Para leitora, filhos de Bolsonaro cometeram roubo

Mortalidade da Covid, entrevista de Modesto Carvalhosa e ligação de Lula com evangélicos são temas de comentários

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

01, 02, 03 e 04
A Folha e demais veículos precisam parar de definir a rachadinha como “devolução de parte dos salários” (“Jair Bolsonaro agora tem os filhos 01, 02, 03 e 04 sob investigação”, Poder, 21/3). Seria devolução se os recursos voltassem ao erário. Como foram parar em bolsos indevidos, o correto é chamar de roubo.
Daisi Chapani (Jequié, BA)

O clã 01-02-03 criou força-tarefa para processar quem quer que adjetive negativamente o nome do 00 em qualquer meio de comunicação. Conseguiram um efeito reverso. “Genocida”, por exemplo, passou a atrair o 00 como seu substantivo próprio suplantando fortíssimos concorrentes históricos.
Fidelis Marteleto (Rio de Janeiro, RJ)

Só os muito ingênuos para acreditar que essas investigações resultarão em alguma condenação. Não por falta de crimes, mas porque Bolsonaro aparelhou todas as instituições de Estado para proteger a si e a seus filhos. Aras e a PF estão a serviço da família. É tudo teatro.
Francisco Xavier de Azaredo Neto (Rio Grande, RS)


Mortalidade da Covid
Não há mistério na constatação de que o excesso de mortes por Covid é maior entre negros em São Paulo (“Covid-19 em São Paulo é mais mortífera para negros em 2020”, Saúde, 20/3). Já foi dito que pretos, pobres e periféricos morrem mais em decorrência do coronavírus. Em tempos de home office, pessoas pretas poucas têm esse privilégio. Explorada por empresas terceirizadas, a maioria sai de sua casa periférica, por volta das 3h30 ou 4h, para chegar ao local de trabalho às 6h.
Rita Lopes (São Paulo, SP)


Ranking de felicidade
Como brasileiro, trabalho cinco meses todos os anos só para pagar impostos federais, estaduais e municipais. Me revolta saber que somos o país com o menor índice de retorno de bem-estar à sociedade do planeta e ainda temos que suportar presidente que nega vacina para todos (“Brasil despenca e fica na 41ª posição em ranking global de felicidade em 2020”, Mundo, 20/3). No atual ritmo de vacinação teremos mais de 1 milhão de óbitos até que todos sejam vacinados, e eu e os demais cidadãos corremos risco de não chegarmos vivos ao final da pandemia.
Daniel Marques (Virginópolis, MG)


Ministério
Sai o ministro Pezadello, entra o ministro Quidroga. Mas o primeiro não sai e o segundo não entra, ambos em perfeita sintonia, dizem. No Ministério da Saúde, 1 + 1 = 0. E quando Lira e Pacheco se unem para, com muitos melindres, pedir providências contra a Covid, para evitar o “vexame internacional” (atrasados! O vexame já aconteceu!) e sem “apontar culpados”, o resultado é sempre o mesmo: zero. O Congresso também não vale o tal “pequi roído”.
Maristela Jardim Gaudio (São Paulo, SP)


Imaginação
Céu: espaço infinito no qual se localizam e se movem os sonhos e onde os pássaros voam (“Desenhista mineira Céu solta a imaginação entre broncas e conselhos”, Folhinha, 20/3). Esta criança, provavelmente, tem alma de dois grandes poetas: Guimarães Rosa e Manuel de Barros.
Gildázio Garcia (Ipatinga, MG)


Entrevista
Sempre considerei Modesto Carvalhosa correto até saber que sua defesa tão loquaz da Lava Jato se devia a ser um dos beneficiários da bolada que entraria na fundação a ser criada e administrada pelo Partido do Procuradores (“STF e Poderes formam consórcio para destruir combate à corrupção”, Poder, 20/3).
Sergio Fernando Morel Almeida (São Paulo, SP)

Excelente e auspiciosa a entrevista do professor. Vamos divulgar a sua proposta de uma nova Constituição.
Albino Bonomi (Ribeirão Preto, SP)

Carvalhosa? O interessado no fundo bilionário que Deltan inventou?
Emerson Luis de Moraes (São Paulo, SP)


Lula e os evangélicos
Lula, diga sim e abrace o evangélico como cidadão vilipendiado em seus direitos (“O Evangelho segundo o PT”, Ilustríssima, 21/3). Muitas senhorinhas morando em favelas e orando, enquanto seus filhos estão na boca. Não se junte com pastores fajutos, que exploram os carentes do material e espiritual.
Marcelo Santana (Rio de Janeiro, RJ)

O evangélico entende que a bandeira da justiça social do PT é um princípio também defendido pelos evangélicos, mas o que separa são pautas como a ideologia de gênero, o marxismo cultural, que pretende a extinção da herança judaico-cristã. Isto é irreconciliável. Fora Lula, nunca mais!
David Molero (Jundiaí, SP)


Colunas Eternas
A leitura da crônica deliciosa de Cecília Meireles (“A respeito de automóveis”, Poder, 19/3) fez com que eu passasse a fantasiar com as maravilhas que virão por aí, no projeto Colunas Eternas, da Folha. Parabéns!
Henrique Valêncio (São Paulo, SP)


Lockdown
Se fizessem lockdown com auxílio emergencial ou renda básica preventiva de empobrecimento maior, que já tem punido os brasileiros, quanto ao custo de vida, eu leria como iniciativa de valor, em favor da vida, todas (“O palavrão”, Editoriais, 20/3). Assim, ao que me parece, só contempla quem pode se isolar sem implorar caridade alheia.
Ana Maria Nascimento Roberto Pires (Araçoiaba da Serra, SP)

Se 71% das pessoas são a favor das restrições ao comércio, nenhuma restrição ao comércio é necessária. Se ninguém for comprar, o comércio para, sem aglomeração. Convença o povo, isso é democracia.
Herculano Jr (Campinas, SP)


Lei de Segurança Nacional
Os deputados deveriam dar um fim nessa lei que é uma indústria de carteiradas (“Entulho revirado”, Editoriais, 21/3). Começou usada pelo STF, agora pelo presidente e até pelo próprio Congresso.
José Cardoso (Rio de Janeiro, RJ)

Não adianta a reforma da LSN se não for acompanhada de reforma política alinhada com avanços sobre o status da imunidade parlamentar, que ninguém sabe como funciona, vista as decisões discrepantes.
Tyaron Borba (Rio Bonito, RJ)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.