Ciro chama Holiday de 'capitãozinho do Mato' e vereador o acusa de racismo

Declaração foi dada ao pré-candidato comentar uma possível aliança com o DEM

Géssica Brandino Rodrigo Borges Delfim
São Paulo

O pré-candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) chamou o vereador de São Paulo Fernando Holiday (DEM) de “capitãozinho do mato” em entrevista à Rádio Jovem Pan na manhã desta segunda-feira (18). O vereador demista reagiu nas redes sociais e disse que processará Ciro.

“Imagina, esse Fernando Holiday aqui. O capitãozinho do mato, porque é a pior coisa que tem é um negro que é usado pelo preconceito para estigmatizar, que era o capitão do mato do passado”, declarou.

A fala foi feita após Ciro ser questionado sobre uma aliança com o DEM em torno de sua candidatura ao Planalto. O ex-ministro disse que estava disposto a dialogar pensando num projeto de futuro para o país e citou Holiday para exemplicar que existiam problemas entre ele e integrantes do partido, o que precisaria ser debatido.

“Não tem a menor chance da gente superar essas contradições sem violentar determinados princípios e princípios eu não violento”, afirmou.

Após a entrevista, durante um evento com presidenciáveis em São Paulo, Ciro justificou a declaração, lembrando que Holiday é a favor do fim das cotas e quer acabar com o dia da consciência negra. "É uma metáfora segura que eu tenho que ele faz esse papel em pleno século 21."

Durante o período da escravidão, capitão do mato era uma pessoa contratada para perseguir escravos fugitivos, função frequentemente exercida por um negro. 

Ligado ao MBL (Movimento Brasil Livre), de direita, Holiday é crítico do movimento negro e de cotas raciais.

Em vídeo divulgado nas redes sociais, o vereador disse que racismo é crime “não importa de onde ele venha, da direita ou da esquerda” e prometeu processar Ciro por injúria racial. “Agora é na Justiça! Holiday processará civil e criminalmente Ciro Gomes por injúria racial!”, diz um meme publicado na página do político. 

“Sou uma pessoa que busca quebrar estes estigmas, que busca trazer um discurso diferente ao combate ao racismo e ao preconceito”, disse o vereador. 

Lideranças do movimento negro ouvidas pela Folha não mostraram solidariedade imediata com o vereador.

Para o Frei David Raimundo dos Santos, diretor-executivo da Educafro, Holiday tem um grande serviço a prestar ao povo negro, mas primeiro deve entender a importância de ações como as cotas raciais. 

“A Educafro entende que o Holiday é nosso irmão, negro, mas ele precisa entender que a única politica que tirou o negro da miséria foram as cotas na universidade e no serviço público. Nós queremos ajudá-lo a entender, ajudar um negro de direita a avançar nessa pauta”, afirmou.

Já o professor Ailton Santos, ativista e membro do Comitê contra o Genocídio da População Pobre, Preta e Periférica, foi mais enfático na crítica ao vereador do DEM e viu procedência na analogia de Ciro.

“De uma certa forma [o Ciro] tem razão, porque [Holiday] vem fazendo um papel bem similar ao que o capitão do mato fazia, isto é, defendia os interesses dos senhores, e hoje o vereador representa uma bandeira conservadora. A única ressalva é que o capitão do mato não tinha tantos privilégios que o vereador tem”, afirmou.


 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.