Senadores fazem diligência na cela de Lula e falam em visita política

Capiberibe afirmou que petista está bem, mas indignado com as distorções que chegam para a população

Ana Luiza Albuquerque
Curitiba

Onze senadores fizeram, na tarde desta terça (17), uma diligência nas instalações onde o ex-presidente Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba (PR). O senador João Capiberibe (PSB), em entrevista à imprensa, disse que a diligência foi também uma visita política. "Não deixa de ser uma visita política porque se trata de um preso político."

Capiberibe afirmou que Lula está bem, mas indignado com "as distorções que chegam para a população". Segundo ele, o ex-presidente está preocupado com a instabilidade que o país atravessa e com o funcionamento das instituições. O senador disse que as instalações são razoáveis e que a grande preocupação da comissão é com o isolamento do ex-presidente.

"É um homem interativo que passava os dias conversando e hoje está muito isolado. O advogado está sempre presente, mas precisa ter diálogo com mais pessoas."

A diligência foi aprovada pela Comissão de Direitos Humanos do Senado. Três parlamentares foram substituídos nesta terça: Jorge Viana (PT) por Humberto Costa (PT), Angela Portela (PDT) por José Pimentel (PT) e Randolfe Rodrigues (Rede) por Lídice da Matta (PSB).

Além de Costa, Pimentel, Lídice e Capiberibe, também participaram da visita os senadores Fátima Bezerra (PT), Paulo Paim (PT), Paulo Rocha (PT), Regina Sousa (PT), Vanessa Grazziotin (PC do B), Lindbergh Farias (PT) e Gleisi Hoffmann (PT). O encontro durou cerca de duas horas.

A senadora Vanessa Grazziotin (PC do B) afirmou que Lula não deixou que ninguém chorasse e disse que, nas suas instalações, não estava muito diferente de como sempre viveu. Lindbergh Farias (PT) relatou que o ex-presidente afirmou não estar preocupado consigo mesmo, mas com o povo e a democracia.

Segundo a senadora Regina Sousa, os parlamentares visitaram outros presos na carceragem e todos disseram que são tratados com respeito. Ela ressaltou que o "bom dia" entoado pelos manifestantes em frente à PF é essencial. "Vocês não sabem o bem que faz para ele. Se a polícia vier tirar vocês daqui, vocês fingem que saem, mas voltem." ​

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disse que os parlamentares ficaram emocionados com a visita. Ela também afirmou que objetos do ex-presidente, como roupas limpas e cartas, foram furtados do carro de um assessor do PT, no centro de Curitiba.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.