Descrição de chapéu Café da Manhã

Por que os juízes brasileiros ganham tanto; ouça podcast

Com extras de diversos tipos, magistrados acumulam ganhos acima do teto constitucional

São Paulo

Após meses de pressão, o governo Bolsonaro entregou em setembro um projeto de reforma administrativa ao Congresso. A proposta, que mexe em uma série de normas no serviço público, pode economizar até R$ 450 bilhões em dez anos. Mas o Judiciário, um dos setores que mais acumula salários e extras, ficou de fora.

No ano passado, o Brasil gastou cerca de 1,5% do PIB com o Poder Judiciário —mais de R$ 100 bilhões. Países ricos como EUA, Inglaterra e França gastam apenas 0,15% do seu produto interno bruto. Muitos dos ganhos de juízes vem dos chamados penduricalhos, que fazem com que os pagamentos ultrapassem o teto constitucional de R$ 39,2 mil. São adicionais como auxílio moradia, alimentação, saúde, indenização de férias e gratificações por cargos ocupados.

O Deltafolha, núcleo de jornalismo de dados, fez um levantamento com quase 900 mil contracheques de magistrados e descobriu que os juízes brasileiros tem 36% dos ganhos compostos por esses extras. O episódio desta segunda (19) do Café da Manhã falou com o repórter Fábio Fabrini.

O programa de áudio é publicado no Spotify, serviço de streaming parceiro da Folha na iniciativa e que é especializado em música, podcast e vídeo. É possível ouvir o episódio clicando abaixo. Para acessar no aplicativo basta se cadastrar gratuitamente.

Ouça o episódio:

O Café da Manhã é publicado de segunda a sexta-feira, sempre no começo do dia. O episódio é apresentado pelos jornalistas Magê Flores, Maurício Meireles e Bruno Boghossian, com produção de Jéssica Maes, Laila Mouallem e Victor Lacombe. A edição de som é de Thomé Granemann.

Imagem de capa do podcast Café da Manhã, com o nome do programa escrito sobre vários recortes de jornais. Logos de de Spotify e Folha de S.Paulo podem ser vistas nos cantos
Podcast Café da Manhã - Reprodução
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.