Ambiguidade de Alckmin sobre sua sucessão angustia PSDB

Partido teme perda de poder no Estado com especulação sobre apoio a França

Igor Gielow
São Paulo

A ambiguidade com a qual o governador Geraldo Alckmin (SP) trata a própria sucessão tem exasperado seu partido, o PSDB. Na mesa, a manutenção do poder da sigla em São Paulo e os efeitos do imbróglio na postulação presidencial do tucano.

O pivô do debate é Márcio França, o vice do PSB que assumirá assim que Alckmin se desincompatibilizar em abril para concorrer ao Planalto.

O tucano pronunciou-se diversas vezes, nas últimas semanas, sobre ser favorável a uma candidatura única de sua base em São Paulo.

Isso bastou para que alas contrárias à hoje favorita no PSDB pré-candidatura do prefeito João Doria, em especial as ligadas ao senador José Serra, que desistiu de concorrer, darem gás à ideia de que o governador havia fechado com França.

Segundo aliados do tucano, Alckmin, a exemplo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, está no modo dizendo sim a todo mundo: a quem vê França como bom nome e a quem não admite que o PSDB perca o protagonismo após governar São Paulo desde 1995 (fora o breve interregno do então PFL de Cláudio Lembo em 2006).

A verdade permeia as duas narrativas, segundo a Folha ouviu de estrategistas tucanos, políticos e empresários ligados a Alckmin ao longo desta semana.

A mediana encontrada aponta que o governador vê a candidatura França com muita simpatia e até toparia ir só com ela, mas acredita que ao fim o PSDB tenderá a lançar seu candidato.

O que assusta Alckmin é o fantasma de 2008, quando foi candidato tucano contra um Gilberto Kassab (PSD, então no DEM) com a caneta de prefeito de São Paulo na mão. Ambos eram da mesma base, e Alckmin foi trucidado.

O temor sugerido é de que França acabe não engajando prefeitos que possa vir a cooptar para sua campanha na disputa presidencial de Alckmin, ainda que o hoje vice prometa apoio total.

Secretários de Estado interessados em manter a cadeira com França espalharam que o pessebista poderia se filiar ao PSDB, mas o boato até esta sexta (2) era só isso.

França tem de mostrar serviço para viabilizar suas pretensões. Até aqui só tem apoio do PR e, talvez, do PCdoB, Pros e Solidariedade.

Embora a ala serrista do PSDB esteja disposta a indicar um vice para França, mesmo que seja para espezinhar Doria, o partido tem maior poderio se for para disputa com aliados tradicionais no Estado, como DEM e PSD.

O nó aqui é a composição da chapa e o papel do MDB. No primeiro item, o fator central é Doria, que é considerado ex-prefeito a partir de abril por adversários e aliados. Oficialmente, ele desconversa e defende candidatura própria.

A questão é que há outros pré-candidatos (Floriano Pesaro, Luiz Felipe DÁvila, José Aníbal). Quem conhece o prefeito diz que ele sai mesmo sem prévias realizadas, e seus estrategistas já contam bem mais do que 50% dos 4.000 votos de delegados.

Uma questão é como acomodar o MDB de Paulo Skaf, que deu sinais de querer disputar a eleição de novo.

Há a vaga de vice e dois postos para o Senado, e tudo indica nas conversas com Doria que Skaf se encaminha para tentar ir a Brasília, caso o acerto acomode PSD e DEM.

Do ponto de vista nacional, Alckmin gostaria de contar também com o apoio de Márcio Lacerda, provável candidato a governador do PSB na terra arrasada partidária que é o segundo maior colégio eleitoral brasileiro, Minas.

Mas o partido é uma federação em guerra, e o tucano sabe que não contará com a poderosa ala de Pernambuco da sigla, que de resto agrega pouco em tempo de TV.

O time do governador, que pontuou 8% num cenário realista (sem Lula e com Luciano Huck) no Datafolha desta semana, se preocupa com essa indefinição. Teme que ela reforce a imagem de inação do tucano junto aos potenciais aliados nacionais. Alckmin, contudo, mandou avisar seu time que não mudará a tática de jogar parado.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.