Tenho dúvida real sobre minha capacidade, diz Bernardinho sobre eleição

'Tenho visto quão pouco eu sei. Tem tanta gente competente', diz treinador

Bernardinho, ex-técnico da seleção brasileira masculina de vôlei
Bernardinho, ex-técnico da seleção brasileira masculina de vôlei - Leonardo Wen - 22.fev.2017/Folhapress
Thais Bilenky
Porto Alegre

O treinador de vôlei Bernardinho, cotado pelo Partido Novo como candidato a governador do Rio ou mesmo a vice na chapa presidencial de João Amôedo, se disse inseguro sobre sua capacidade para disputar uma eleição, se ganhar, para governar.

Em palestra motivacional sobre liderança no Fórum da Liberdade, em Porto Alegre, nesta terça-feira (10), o ex-técnico da seleção brasileira disse que eventual ameaça à segurança de sua família, preocupação de sua mulher, não é o principal entrave para a candidatura.

Mas admitiu que a família não o incentiva. Na saída, alguém da plateia gritou "meu governador!". "Minha mulher vai brigar com você", ele respondeu.

Entre os motivos da ponderação, que se arrasta há meses, disse ele, é o tamanho do desafio.

"Tenho dúvida real em relação à minha capacidade para fazer aquilo que se tem que fazer. Eu vejo pessoas muito mais preparadas do que eu", afirmou. "Tenho visto quão pouco eu sei. Tem tanta gente competente", contou.

O treinador citou o universo político ao esportivo como outro desmotivador.  "Sou do esporte, há regras. Me parece que não há muitas regras nessa seara. Chute na canela à vontade. Me incomoda essa questão da falta de regras", disse.

Bernardinho lamentou também que teria de abdicar do vôlei caso entre para a política eleitoral. Após uma breve pausa e um suspiro, disse: "Seria meu último lance".

"É duro deixar o vôlei totalmente não é uma decisão trivial para quem se dedicou tanto", comentou.

Bernardinho disse disse, porém, que não é só por meio da eleição que participará da política. "Não pensa que, se eu declinar da questão da candidatura, que eu vou deixar de me envolver". 

Questionado pela Folha sobre o maior peso dado aos contras do que aos prós da eventual candidatura, Bernardinho disse que está "bastante dividido".

"Hoje não sou candidato a nada. Tive convites para ir embora do país, assumir posições fora, mas acho que não é hora", contou.

Sobre eventual posto de vice, ele disse que existem algumas possibilidades e está avaliando com calma.

A PALESTRA

De pé, mudando slides projetados ao fundo do palco, falando rápido, o treinador exaltou características como a disciplina, a humildade e a resiliência para obtenção de resultados vitoriosos.

Contou casos de quando era técnico da seleção e desdenhou da pompa que autoridades cultivam. "Não existem pessoas especiais. Eventualmente fazem algo que as pessoas consideram especiais. Mas não são pessoas especiais."

Ele cobrou a observância do interesse público por servidores públicos. "Vossa Excelência é quem nós estamos servindo", decretou.

Citou o almirante americano Willian McRaven, um dos comandantes da operação que capturou Osama bin Laden. "Se você quer mudar o mundo, comece arrumando a sua cama", pregou.

Incentivou os ouvintes a serem perseverantes. "Grandes não são aqueles que não caem, mas aqueles que se levantam", notou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.