Bolsonaro é mito do luto, diz leitor

Leitor critica vacinação antecipada de jogadores de futebol

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Luto

Charge em alusão aos empresários que ovacionaram o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante um jantar na cidade de São Paulo e a figura de um agente funerário, que representa o crescente aumento no número de mortes diárias causadas pela Covid-19 na gestão do presidente. Na legenda: Você é de que setor mesmo? Funerário.
Charge de Benett publicada em 12 de abril de 2021 - Benett/Folhapress


Bolsonaro assumiu em 2019. Não priorizou as reformas nem as privatizações. Optou por brigar com ministros e jornalistas e defender os filhos. Entregou a economia a um insignificante desconhecido. Subestimou a pandemia do coronavírus e defendeu medicamentos mágicos. Tratou o Ministério da Saúde com negligência. Hoje temos 358 mil mortes e a perspectiva de alcançarmos números ainda mais assustadores. Bolsonaro é o mito do luto.
José Carlos Saraiva da Costa (Belo Horizonte, MG)


Investimento
O Brasil investiu tanto, mas tanto, mas tanto na ignorância que chegou a um resultado bem exagerado ("Bolsonaro diz aguardar sinal da população para tomar providências na pandemia, de novo sem indicar quais", Poder, 14/4)
Luiz A. Serenini Prado (Goiânia, GO)

"Só digo uma coisa: eu faço o que o povo quiser que eu faça", disse Bolsonaro na reportagem. Pois renuncie e acabe com este capítulo lamentável da história do nosso país.
Liliane Bazzo (Marília, SP)


Não verão país nenhum
"A geração dos jovens que não verão país nenhum" (Vinicius Torres Freire, Mercado, 14/4). O povo mais uma vez foi enganado por suas elites, que sabiam o criminoso que era Bolsonaro e, ainda sim, apostaram nesse sujeito para tirar o único partido que teve uma pequena preocupação com a nossa miséria. Não haverá país para governar em 2023, só escombros.
Ana Ferraz (Vitória, ES)

Vacinação privada
Caso se confirmem a aquisição e a distribuição de vacinas pela Conmebol e pela CBF para jogadores, comissões técnicas e diretorias, penso que a solução é um boicote à audiência do futebol e aos patrocinadores dessas competições. É um descalabro vergonhoso esse fura-fila, que, além dos aspectos éticos humilhantes, ainda contribuirá para inflacionar o mercado vacinal.
Júlio Cruz (Florianópolis, SC)

Boiada paulistana
Ao ler a coluna Painel desta quarta (nota "Adia", Poder, 14/4), tive a impressão de que não apenas em Brasília se planeja aproveitar o momento para passar a boiada. A insistência da gestão Bruno Covas em revisar o Plano Diretor Estratégico, no meio da pandemia, deveria deixar todos os paulistanos com a pulga atrás da orelha. Por que tamanha pressa? Se acharam que ninguém iria perceber, enganaram-se redondamente.
Alex Fabiano Nogueira (São Paulo, SP)


Diferenças
Há muitas diferenças entre os processos de Lula e de José Sócrates ("Agora eu era o herói", Tendências / Debates, 14/4). A principal é que, em Portugal, foram anuladas provas que demonstravam a prática de crimes. Lula sofreu uma devassa na Lava Jato, mas não foram encontradas evidências da prática de crimes —foi condenado nos casos do tríplex do sítio. A semelhança é que nos dois casos foi ferido o princípio do juiz natural, com a distribuição dos processos a juízes incompetentes.
Jaime Magalhães Machado Júnior (Limeira, SP)


PAT
O Programa de Alimentação do Trabalhador, criado em 14/4/1976, completa 45 anos beneficiando cerca de 21 milhões de trabalhadores por dia, com restaurantes internos, cestas de alimentos e cartões refeição e alimentação. O PAT cresceu durante os mandatos de nove presidentes da República, agora está no 10°. Que continue assim.
Roberto Baungartner (São Paulo, SP)


Maluf
Causa espanto o pedido do Ministério Público para que Paulo Maluf volte à prisão em plena pandemia da Covid-19 ("Defesa diz que Maluf tem demência e Alzheimer; Fachin pede perícia", Poder, 14/4). Maluf, 89 anos, precisa de cuidados diários por causa do câncer de próstata, está com mal de Alzheimer, sofre de perda de raciocínio e tem dificuldade de se expressar. A decisão de Edson Fachin, que pediu perícia médica, vai mostrar que o MP está equivocado.
Adilson Laranjeira, assessor de imprensa de Paulo Maluf (São Paulo, SP)


Prefeitura
A abertura de um hospital é procedimento complexo, feito em etapas ("Mesmo em colapso SP não abre leitos em hospital entregue em dezembro", Cotidiano, 13/4). O Hospital Santo Amaro foi entregue em novembro e já fez mais de 69,7 mil exames e 32 mil consultas. É unidade relevante para o SUS na região e será ampliada gradualmente. Desde o início da pandemia, a prefeitura entregou nove hospitais e conta com 3.727 leitos (UTI e enfermaria).
Marcus Sinval, secretário de Comunicação da prefeitura (São Paulo, SP)

Resposta da editora Luciana Coelho - A reportagem em questão relata o faseamento e as consultas e exames citados pela prefeitura. O que ela aponta como ainda inoperantes são os leitos e pronto atendimentos, contradizendo a previsão da própria gestão.


Rio Pinheiros

Peixes no rio Pinheiros fotografados por ciclistas que transitavam pela ciclovia junto da linha 9 da CPTM - Reprodução


Em relação ao editorial "Milagre dos peixes" (Opinião, 14/4), o governo de SP entregará o Pinheiros despoluído em dezembro de 2022 por meio do projeto de saneamento que impactará 3 milhões de moradores da bacia. A despoluição das águas --como informado, não será potável nem para nadar-- aproximará a população das margens. O projeto Tietê reduziu em 70% a mancha de poluição e levou saneamento a 12 milhões de pessoas. O aparecimento de peixe indica que estamos no caminho certo.
Marcos Penido, secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado (São Paulo, SP)

Gás
É inadequado classificar consumidores como "reféns das distribuidoras locais"; estas oferecem serviços concedidos sob regulação ("Bolsonaro sanciona lei que promete 'choque de energia barata'", Mercado, 9/4). O entrave sempre foi a concentração no setor. Não há mercado livre com um único supridor. Esperam-se do governo medidas que incentivem a produção de gás de origem nacional e o acesso de outros agentes à infraestrutura existente.
Augusto Salomon, presidente da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (São Paulo, SP)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.