Marina e Ciro herdam votos de Lula, mas perdem para indecisos

Ex-ministros se beneficiam, mas 1/3 de lulistas diz não ter candidato sem petista

Ricardo Balthazar
São Paulo

Dois de cada três apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva dizem que certamente votariam num candidato indicado por ele se o líder petista ficar fora da corrida presidencial, segundo a pesquisa do Datafolha

Mas um terço dos eleitores lulistas se declararam sem candidato quando se viram diante das opções oferecidas nos cenários em que o ex-presidente não participa da eleição. Eles preferem votar em branco, ou anular o voto, em vez de escolher outro nome.

 

O levantamento do Datafolha mostra que a influência de Lula sobre o eleitorado continua grande, mesmo após sua prisão, que tornou mais remota a possibilidade de sua candidatura vingar.

Quase metade dos eleitores se declara disposta a votar em alguém apoiado por Lula: 30% dizem que o fariam certamente e 16% talvez. Entre lulistas, 66% votariam no indicado pelo ex-presidente com certeza e 21% talvez.

Entre os nomes lançados na disputa eleitoral, os que mais se beneficiam com a ausência do líder petista são a ex-senadora Marina Silva (Rede) e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), que foram ministros de Lula, mas se distanciaram muito do PT nos últimos anos. 

Marina alcança no máximo 20% dos votos lulistas nos cenários em que o ex-presidente é substituído por um dos dois nomes cotados no PT para assumir a vaga, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad e o ex-governador da Bahia Jaques Wagner.

Ciro fica com 15% do espólio lulista no cenário mais favorável para ele, segundo o Datafolha. Manuela D’Ávila (PC do B), que ficou ao lado de Lula nas horas que antecederam sua prisão no dia 7, herda apenas 3% dos votos. 

Segundo o Datafolha, parte do eleitorado lulista se dispersaria. Eles se mostram dispostos a apoiar até nomes da direita, como o deputado Jair Bolsonaro (PSL), ou o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), que Lula derrotou na eleição presidencial de 2006.

SIMPATIA

No discurso em que se despediu das ruas antes de ser preso, Lula fez gestos de simpatia para Manuela e outro presidenciável que entrou na disputa pelo seu espólio, o líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), Guilherme Boulos (PSOL).

Mas Lula deixou o carro de som sem indicar o que pretende fazer com sua candidatura, e nos dias seguintes o PT reafirmou a disposição de pedir registro à Justiça Eleitoral, desafiando o veto imposto pela Lei da Ficha Limpa.

Dirigentes petistas temem que o partido fique sem condições de viabilizar uma alternativa se Lula não abrir mão da candidatura. Haddad e Wagner têm desempenho fraco até mesmo entre os eleitores lulistas, segundo o Datafolha, alcançando no máximo 3% das intenções de voto. 

As simulações de segundo turno feitas pelo instituto mostram também que eles teriam pouca chance se entrassem no lugar de Lula e chegassem ao segundo turno da eleição. Os dois seriam derrotados por Bolsonaro e Alckmin.

Conforme as simulações do Datafolha, Marina e Ciro teriam melhores chances do que os petistas no embate com Bolsonaro e Alckmin se chegarem ao segundo turno.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.