Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
08/10/2012 - 03h11

Pastor pede voto para vereador durante culto

Publicidade

DE SÃO PAULO

Diante de mais de mil fiéis no templo da Igreja Universal do bairro paulistano do Brás, durante culto na manhã de ontem, o pastor Sidnei Marques recomendou o voto no candidato a vereador Souza Santos (PSD).

Confira a página especial sobre as eleições 2012
Veja como foi a cobertura em tempo real as eleições

Marques sugeriu que os fiéis colassem o santinho do candidato em suas roupas quando fossem votar e exibiu nos telões do templo o retrato sorridente do político, acompanhado do número com o qual este concorria.

Por fim, chamou Souza Santos, também pastor da Universal, para o púlpito.

Antes de concluir o culto, o pastor pediu seguidas vezes: "Não esquece de ler em casa João 10, tá? João 10, hein? João 10:10? João 10".

Dez é o número usado por Celso Russomanno e pelo PRB, ligado à Universal.

Souza Santos foi reeleito com 39,6 mil votos -o 22º vereador mais votado da capital.

Na madrugada de ontem, no blog do líder da Universal, bispo Edir Macedo, foi postado o segundo texto em uma semana com críticas a Fernando Haddad e recomendando o voto em Celso Russomanno. O artigo era assinado por uma colaboradora.

Macedo, que celebrou ontem pela manhã um culto por duas horas naquele que é conhecido como Templo Maior, em Santo Amaro, fez referências pontuais à política.

"A sua vida não pode estar alicerçada em ninguém a não ser na rocha que é o senhor Jesus Cristo. Esta é a fé que não depende se é PT, PSDB, seja lá quem for", expressou.

Quando deixavam o templo, que comporta mais de 6.000 pessoas, os fiéis recebiam de rapazes vestidos com camisa social e gravata santinhos de Russomanno e do candidato a vereador pastor Jean Madeira (PRB).

ABORTO

As eleições também foram mencionadas em cultos da Igreja Renascer, na Mooca, e na missa celebrada pelo padre Marcelo Rossi no Santuário do Terço Bizantino, em Santo Amaro.
Rossi recomendou que os fiéis não votassem em candidatos favoráveis à legalização do aborto. "Eu já tenho um candidato e sei que ele vai ajudar nessa questão", disse ao final da missa.

Na Catedral da Sé, na missa celebrada por dom Milton Kenan Junior, bispo auxiliar de São Paulo, não se falou sobre eleições. O arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, que havia se envolvido em polêmicas com Russomanno, estava fora do país, no Vaticano. (CASSIANO ELEK MACHADO, GASTÓN GUILLAUX, LAURA CAPRIGLIONE, MORRIS KACHANI, GIULIANA DE TOLEDO E GABRIELA BAZZO)

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página