Não tenho preferência da executiva, tenho preferência dos filiados, diz Doria 

Prefeito paulistano disse que a prévia do PSDB é prova de democracia

Thais Bilenky
São Paulo

O prefeito da capital paulista, João Doria (PSDB), respondeu por escrito que a reação negativa de eleitores paulistanos à sua eventual renúncia é compreensível.

"Mais à frente, a maioria entenderá que atendi a um chamado do meu partido."

Leia as entrevistas:

 

Folha - Sua decisão de disputar as prévias causou reação negativa no eleitorado paulistano pela eventual renúncia ao mandato. Como explicá-la?
João Doria - É natural que os eleitores que me elegeram tenham essa reação. Compreensível. Mais à frente, porém, a maioria entenderá que atendi a um chamado do meu partido para que as conquistas alcançadas no estado de São Paulo ao longo de 24 anos de governo do PSDB sejam preservadas. E para ajudar a eleger Geraldo Alckmin presidente do Brasil.

Adversários dizem que o senhor é beneficiado nas prévias já que tem a preferência da executiva do PSDB e muitos filiados têm emprego na prefeitura. Há pressão para que votem no senhor?
Não
tenho a preferência da executiva. Tenho a preferência da maioria dos filiados do PSDB no estado de São Paulo. São cerca de 86 mil filiados do PSDB aptos a votar. Não há, evidentemente, nenhuma possibilidade de haver pressão ou direcionamento. Prévia é eleição. Por isso é democrática. 

A sua participação nas prévias deixou o processo dentro do partido conturbado. E o vice-governador Márcio França (PSB)  já o trata como seu grande adversário na eleição. Como evitar que a disputa em São Paulo prejudique Alckmin nacionalmente?
Nossa participação é uma demanda da maioria do PSDB. Foi inscrita por mais 1.783 delegados do partido, ou seja de 53% dos delegados. No PSDB prevalece a democracia e a vontade dos seus filiados. O PSDB não tem dono. Tem militantes.  

A decisão de disputar o governo levou em conta a campanha de Alckmin à Presidência?
Na
campanha vamos ajudar Geraldo Alckmin na sua caminhada para chegar à Presidência da República.
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.