Leitores criticam vulnerabilidade bancária em celulares

Carta a Clóvis Rossi, motociata de Bolsonaro e mensagem no SBT são temas de comentários

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Pix do crime
Às vezes parece que devemos voltar à época em que dinheiro se guardava debaixo do colchão, pois o risco de invadirem sua casa ainda é menor do que ter o celular subtraído na rua em São Paulo (“Criminosos de SP agora roubam celulares para limpar contas bancárias das vítimas”, Cotidiano). Tornou-se modalidade tão banal que os criminosos a praticam desavergonhadamente à luz do dia, muitas vezes próximos de delegacias ou postos da PM.
Alberto Rodrigues de Freitas Filho (São Paulo, SP)

mesas cheias de celulares roubados
Celulares apreendidos pela polícia de SP na região central da capital com suspeito de receptação - Divulgação Polícia Civil

O ruim é que os próprios bancos incentivam a migração dos serviços de internet banking para celular .
Marcelo Augusto Pires (São Paulo, SP)

Roteiro de sempre, atualizando “personagens” e mantendo o script: 1. Divulga-se bastante na mídia a nova insegurança. 2. Parcerias com corretoras de seguros para as novas inseguranças. 3. Ofertas de contratação das novas proteções para os velhos clientes. Superfácil, com débito automático mensal nas contas!
Luigi Oliveira (Areado, MG)


Catecismo
Amaldiçoar não é correto (“SBT veicula trecho da Bíblia que diz para não criticar o governo nem mesmo em pensamento”, Painel). Acredito que não devemos desejar o mal para ninguém, mas, sim, desejar que caia fora quem não tem transformado nosso país em lugar com bem menos pessoas que estão vivendo na miséria.
Vania Oliveira (Joinville, SC)

Trecho da Bíblia exibido durante programação do SBT
Trecho da Bíblia exibido durante programação do SBT - Reprodução

O SBT está distorcendo as escrituras. Quando o autor de Provérbios diz isso, está alertando para existência de delatores.
Luciana Pazito Alves (Rio de Janeiro, RJ)


Vacina adiada
Da série “Pegadinhas da saúde terraplanista” (“Envio de 3 milhões de doses de vacinas da Janssen ao Brasil será adiado, diz Saúde”, Saúde, 14/6). Anuncia de manhã, suspende à tarde.
Fernando Antonio Gelfuso (Ribeirão Preto, SP)

Interessante. Primeiro, o alvoroço do pouco tempo para chegar e distribuir, graças à curta validade. E agora, isso!
Lucas Emmanuel (São Paulo, SP)


Motociata e Guinness
O Brasil deveria ser inscrito no Guinness Book em duas categorias: 1) país com mais fake news governamentais do mundo; 2) país com mais fake news cabeludas do mundo (“ “É falso que motociata de Bolsonaro entrou para livro de recordes por reunir 1,3 milhão de veículos”, Poder, 14/6). Está aí um trabalho para quem lida bem com informações.
Ricardo Dantas (Campinas, SP)

Ninguém tira a enormidade dos motoqueiros que participaram da manifestação. Agora querer aumentar para o mundo dizendo que foi recorde de presença é subestimar os olhos de quem a ideologia política não é de esquerda nem de direita. Bastava ver na TV. É uma pena tudo isso.

Jane Tadeu Silva (São Paulo, SP)


Filha de peixe
Emocionante, poética, carinhosa, forte a carta de Claudia ao pai Clóvis Rossi (“Carta aberta ao meu pai, Clóvis Rossi”, Tendências / Debates, 14/6). Fiquei a imaginar como ele era e educava os filhos. Um delicado perfil de um pai que foi um dos mais importantes comentaristas de nossos tempos. Ele era uma bússola. Prometi a ele enviar um exemplar do meu "Não Verás País Nenhum", nunca enviei. Sinto. O que ele diria de hoje? Todos estamos a perguntar: o que acontece?
Ignácio de Loyola Brandão (São Paulo, SP)

O jornalista Clóvis Rossi, decano da Folha, que morreu aos 76 anos, em 14 de junho  de 2019
O jornalista Clóvis Rossi, decano da Folha, que morreu aos 76 anos, em 14 de junho de 2019 - Eduardo Knapp - 19.fev.2019/Folhapress

Clóvis Rossi faz falta não apenas à sua família e ao jornalismo, principalmente nos dias que correm, com sua visão das coisas. Ele faz falta ao Brasil. Quando não tinha muita coisa para ler na Folha, a leitura da coluna dele já bastava. Parabéns, Cláudia, pelo depoimento acerca do convívio com Clóvis e pela bela declaração de amor.
João Ramos de Souza (São Paulo, SP)


Falta(rá) energia?
Atribuir a presente seca ao presidente Jair Bolsonaro é sem pé nem cabeça (“Governo prepara MP que poderá autorizar racionamento de energia no país”, Mercado, 14/6). Ou esqueceram do apagão em 2001, pelas mesmas razões? Não existe questão climática criada nem resolvida por um único governo. Tendências climáticas se desenvolvem ao longo de muitas décadas. E os investimentos necessários para mudar a matriz energérica do Brasil, especialmente para atender aos grandes centros urbanos, estão muito além das posses do Brasil. Muito além.
Vantuil Candido dos Santos (São Paulo, SP)
*
Já passou do tempo para elegermos como prioridade matrizes energéticas mais sustentáveis.
Gustavo O. L. Junior (Barreira, CE)


Telegram
Para os serviços de checagem, o Telegram é uma boa plataforma para testar ideias (“Telegram é um grande desafio para 2022 e estamos buscando contato, diz secretária-geral do TSE”, Entrevista da 2ª, 14/6). Infelizmente, os recursos de integração e privacidade do serviço, muito ricos, permitem ideias luminosas, mas também o contrário. Obviamente, há os termos de uso do aplicativo.
Alexandre Cardoso (Rio de Janeiro, RJ)

A coordenação dos sensores! A utilidade do Telegram é justamente a de ser imune ao controle da máfia governamental.
Francisco Henrique Dias (Campo Alegre de Lourdes, BA)


Voto virtual e... fraudado
Este é o Brasil, o eterno país do futuro, com sua democracia de faz de conta e seus políticos sem vergonha e sem caráter (“Voto virtual na Câmara pode ser fraudado, e Casa estuda fechar brecha em sistema”, Poder, 14/6).
João Mucci (Ponte Nova, MG)

A Câmara dos Deputados é formada somente por pessoas honestas e que mereceram a confiança dos eleitores. Penso que não há motivos para preocupação. Os eleitores não votariam em pessoas desonestas.
Nacib Hetti (Belo Horizonte, MG)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.