Leitores comentam discurso de Bolsonaro na ONU

'O velho truque do machista', diz leitora sobre agressão à senadora Simone Tebet

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Na ONU
"Bolsonaro pinta na ONU retrato distorcido do Brasil em discurso para base radical" (Mundo, 21/9). Alguém pode me informar de que país Bolsonaro falou na ONU?
Ademir Cavalcante (São Paulo, SP)


Que Bolsonaro é um rudimento de ser humano, isso todos sabemos. Mas o mais impressionante são os 22% de apoiadores, que não se incomodam com a quantidade de mentiras deslavadas proferidas. Hello! Duas mansões compradas com dinheiro de rachadinha, 600 mil mortos por incompetência, atravessadores negociando vacinas... Acordem!
Daniel Alvares (São Paulo, SP)

Mentiroso compulsivo e sem escrúpulos. Mas nada a estranhar vindo dele. Sempre foi assim e sempre será. É de longe o pior presidente de todos os tempos, e conseguiu reunir as piores e mais despreparadas pessoas para o seu desgoverno.
José Teodoro da Silva (São Paulo, SP)

Moro no Brasil, mas quero me mudar para aquele país do qual Jair Bolsonaro é presidente.

Clive Leonard Cannell Ashby

São Paulo, SP


Estranho seria se ele não falasse só para a base, se mentisse um pouco menos, se tivesse civilidade, se não quisesse aparecer negativamente e envergonhar o país todo. Aí não seria ele, seria um dublê. Para quem gosta de baixaria, foi um belo show.
Leonilda Pereira Simões (São Paulo, SP)

"Mito discursa na ONU e cita 'risco do socialismo'". Essa foi a tônica de algumas manchetes da mídia. É verdade. No domingo haverá eleição nacional na "locomotiva da Europa", e lá a coligação SPD-die Grünen (socialistas/Partido Verde) poderá ganhar a eleição. E aí o pessoal da motosserra e os apoiadores do mito poderão começar a chorar. Aguardemos o domingo.
Marcos Fernando Dauner (Joinville, SC)

Apavorados com o conteúdo da fala de Jair na ONU, Biden, Johnson, Merkel e Macron acabam de convocar reunião emergencial para discutir os rumos da Cedae.

André Gomes de Assis

Porto Alegre, RS


O povo nas ruas, aos milhões, mostra apoio total a Bolsonaro. E a meia dúzia de fake news aqui insiste em criar números de pesquisas que inventam para se autoenganar.
Vilnei Herbstrith (Porto Alegre, RS)


Dedo de ministro
"Ministro da Saúde mostra o dedo do meio para manifestantes anti-Bolsonaro em NY" (Mundo, 21/9). Queiroga mostrando os atributos que fizeram dele ministro da Saúde.
Ricardo Loes (Goiânia, GO)

E assim caminha o Brasil, com quase 600 mil mortes e o dedo do meio do Queiroga. Nosso cartão de visitas.

Terezinha Rachid Ozório da Fonseca

Bom Jardim de Minas, MG

Para quem o ministro Queiroga realmente mostrou o dedo do meio? a) para os manifestantes; b) para os mortos pela Covid; c) para as famílias dos mortos pela pandemia; d) para o povo brasileiro; e) para o seu passado como médico; f) todas as anteriores.
Valdo Neto (Jandira, SP)

JAIR BOLSONARO
Bolsonaro faz discurso de abertura da 76ª Assembleia-Geral da ONU - Nações Unidas no Youtube


Por que o ministro da Saúde tem de ir à assembleia da ONU? Que agenda tem a cumprir em NY? Por que o senador filho do troço tem de acompanhar a comitiva? Que agenda tem a cumprir em NY?
Dalton Matzenbacher Chicon (Florianópolis, SC)

Aqueles que prezam a si e ao país que servem deveriam saber que estão sujeitos a críticas. E deveriam saber como reagir nessas circunstâncias. Caso contrário não deveriam ocupar cargos políticos. Tristíssimo ver o ministro da Saúde se erguer num gesto obsceno, como um menino malcriado, para confrontar os críticos lá fora.
Jane Medeiros (Rio de Janeiro, RJ)


CPI
"Ministro diz que Tebet é 'descontrolada', é chamado de 'moleque' por senador e sessão da CPI é encerrada" (Poder, 21/9). Wagner Rosário nega sua função com posicionamentos protetivos ao governo. Chegou a dizer, em entrevista ao lado de Queiroga, que o servidor Luís Miranda não conseguiu explicar nada. Ou seja, usa o cargo de CGU para proteger os malfeitos do governo, fazendo o inverso do que exige a função.
Antônio João (Brasília, DF)

A senadora Simone Tebet (de marrom) diante do ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, após a interrupção da sessão da CPI da Covid - Roque de Sá/Agência Senado


O velho truque do machista quando confrontado com uma mulher que tem argumentos melhores do que os dele. A senadora é articulada e faz o dever de casa. Bolsonaristas não decepcionam: são boçais e, neste caso, cúmplice de fraudadores do patrimônio público. O baixo nível desse sujeito não combina com o que se espera de um ministro.
Maria Torres (São Paulo, SP)


Energia
O horário de verão é questão de necessidade diante da crise hídrica. É prudência para evitar colapsos no sistema elétrico. Não é questão de desejo da opinião pública ou de poder político.
Ronan Wielewski Botelho (Londrina, PR)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.