Descrição de chapéu auxílio-moradia

Juízes federais anunciam paralisação para 15 de março por auxílio-moradia

Para presidente de associação, crítica a benefício ocorre em razão da Lava Jato

São Paulo

Os juízes federais decidiram que vão parar os trabalhos no dia 15 de março em protesto pela possibilidade de revisão dos benefícios concedidos à classe, como auxílio-moradia. Segundo a Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil), ataques à remuneração dos magistrados são uma maneira de "punir a Justiça Federal" em função da Operação Lava Jato. A questão do auxílio-moradia será discutida pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em 22 de março.

Estimativa da ONG Contas Abertas indica que, de setembro de 2014 até dezembro do ano passado, o auxílio-moradia custou à União e aos estados cerca de R$ 5 bilhões, considerando que os benefícios destinam-se a cerca de 30 mil pessoas (17 mil magistrados e 13 mil membros do Ministério Público, em todos os seus ramos). Entre eles, estão os juízes da Lava Jato. Sergio Moro, da 13ª Vara Federal em
Curitiba, recebe R$ 4.378 por mês apesar de possuir um imóvel na capital paranaense.

Já Marcelo Bretas, da Lava Jato no Rio, foi à Justiça para que ele e sua mulher, que também é juíza, recebessem o benefício. Uma resolução do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) impede a remuneração a casais que morem sob o mesmo teto.

A paralisação foi decidida após consulta aos membros da Ajufe. "A indignação contra o tratamento dispensado à Justiça Federal se materializou", disse a instituição por meio de nota assinada pelo presidente Roberto Veloso.

Roberto Veloso, presidente da Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil), está em pé e usa terno e gravata
Roberto Veloso, presidente da Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil) - Divulgação

Na nota, a associação, por meio de seu presidente, ainda indica que o salário dos magistrados já acumula perda de 40%.

"Essa perseguição à magistratura federal é similar à que ocorreu depois da Operação Mãos Limpas, na Itália dos anos de 1990, quando, para enfraquecer o combate à corrupção, várias medidas foram aprovadas como punição aos juízes", diz a nota.

Para Veloso, outra forma de ataque aos juízes foi com a "acelerada a tramitação do projeto de alteração da lei de abuso de autoridade, em total desvirtuamento das dez medidas contra a corrupção, projeto esse de iniciativa popular".

"Chega-se, então, ao debate sobre o auxílio-moradia, ajuda de custo devida à magistratura, conforme previsão na Lei Orgânica da Magistratura Nacional há quase 40 anos", comentou na nota.

Veloso pontua que o auxílio-moradia também é pago "em dinheiro ou através de concessão de moradia funcional a membros dos Três Poderes da República, agentes políticos, oficiais das Forças Armadas, oficiais das Polícias Militares, servidores públicos, dentre tantas outras carreiras da União, dos estados e dos municípios, tudo dentro da mais estrita normalidade e sem nenhuma reclamação".

O presidente da Ajufe avalia que o questionamento quanto ao auxílio a magistrados é seletivo. "Somente a magistratura é alvo de ataques injustos e levianos, mesmo percebendo o benefício com base na lei e em uma decisão judicial legítima e extensamente fundamentada", disse.

"Os juízes federais não irão aceitar um tratamento discriminatório".

UOL
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.