'Adaptação será tão importante que deveria ser ensinada na escola', diz leitor sobre crise do clima

Assinantes também comentaram sobre custo da gestão do lixo, futuro da IA e parada LGBTQIA+

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Lixo
"Crise do lixo custa R$ 97 bilhões por ano ao Brasil, aponta estudo" (Mercado, 1°/6). No excelente artigo, sobre a crise do lixo, que é uma constante (sem variável) no Brasil, só não se resolve por não haver interesse em resolver esse enorme problema, como também há um "interesse eterno" de que não se resolvam os problemas, pois com isso pouco continuarão a ganhar bilhões exatamente pela falta de resolução. A equação começaria a ser resolvida se o governo se sensibilizasse e diminuísse a carga tributária que recai sobre as indústrias recicladoras de materiais.
Manoel L. Padreca (São Paulo, SP)

Um bom ponto de partida seria a adoção de um sistema semelhante ao ponto verde ou sistema dual da Alemanha. Lá, no preço de qualquer embalagem produzida está incluída uma taxa de destino final ou multa. Esse dinheiro é investido em indústrias de reciclagem, o que gera renda e empregos. Mas, isso é briga de cachorro grande com a indústria, como fabricantes de cerveja, refrigerantes. Hoje, os custos do descarte e da gestão são só dos municípios. Não se aplica o principio do poluidor-pagador.
Clemens A. F. Schrage (São Paulo, SP)

Latas de alumínio na planta de reciclagem da Flacipel, do grupo Multilixo - Bruno Santos/Folhapress

Mudança climática
"Adaptação a eventos extremos precisa ser tão veloz quanto mudança climática" (Ilustríssima, 2/6). Excelente matéria sobre como resistir ou adaptar-se ao futuros desastres climáticos, isso será tão importante para nossa sobrevivência que deveria ser ensinado na pré escola, pois com esses dinossauros políticos que nos governam independente da faixa etária. As nossas chances só aumentarão na hora das escolhas nas urnas.
Tadeu Humberto Scarparo Cunha (Rio das Ostras, RJ)

Futuro da IA
"Minha visão do futuro da IA" (Álvaro Machado Dias, 2/6). Previsão ousada, flerta com a ficção científica. Sou avesso por natureza a previsões, mas acompanharei com curiosidade o desfecho desse desenvolvimento durante o tempo que me resta por aqui. Acho particularmente otimista a ideia de que as IAs irão resolver problemas complexos infinitos. A verdade é que boa parte dos problemas humanos, como criar um mundo mais próspero, tem caminhos conhecidos, os problemas são de implementação, políticos, passam por "racionalidades" biológicas alheias a formal.
Pedro Luis S. C. Rodrigues (São Paulo, SP)


Bandeira de todos
"Parada LGBTQIA+ veste avenida Paulista de verde e amarelo neste domingo (2)" (Cotidiano, 2/6). Porque essa bandeira, essa bandeira é nossa, é de todos os brasileiros!
Maria F. Luporini (Campinas, SP)

Ideia brilhante! Essas cores sempre foram do Brasil. Nós as usamos em todas as Copas do Mundo. Elas simbolizaram todos os eventos cívicos nas escolas. Os neofascistas deram um golpe de marketing oportunista, por causa do vermelho do PT (que só os petistas adotaram). É hora de restaurar o símbolo verde-amarelo para todos os brasileiros de qualquer credo, gênero e cor de pele.
Antonio Neto (São Paulo, SP)

Vini Jr.
"’Eu estou aqui’: Vini Jr. é o maior artilheiro brasileiro em finais de Champions" (O mundo é uma bola, 1°/6). É muito bom de bola, um bom ser humano e aproveitou bem as oportunidades que a vida lhe proporcionou, além de ter o que se mais espera de uma atacante, "bola na rede". Parabéns, Vinicius
Antonio Pimentel Pereira (Governador Mangabeira, BA)

Esse endeusamento do Vinicius vai terminar mal. Ele parece jogar muito bem quando cercado de craques que jogam juntos há muito tempo em seu time. Quero ver quando jogar acompanhado de jogadores apenas bons e com pouco entrosamento.
Dionisio de Barros (Acre)


Candidato condenado
"Trump condenado" (Hélio Schwartsman, 31/5). Causa um incômodo constatar que as leis são favoráveis aos "colarinhos brancos". Após Lula ser descondenado e assumir a Presidência do Brasil, estamos na iminência de Trump, condenado, governar de dentro da cadeia. Têm lógica essas excrescências legais?
Ângela Luiza S. Bonacci (São José dos Campos, SP)

Nos Estados Unidos tudo se transforma em espetáculo, inclusive as eleições que mobilizam as emoções e os afetos ao extremo. De fato, a racionalidade permanece escanteada num processo eleitoral bastante confuso.
Robson Mendonça Pereira (Goiânia, Go)

Trump tem uma base de apoiadores muito leal, que frequentemente vê as investigações e processos contra ele como perseguições políticas. Para esses eleitores, a condenação pode reforçar a narrativa de que Trump é um outsider lutando contra um sistema corrupto. Isso pode solidificar ainda mais seu apoio entre os eleitores que já são fiéis a ele. Por outro lado, eleitores moderados e independentes, podem se afastar de um candidato condenado criminalmente.
Alexandre Marcos Pereira (Ribeirão Preto, SP)

Enchentes
"Escritoras gaúchas descrevem o indescritível" (Giovana Madalosso, 2/6). Agradeço por esses relatos. Sinto pelas perdas e dores. Parabenizo pela iniciativa de ceder espaço a essas mulheres.
Ana Ribeiro (Campo Grande, MS)

Se eu pudesse abraçava todas vocês. Não tenho o que dizer desses relatos sinestésicos, que a generosidade da Giovanna tornou possível. Há uma força de reconstrução atávica no RS. Gente que veio para se refazer, gente que estava para resistir… Desejo que vocês se refaçam e sejam um tipo de Japão depois de Hiroshima. Força, meninas.
Fabiana Menezes (Belo Horizonte, MG)

Nossas casas, as do entorno e as de nosso íntimo, submergiram, desapareceram. Hora dos lutos, do ressurgir esperançoso e do difícil retorno para um estranho diferente.
Tania Dreyer da Silva (Teutônia, RS)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.