Leitores criticam fala de Bolsonaro

Finalmente ele falou uma verdade: não consegue fazer nada "de útil", diz leitor

Brasil quebrado
"Brasil está quebrado e eu não consigo fazer nada, diz Bolsonaro (Poder, 5/1). Pois renuncie! O cargo-função Presidência da República é para pessoas com caráter, com hombridade, com tutano, ou seja, é para os fortes.
Valdeck Nascimento da Silva (Osasco, SP)

*

Finalmente ele falou uma verdade: "eu não consigo fazer nada". Mas faltou complementar: "nada de útil".
Delane José de Souza (Belo Horizonte, MG)

*

Ele pode fazer coisas muito boas, que ajudarão o país a melhorar rapidamente. Ele pode fechar a boca e só abrir para renunciar.
Julimar Rodrigues (Santo André, SP)

*

Nunca fez nada na vida e achou que poderia governar um país complexo. Peça para sair!
Adriana Queiroz (Belo Horizonte, MG)

*

Será que esse infeliz terminará o ano na Presidência? Não faz nada a não ser besteiras. E não vai largar o osso enquanto mantiver o apoio desse lúmpen desinformado. E grande parte desse apoio vem das pessoas ajudadas com a renda emergencial, que ele não daria se não fosse obrigado pelo Congresso.
Luiz César Lazzaron (Porto Alegre, RS)

*

Se não for escorraçado antes do fim do mandato, por crime de responsabilidade ou com a cassação da chapa com Mourão, terá mais 104 semanas. À base de duas tolices por semana, teremos de suportar ainda 208 pérolas da mais rude e abjeta ignorância.
Adonay Anthony Evans (Marília, SP)


Vacina pública e privada
"É uma imoralidade que pessoas com dinheiro tenham acesso à vacina antes, diz sanitarista" (Saúde, 6/1). Comecei lendo a reportagem sem opinião formada e acabei concordando com o sanitarista. Parceria como ele descreve será boa para todos. Do contrário, é a barbárie.
Vera Maria C. Dias (Porto Alegre, RS)

*

Peço a Deus que eu esteja errado, mas, se não houver uma reação por parte daqueles que ainda se preocupam com a coletividade, será um genocídio nas classes mais pobres. Ficou bem claro que há um esquema montado para beneficiar os privilegiados. A OAB não vai se pronunciar?
Waldecy F. Santos (Rio de Janeiro, RJ)

*

Tivéssemos um governo que funcionasse adequadamente, o debate sobre a moralidade ou não da iniciativa privada participar da imunização nem existiria. Teríamos a militarização funcional do Ministério da Saúde e uma política de imunização em massa, com planejamento e previsibilidade. Assistimos paralisados a mais uma destruição de política pública proporcionada por essa administração.
Jandir Santos Silva (Florianópolis, SC)


Fernando Haddad
"Despedida" (Fernando Haddad, Opinião, 9/1). Fará uma falta imensa. Mas acho honrada e importante sua atitude. Ainda o verei como presidente, num sistema democrático de caráter burguês. Fora dessa nojeira capitalista não temos ninguém. Haddad é nosso melhor nome.
Marlon Vieira Passos (Salvador, BA)

*

Já foi tarde. Haddad sendo Haddad e sendo PT . Isso demonstra seu sectarismo e idolatria por Lula. Infelizmente, o PT, que tinha uma postura de esperança, terminou nisso. Vários sectários com um plenipotenciário dono de seus corações e mentes. Como ex-eleitor do PT, me desiludi totalmente. A Folha tem seus problemas, mas em seus quadros não deve dar acolhida para sectários. Democracia sempre.
Aljamir D. Chedid (Porto Alegre, RS)


Invasão ao Capitólio
"Insuflada por Trump, multidão invade Congresso e paralisa ratificação de Biden" (Mundo, 6/1). O slogan de campanha de Trump era fazer a América grande novamente. Deixou-a pequena como nunca. "Parabéns" aos envolvidos.
Pedro Farias Braga (Rio de Janeiro, RJ)

*

Há cerca de quatro anos, um analista russo previu que os Estados Unidos iriam acabar se fragmentando em diversas repúblicas. Pelo que temos visto, acho que isso é bem possível de acontecer.
Gildásio Fernandes Dantas (Rio de Janeiro, RJ)

*

Foi uma clara tentativa de golpe, ou alguém tem alguma dúvida? Donald Trump é o mentor ocidental da antidemocracia, que combina extremismo, ultradireita e loucura. O ogro capitão que ocupa o Planalto seguirá na mesma linha.
Adilson Roberto Gonçalves (Campinas, SP)

*

Vale lembrar que o Congresso dos EUA não levou adiante o processo de impeachment de Trump, o que teria evitado esse ataque à democracia. Há até vítima de arma de fogo. Que sirva de não exemplo às instituições brasileiras, que teimam em fazer ouvidos moucos aos diversos atentados contra a Constituição feitos por aquele que ocupa a Presidência do país. Urge o impeachment!
Julio Shiogi Honjo (Arapongas, PR)

*

Basta um idiota para destruir um país inteiro. Sabemos muito bem disso.
Eduardo Boghossian (Brasília, DF)

Caso alguém ainda tinha dúvida sobre o privilégio branco, acho que não tem mais. Invadir o Congresso americano com essa facilidade e tendo a passividade da polícia, só sendo branco.
Luiz Cláudio Teixeira Souza (Rio de Janeiro, RJ)

*

Se os manifestantes tivessem a pele escura, teriam sido abatidos; e os sobreviventes, presos e julgados. Que eu saiba, ninguém foi preso. Foram retirados do local e retornaram às suas casas.
Marina Gutierrez (Sertãozinho, SP)

*

Contra golpes covardes como esse de Trump, precisamos nos antecipar e nos precaver, afinal, a cepa aqui é a mesma, de baixíssima qualidade.
Vera Queiroz (Rio de Janeiro, RJ)


Escola cívico-militar
"Gestão Doria adere a programa de escolas cívico-militares de Bolsonaro", Educação, 8/1). Será um retrocesso o governo paulista aderir ao programa federal de escolas cívico-militares. Qualquer coisa que aluda a guerra é triste demais, um chute nas costas dos grandes pedagogos. Essas escolas são referência ao lutar e guerrear; queremos paz!
Marcos Fernandes de Carvalho (São Paulo, SP)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.