Descrição de chapéu Eleições 2018

Petistas consolidam favoritismo antes da campanha no Nordeste

Legenda é favorita para os governos da Bahia, do Ceará e do Piauí

João Pedro Pitombo
Salvador

Mesmo vivendo seu momento mais difícil com a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o PT caminha para disputar as eleições estaduais como favorito nos estados do Nordeste já comandados pelo partido.

A desarticulação das oposições e ausência de nomes competitivos nas urnas reforçou o favoritismo dos governadores petistas Rui Costa (Bahia), Camilo Santana (Ceará) e Wellington Dias (Piauí) na busca por um novo mandato.

Na Bahia, a opção do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), por não renunciar ao cargo para entrar na disputa pelo governo do estado implodiu a união das oposições, que já tem três novos pré-candidatos ao cargo.

Os governadores Rui Costa (PT-BA), Ricardo Coutinho (PSB-PB), Camilo Santana (PT-CE) e Wellington Dias (PT-PI) na comitiva de governadores que tentou visitar Lula na no prédio da Policia Federal, em Curitiba
Os governadores Rui Costa (PT-BA), Ricardo Coutinho (PSB-PB), Camilo Santana (PT-CE) e Wellington Dias (PT-PI) na comitiva de governadores que tentou visitar Lula na no prédio da Policia Federal, em Curitiba - Zanone Fraissat 10.abr.2018 /FOLHAPRESS

O DEM lançou o nome de José Ronaldo, ex-prefeito de Feira de Santana, segunda maior cidade do estado. O PSDB quer colocar na disputa o deputado federal João Gualberto. Já o MDB lançou o nome do engenheiro João Reis Santana.

O PT voltará as urnas com a mesma base que garantiu a eleição de Rui Costa em 2014, incluindo partidos como PSD, PP e PR.

"Claro que se o candidato da oposição fosse ACM Neto, daria mais trabalho. Mas nosso grupo está consolidado, vem forte. A expectativa é de vitória", afirma o senador Otto Alencar (PSD), um dos principais aliados do petista.

No Ceará, o governador Camilo Santana (PT) deve ir para a disputa sustentado por uma chapa heterodoxa com a presença de PT, PDT, MDB e até o DEM.

No campo da oposição, não há sequer um nome lançado a sucessão estadual. Caciques do PSDB pressionam para que o senador Tasso Jereissati ser candidato a governador, garantindo um palanque forte para o presidenciável Geraldo Alckmin. O tucano, contudo, resiste em entrar na disputa.

O deputado estadual Capitão Wagner (Pros) é outro nome cotado ser o candidato da oposição. Mas ele enfrenta resistência de outros partidos por seu apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

No Piauí, o governador Wellington Dias tentará um quarto mandato como governador do estado, numa chapa que deve inclui PP e MDB.

A oposição lançou a candidatura do deputado estadual Luciano Nunes (PSDB), mas ainda tem como possibilidade o senador Elmano Ferrer, que filiou-se ao Podemos e saiu da base do governador.

Nome considerado mais forte no campo das oposições, o prefeito de Teresina, Firmino Filho (PSDB) optou por permanecer no cargo.

Se, por um lado, os governadores petistas vão para as urnas com chapas fortes e oposição desorganizada, por outro, enfrentarão a campanha eleitoral com seu principal cabo eleitoral, o ex-presidente Lula, na prisão.

Também vão encarar problemas no campo administrativo, como o incremento do número de mortes violentas entre 2014 e 2017. O avanço foi de 5,5% na Bahia e de 15,6% no Ceará.

"Será uma eleição plebiscitária e o vamos destacar os principais problemas das gestões do PT. Eles não terão facilidade", diz o deputado federal José Carlos Aleluia (DEM-BA).

OUTROS ESTADOS

Além dos estados em que luta pela reeleição, petistas devem disputar os governos do Rio Grande do Norte, com a senadora Fátima Bezerra, e de Pernambuco, com a vereadora Marília Arraes, prima do ex-governador Eduardo Campos.

Nos demais estados nordestinos, o PT não terá candidatura própria e deve apoiar Flávio Dino (PC do B) no Maranhão, Belivaldo Chagas (PSD) em Sergipe, Renan Filho (MDB) em Alagoas e João Azevedo (PSB) na Paraíba.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.