Descrição de chapéu Café da Manhã

Podcast contextualiza embate que opôs Gilmar Mendes e a ala militar do governo

Declarações do ministro do STF fazem militares encararem críticas por gestão da saúde na pandemia

São Paulo

As críticas que o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), fez à ocupação de militares em postos de comando no Ministério da Saúde em meio à pandemia reacendeu as tensões entre poderes e fez os militares encararem críticas por sua associação ao governo, especialmente na forma como a gestão Bolsonaro tem administrado o combate à pandemia.

Segundo o ministro, o vazio de comando na pasta não é aceitável e a situação liga o Exército a um "genocídio" causado pela Covid-19. O general Eduardo Pazuello, sem experiência na área de saúde, exerce o posto de ministro interino há mais de dois meses.

O assunto rendeu. Integrantes do governo, em declarações à imprensa, criticaram e cobraram a retratação de Gilmar Mendes. No entanto, o ministro não só não recuou como voltou a criticar militares em postos técnicos na Saúde, dessa vez relembrando a situação dos povos indígenas.

Para entender os impactos que podem resultar das falas do ministro e dos militares, o programa desta quinta-feira (16) ouviu o colunista da Folha Bruno Boghossian

O programa de áudio é publicado no Spotify, serviço de streaming parceiro da Folha na iniciativa e que é especializado em música, podcast e vídeo. É possível ouvir o episódio clicando abaixo. Para acessar no aplicativo basta se cadastrar gratuitamente.

Ouça o episódio:

O Café da Manhã é publicado de segunda a sexta-feira, sempre no começo do dia. O episódio é apresentado pelos jornalistas Magê Flores e Maurício Meireles, com produção de Jéssica Maes e Renan Sukevicius e edição de som de Thomé Granemann.

Imagem de capa do podcast Café da Manhã, com o nome do programa escrito sobre vários recortes de jornais. Logos de de Spotify e Folha de S.Paulo podem ser vistas nos cantos
Podcast Café da Manhã - Reprodução
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.