema de comentários

Aborto
Muito bem argumentado o texto de Vera Iaconelli desta terça ("Falsa simetria entre embriões e mulheres", Cotidiano, 5/1). Como médico ginecologista, sempre digo que o maior inimigo das mulheres são as próprias mulheres --que são maioria na população-- com sua religiosidade tacanha.
Albino Bonomi (Ribeirão Preto, SP)


Fiquei indignada com o artigo de Catarina Rochamonte de 4/1, principalmente por vir de uma mulher. Precisamos urgentemente da lucidez e coragem de uma mulher como Simone Veil (ex-ministra da Saúde na França), que em 1975 legalizou o aborto, evitando que cerca de 300 mil mulheres procurassem saídas clandestinas e perigosas para interromper a gestação enquanto as de famílias mais abastadas se dirigiam a países vizinhos para fazer o procedimento. Quando essas pessoas com argumentos retrógrados entenderão que se trata de saúde pública?
Beatriz Guerra (São Paulo, SP)

*

Aborto não tem nada a ver com assassinato de inocente; aborto tem a ver com a liberdade da mulher de decidir sobre levar ou não adiante uma gravidez indesejada. Esses arautos da moral deveriam é preocupar-se em dar alimentação, moradia decente e escolas bem estruturadas para os milhões de brasileirinhos jogados no mundo à sua própria sorte.
Maria Augusta Xavier da Silveira (Porto Alegre, RS)

*

Enfim alguém contra o aborto. Parabenizo Catarina Rochamonte pelo seu artigo "Aborto; opção pela morte".
Padre José Felippe Netto (Monte Alto, SP)

Covid
Afirmou o ministro do Turismo que "não podemos deixar milhares de chefes de família em todo o país sem seu ganha-pão" ("O turismo não aguenta mais lockdown", Tendências / Debates, 5/1). Será justo então deixar milhares de famílias sem seu chefe e sem seu pão?
Paulo Rabelo Corrêa (São Paulo, SP)

*

Senhor ministro, assuma primeiro o compromisso maior com a vacinação do povo brasileiro. À vacina, ministro. Primeiro as coisas primeiras!
Roberto Hanania (São Paulo, SP)

A Europa contabiliza 28% dos casos de Covid-19 no mundo, e a Ásia, 24%. Brasil e EUA juntos totalizam quase 34%. Os americanos já começaram a ser vacinados, assim como os europeus. Os pobres brasileiros não fazem a menor ideia de quando terão vacina, agulha, seringa e logística para a imunização. As nossas autoridades só fazem puxar a brasa para as suas sardinhas, interessadas apenas nas eleições de 2022
José Carlos Saraiva da Costa (Belo Horizonte, MG)

Albinos na Bahia
Achei muito interessante a reportagem sobre os albinos na Ilha da Maré ("Albinos da Ilha da Maré, na Bahia, lutam por atenção à saúde", Cotidiano, 5/1). Eu, mesmo sendo dermatologista, desconhecia isso. Penso que teria sido interessante falar um pouco mais sobre albinismo para o leitor: suas causas, padrão de herança, prevalência etc.
Maria Carolina Romero (Atibaia, SP)

Despedida de Pablo Ortellado
Eu é que agradeço a Pablo Ortellado por ajudar-me a refletir sobre os temas políticos e sociais ("Despedida", Opinião, 5/1). Embora discordando várias vezes de seu ponto de vista, ler seus textos sempre foi enriquecedor. Sentirei sua ausência. Vai fazer falta.
Henrique de Conti (Brasília, DF)

*

Pablo Ortellado cumpriu com rigor o que disse no texto. Perde-se um contraponto informado e independente. Congratulações, saúde e boa sorte ao autor.
Paulo Roberto Schlichting (Curitiba, Pr)


Pública ou privada
Discordo do argumento bairrista de Joel Pinheiro da Fonseca em "Vacinação privada é uma boa ideia?" (Poder 5/1) ao justificar a compra de vacinas por clínicas privadas. Vai faltar vacina para humanidade em geral. Nós, brasileiros, não temos vacina para todos entre outras inúmeras razões porque alguns países, como o Canadá, já garantiram seis vezes mais vacinas do que o número de cidadãos do país. Nossas elites querem seguir o mesmo caminho, comprando as vacinas que seriam destinadas a países menos afortunados.
Antônio Marcos Coldibelli Francisco, doutor em ginecologia pela Unifesp/EPM (Pouso Alegre, MG)

*

Não podemos nos dar ao luxo de excluir a ampla rede privada para complementar a campanha de vacinação do SUS. Quanto mais fortes estivermos em termos de infraestrutura de vacinação mais rápido conseguiremos vencer esse vírus que mata centenas de brasileiros todos os dias.
Ricardo Joaquim Barbosa (São Paulo, SP)

Santos
Em relação à reportagem "Santos prevê R$ 7 bi em arrendamento e acessos" (Mercado, 5/1), os planos do Governo Federal para o porto de Santos são objeto de debate e de oposição da população. Os moradores vizinhos aos terminais serão afetados pela manipulação de fertilizantes e substâncias químicas. Cabe lembrar que o novo Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ) está sob avaliação judicial no TCU e na Justiça Federal. Esperamos que a Folha aprofunde o tema e ouça a sociedade civil que se opõe ao PDZ e não somente os empresários que dele se beneficiam.
Sérgio Sérvulo da Cunha, coordenador-geral do Fórum da Cidadania de Santos (Santos, SP)

China
"Justiça chinesa condena ex-banqueiro à morte por corrupção e bigamia" (Mundo, 5/1). Imaginem essa lei aplicada no Brasil. Pouca gente ficaria para contar a história.
Maurílio Polizello Júnior (Ribeirão Preto, SP)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.