Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
07/11/2012 - 21h50

Cid Gomes reage a Cabral e diz que Ceará pode sediar Copa e Olimpíadas

Publicidade

MARIANA SCHREIBER
DE BRASÍLIA

O governador do Ceará, Cid Gomes, reagiu nesta quarta-feira (7) com ironia às declarações do governador do Rio, Sérgio Cabral, de que não é possível fazer Copa e Olimpíadas caso a receita com royalties de petróleo do Estado seja reduzida.

Rio entrará na Justiça por royalties se Dilma não vetar texto, diz secretário
Não se faz Copa nem Olimpíadas', diz Cabral sobre perda de parte dos royalties
Análise: Perspectiva de mudança cria insegurança para contratos

"Eu me recuso a aceitar que isso seja uma forma de chantagem. Estou acreditando [que realmente não seja possível fazer esses eventos] e nesse caso me comprometo a realizar no Ceará os jogos da Copa programados para o Rio e a sediar as Olimpíadas em Fortaleza", disse Cid Gomes a Folha.

"Se o Rio não conseguir, o Ceará faz", insistiu.

A redução da fatia do Rio nos Royaties foi aprovada no Congresso ontem e atinge até os contratos já em vigor. Cabral conta com um veto da presidente Dilma Rousseff que impeça as perdas do Rio no caso dos campos já leiloados.

COLAPSO

O governador do Rio, Sérgio Cabral, disse que a mudança gera um colapso nas finanças públicas do Estado, e que não será possível fazer a Copa do Mundo (2014) e a Olimpíada (2016) sem esses recursos.

"Então, não se faz Olimpíada, não se faz Copa do Mundo, não se paga servidor público, não se paga aposentado, não se paga pensionista. Enfim, o Estado sofre um abalo", disse Cabral.

O autor do projeto de Lei sobre a redistribuição dos royalties do petróleo, o senador Wellington Dias (PT-PI), rebateu as declarações do governador Sérgio Cabral afirmando que não há quebra de contrato entre as empresas e a União, já que o percentual de 10% da taxa dos royalties foi mantido nas novas regras.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página