Descrição de chapéu Eleições 2018 japão

No Japão, Bolsonaro falará a executivos em federação da indústria

Viagem será custeada pelo governo japonês, segundo deputado

Thais Bilenky
São Paulo

Em seu segundo giro internacional, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) falará a executivos na Keidanren, a federação da Indústria do Japão, terceira maior economia do mundo.

Segundo o deputado Luiz Nishimori (PR-PR), que o acompanhará na comitiva ao lado de Onyx Lorenzoni (DEM-RS) e Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), filho do presidenciável, a viagem será paga pelo governo japonês.

"Keidanren é o maior órgão da economia do Japão", disse Nishimori, presidente do grupo parlamentar Brasil-Japão, do qual Bolsonaro faz parte. 

Com embarque marcado para quinta-feira (22), a comitiva passará três dias no país, antes de seguir para a Coreia do Sul. No Japão, Bolsonaro ficará sobretudo em Tóquio. Mas passará por Oizumi e Hamamatsu, cidades com a maior concentração de nibrasileiros do país —Nishimori calcula que a comundiade seja formada por cerca de 180 mil pessoas.

Na frente política, a comitiva se encontrará com o vice-primeiro ministro e ministro da Fazenda, Taro Aso, e o deputado Takeo Kawamura. E se debruçará sobre a pauta educacional e de tecnologia, pela qual Bolsonaro disse se interessar.

Ele visitará o Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia, a NEC Corporation, empresa de tecnologia da informação, e o aeroporto de Haneda, em Tóquio.

Segundo Nishimori, o embaixador do Brasil no Japão, André Corrêa do Lago, convidou a comitiva para uma recepção, que foi incluída na agenda.

Desde que intensificou sua campanha à Presidência da República, Bolsonaro adotou um discurso liberal, abandonando posições que defendeu nos últimos 20 anos favoráveis à intervenção estatal na economia.

Por conta dessa guinada, inclusive, ele descartou visitar a China em seu périplo asiático. Bolsonaro faz críticas ao espaço que o governo brasileiro dá a investidores chineses no país, especialmente em setores estratégicos.

Em outubro de 2017, Bolsonaro foi aos Estados Unidos, onde se encontrou com investidores, analistas e a comunidade brasileira. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.