Descrição de chapéu Café da Manhã STF

O que quer o mercado e como Bolsonaro e Lula mexem com ele; ouça podcast

Decisões e desdobramentos políticos provocam altas e baixas intrigantes na Bolsa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Para quem não conhece o mercado financeiro, as oscilações da Bolsa podem parecer intrigantes. Decisões tomadas pelo governo sobre reformas econômicas ou interferências na gestão de estatais, por exemplo, são capazes de causar um terremoto no valor das ações. As oscilações têm explicações políticas que nem sempre são claras.

O governo Bolsonaro, que na campanha de 2018 ergueu a bandeira de reformas e privatizações, hoje convive com a queda da Bolsa em episódios como o da interferência no comando da Petrobras. De outro lado, o retorno do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao jogo eleitoral, com a anulação de suas condenações na última segunda (8), foi suficiente para fazer o Ibovespa fechar em queda de quase 4%.

Para entender o que os investidores pensam e o que está por trás das oscilações de humor do mercado, o Café da Manhã de hoje conversa com Julio Wiziack, repórter da Folha em Brasília.

O programa de áudio é publicado no Spotify, serviço de streaming parceiro da Folha na iniciativa e que é especializado em música, podcast e vídeo. É possível ouvir o episódio clicando abaixo. Para acessar no aplicativo basta se cadastrar gratuitamente.

Ouça o episódio:

O Café da Manhã é publicado de segunda a sexta-feira, sempre no começo do dia. O episódio é apresentado pelos jornalistas Magê Flores e Bruno Boghossian, com produção de Guilherme Botacini, Laila Mouallem e Victor Lacombe. A edição de som é de Thomé Granemann.

Imagem de capa do podcast Café da Manhã, com o nome do programa escrito sobre vários recortes de jornais. Logos de de Spotify e Folha de S.Paulo podem ser vistas nos cantos
Podcast Café da Manhã - Reprodução
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.